Chile

 

Senha Aberta – Terceira Afinação – Chile

 

São resultados deste projeto: Pesquisa literária, musical e audiovisual; pesquisa e produção de conceitos, imagens, projetos e sites afins; estandarte; diário; fotografias; vídeos; entrevistas; sons; percursos; rotas; caminhos; mapas; blog; vivências e relações.

 

“Há pessoas que lutam um ano e são boas.Há pessoas que lutam dois anos e são melhores.
Porém,
Há pessoas que lutam toda a vida.
Essas são indispensáveis”.
(Bertold Brecht)
 

Pauta: Chile.

Oficialmente, República do Chile. Atualmente, está dividido em 15 regiões, 54 províncias e 346 comunas. Santiago, com área de 756.950 km², é sua capital e cidade mais populosa.

 

Ocupa uma extensa faixa costeira entre a Cordilheira dos Andes e o Oceano Pacífico. Está em seu território o deserto mais seco do mundo – o Atacama.

 

Faz fronteiras com: Peru (a norte), Bolívia (a nordeste), Argentina (a leste), e Oceano Pacífico (a oeste).A população estimada, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), é de 17 milhões de habitantes, que têm como idioma oficial o Espanhol.

Segundo o último senso, o IDH do Chile é 0,822 – o melhor da América Latina.
Moeda: Peso Chileno (CLP)
Fuso horário: UTC -3.

 

Os primeiros indícios de presença humana no território chileno remontam ao ano de 12.000 a.C.

São alguns dos seus povos originários: Mapuches, Aimaras, Diaguitas, Atacamenses e Changos.

Os Rapanui chegaram à Ilha de Páscoa por volta do ano 600 d.C., vindos das Ilhas Polinésias.

No século XV, os povos que habitavam o norte, como os Aimaras, Atacamenses e Diaguitas, foram subjugados ao Império Inca.

 

Antes da chegada dos invasores europeus, o norte do Chile estava sob o domínio Inca, e os Mapuches habitavam o centro e o sul do território. O encontro dos dois mundos – europeu e chileno – aconteceu no ano de 1520, durante a missão de cirucun-navegação de Fernando Magalhães. Os povos Mqpuches foram os que mais resistiram à presença europeia. Eles, inclusive, lutaram contra os espanhóis na Guerra do Arauco (1550-1656).

 

O sistema de trabalho utilizado pelos colonizadores levou à escravização de Mapuches na Guerra do Arauco e à compra de negros, do continente africano, que foram escravizados.

 

O Chile declarou sua independência dos espanhóis, em 1817, mas foi reconhecido como país independente somente em 1818.

O movimento, liderado por Bernardo O’Higgins,  colocou o país na dominação do imperialismo britânico.

Manuel Blanco Encalada é eleito o primeiro presidente da República.

 

1-MAPA DO CHILE

 

 

Sobre o Chile na atualidadade, um importante relatório estatístico está disponível em: <http://www.ine.cl/cd2002/sintesiscensal.pdf>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

Atividade do Projeto Senha Aberta:

Residência artística através do ‘Matucana 100 – Centro Cultural’, de 15 de setembro a 20 de outubro de 2015, na cidade de Santiago do Chile.

 

 

Música seminal: ‘Gracias a la Vida’          

                         

Compositora: Violeta Parra.

 

2- TARJA PRETA MONTADA  cópia

 

O disco ‘As últimas canções’, de Violeta Parra, encontrar-se, no momento, sob contenda judicial, no Chile, entretanto a letra da canção está disponível em <http://www.archivochile.com/Cultura_Arte_Educacion/vp/d/vpde0024.pdf>
Acesso em: 10 março 2016.

 

Pauta: A canção ‘Gracias a la Vida‘.

Para Victor Hugo, “A música é o barulho que pensa.”

‘Gracias a la Vida’ foi composta em 1964 e cantada inicialmente por sua autora, Violeta Parra, acompanhada ao violão por seus dois filhos, Angel e Isabel Parra. Abre seu último álbum ‘Las últimas composiciones (1966)’.

A canção foi amplamente difundida nos países latino-americanos, especialmente durante os períodos das lutas por redemocratização nas décadas de 60 a 90, como um louvor à vida.

 

É uma das canções mais importantes da música chilena, latino-americana e mundial.

Guarda as memórias de momentos de repressão.
Soou na luta por sobrevivência dos encarcerados.
Carrega energias acumuladas pela luta contra o poder opressivo
conjuga a capacidade de manter a esperança.

 

Conceito: Poder.

“Possuir força física ou moral; ter influência, valimento; ter autorização para; ter ocasião ou meio de; conseguir; ter a oportunidade, o ensejo, a ocasião de; ter domínio ou controle sobre; direito ou capacidade de decidir, agir e ter voz de mando; autoridade; domínio de fato exercido sobre uma coisa; posse.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 2244).

 

 

Sobre poder:

‘Eric Liu: ‘Why ordinary people need to understand power’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Cd0JH1AreDw>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

Espaço
A canção ‘Gracias a la Vida’ carrega a energia de cada vida ceifada nos processos ditatoriais.
Carrega a melancolia dos exilados.

Carrega a energia dos gritos de ‘abaixo a ditadura’,
de vários povos.
Carrega minhas memórias.

 

O poder
rosna
estrebucha
quando a solidariedade
gestada
canta.

 

Interpretaram ‘Gracias a la Vida’, entre outros:

Violeta Parra, Mercedes Sosa, Joan Baez,   junto com Inti-Illimani, Cecilia,  Isabel Parra, Alberto CortezRaphael, Elis ReginaMaría Jiménez, Johnny González, Sonia la Única, Los CalchakisVicente Fernández, Richard Clayderman, Plácido DomingoFacundo Cabral, Nana Mouskouri, Soledad BravoLuis Jara, MauraneOmara PortuondoLos Bunkers, Chavela Vargas, María Dolores PraderaYasmin LevyLa Oreja de Van Gogh, Verónica Garay, Opaso Amaury PérezFrank Fernández, Savia Andina, Gloria Simonetti, Los Tres, Jorge GonzálezPasión Vega, Rosario Flores, Luz CasalAna Belén com María del Mar Bonet e Isabel Parra, Laura Pausini, Óscar Chávez e Davichi, além de outros, com links disponíveis na rede mundial de computadores.

 

Alegro
Sou significado e significante dessa canção!

 

Conceituação básica de ‘Gracias a la Vida’:

 

É uma canção de amor entre um homem e uma mulher, e também concretiza o amor pela vida e o agradecimento por tudo que é possível.

Nos momentos das lutas pela redemocratização em países latino-americanos, ela foi cantada para festejar a união dos povos.

 

 

Links: ‘Gracias a la Vida’

 

Com Violeta Parra
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=oXr8L6Pkaeg>
Acesso em: 04 ago 2015.

 

Com Mercedes Sosa
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=WyOJ-A5iv5I>         Acesso em: 04 ago 2015.

 

Com Joan Baez
Disponível em : <https://www.youtube.com/watch?v=DFZxBvUMlG0> Acesso em: 04 ago 2015.

 

Com Elis Regina
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QhZYeWATfhg>
Acesso em: 04 ago 2015.

 

*Na área destinada a links e referências estão várias outras gravações de ‘Gracias a la Vida’, outras canções desta compositora, e outros links relacionados a este projeto.

 

 

Tema dominante: Ditadura Civil-Militar Chilena (1973-1990).

 

 

 Pauta: Ditadura Civil-Militar no Chile.

 

 

Conceito: Ditadura.

“Governo autoritário exercido por uma pessoa ou grupo de pessoas, com supremacia do poder executivo, e em que se suprimem ou restringem os direitos individuais.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 1062).

Formas de vida às quais o poder do capital vem se impondo aos povos nos quatro cantos do mundo.

 

 

Pauta: Ditadura chilena.

A ditadura civil-militar chilena foi instaurada em 11 de setembro de 1973, quando os comandantes-em-chefe das Forças Armadas e o general diretor dos Carabineiros do Chile, com apoio de parte da sociedade civil, deram um golpe de Estado e depuseram o governo democraticamente eleito do Presidente Salvador Allende.

 

A ditadura chilena durou até o dia 11 de março de 1990.

 

Durante a derrubada do governo de Salvador Allende, o Palácio ‘La Moneda’, onde o Presidente se encontrava, foi atacado por terra e bombardeado pelo ar.

 

A Junta Militar informou que Salvador Allende havia se suicidado.

 

‘Não acredite neles!’

 

Harold Pinter ler ‘Testament’, de Arie
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=bSHa-OOGz9c>       Acesso em: 21 set 2015.

 

Após a instauração da ditadura, em 1974, foi criada oficialmente a Direção de Inteligência Nacional (DINA).

 

“Se trataba de un organismo militar de carácter técnico profesional, dependiente directamente de la Junta de Gobierno y cuya misión será la de reunir toda la información a nivel nacional, proveniente de los diferentes campos de acción, con el propósito de producir la inteligencia que se requiera para la formulación de políticas de planificación y para la adopción de medidas que procuren el resguardo de la seguridad nacional y el desarrollo del país.” (Informe de la Comisión Verdad y Reconciliación, 1990, p. 55).

 

Durante todo o período da ditadura chilena, foram utilizadas prisões em massa, sequestros, torturas, execuções e desaparições de pessoas.

 

Treinados na ‘Escuela de las Américas’, os agentes da ‘DINA’ iniciaram uma campanha de repressão, focalizada primeiramente no ‘GAP’ (Grupo de Amigos Pessoais de Allende, sua guarda pessoal); no ‘Mir’ (Movimiento de Isquierda Revolucionaria); no Partido Socialista do Chile; no Partido Comunista do Chile; e, na sequência, a todos os simpatizantes da democracia, e aos amigos dos amigos dos simpatizantes, em uma interminável lista de perseguidos, oprimidos, torturados, executados e desaparecidos.

 

Sobre o ‘GAP’:

GAP – Grupo de Amigos del Presidente’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=nPmFLtntY2g>
Acesso em: 22 jul 2015.

 

Torna-se fundamental entender a participação dos Estados Unidos da América no Norte nos destinos de vários governos democráticos da América Latina.

 

Gabriel García Márquez, em seu texto ‘Crônica de uma tragédia anunciada’, nos apresenta, com nitidez, a participação norte-americana no golpe do Chile – inclusive os planos ‘Camelot’, ‘Contingency’ e a ‘Operação Unitas’ –, as articulações financeiras, militares e políticas, as posições legalistas e pacifistas de Allende e a participação da população civil no golpe militar.

 

Trata, também, da participação brasileira no golpe: “Porque no se trataba de tumbar a un gobierno, sino de implantar la tenebrosa simiente del Brasil, con sus terribles máquinas de terror, de tortura y de muerte, hasta que no quedara en Chile ningún rastro de las condiciones políticas y sociales que hicieron posible la Unidad Popular”.

 

E, referindo-se a Salvador Allende, afirma: “La contradicción más dramática de su vida fue ser al mismo tiempo, enemigo congénito de la violencia y revolucionario apasionado y él creía haberla resuelto con la hipótesis de que las condiciones de Chile permitían una evolución pacífica hacia el socialismo dentro de la legalidad burguesa. La experiencia le enseñó demasiado tarde que no se puede cambiar un sistema desde el gobierno sino desde el poder.”

 

O texto é fundamental, e está disponível em: <http://www.letrasperdidas.galeon.com/consagrados/c_garciamarquez09.htm>
Acesso em: 22 nov 2015.

 

 

Conceito: Burguesia.

“Na Idade Média, qualidade ou condição de burguês (‘habitante livre’); classe social surgida na Europa, com o desenvolvimento dos burgos medievais e o influxo do comércio na sociedade feudal, e que principia a gozar, com o seu enriquecimento, de crescente liberdade e poder, passando a dominar sociopolítica e economicamente as outras classes, a partir da Revolução Francesa (1789); conjunto dos burgueses, vale dizer, os que exercem profissões liberais, estando mais ou menos ligados às esferas dirigentes e detentoras da economia; classe média; caráter considerado como típico desta classe social.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 531).

 

U2 – Discurso do Bono sobre a ditadura Chilena’ – legendado em português.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=yVkjzAYwGBU>
Acesso em: 20 ago 2015.

 

 

 Pauta: Ditadura brasileira e o Chile.

O governo ditatorial brasileiro participou efetivamente do que ficou conhecido como ‘Operação Condor’ – a organização de repressão e morte articulada pela ‘CIA’, que funcionou com trocas de informações, prisioneiros e técnicas de torturas e morte em diversos países da América Latina – Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela, com articulação dos Estados Unidos da América do Norte.

 

Vários depoimentos testemunham sobre a participação de militares brasileiros na derrubada do poder democrático no Chile, e também ensinando métodos e participando de seções de tortura, além de fornecer equipamentos, em inúmeros centros de detenção clandestinos nesse país.

 

Depoimentos sobre a participação de policiais brasileiros no golpe do Chile:

 

‘Jornalismo – CDH’, debate participação de brasileiros em sessões de torturas no Chile.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=2aIsr6_65Dc>
Acesso em: 22 nov 2015.

 

Depoimento de ex-preso político torturado por policiais brasileiros no Chile.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=xZtIFbLRjpg>
Acesso em: 22 nov 2015.

 

‘Atuação da polícia política brasileira no golpe que depôs o presidente chileno Salvador Allende’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=f751hBWH33I>
Acesso em: 22 nov 2015.

 

Adágio:
Em 1980, Augusto Pinochet promulgou a Constituição Política da República do Chile, que legalizava seu governo ditatorial. Esta constituição  conduz as regras políticas do país até hoje, 2015!

 

Devido ao desgaste internacional e a inúmeros movimentos populares contra a ditadura, Augusto Pinochet –  que pretendia permanecer no poder por mais oito anos –  decidiu pela realização de um plebiscito popular, que aconteceu em 1988.

 

No ano seguinte, Patrício Aylwin foi eleito para o cargo de presidente, acabando com o regime ditatorial.

 

Outras informações sobre as violações aos Direitos Humanos no Chile disponíveis em ‘Memória Viva’: <http://www.memoriaviva.com/>
Acesso em: 19 mai 2015.

 

 

Conceito: Política.

”Arte ou ciência de governar; arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados; ciência política; habilidade no relacionar-se com os outros, tendo em vista a obtenção de resultados desejados.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 2253).

 

Sobre política:
‘O Drama Burguês – Gerd Bornheim e Marilena Chauí’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=I6BrqfJaaqM> Acesso em: 22 ago 2015.

 

Conceitos nessa palestra: poder, política, despotismo, poder cristão, igreja, deus como pai, déspota, poder teológico cristão, burguesia, individualismo, leis, ética, economia, natureza-homem, liberdade, violência.

 

 

 Belo Horizonte, 15.09.2015 (3ª feira)

1º Movimento
Andante
Viagem de Belo Horizonte a São Paulo, pelo voo JJ3441, da TAM. Saída do Aeroporto Internacional Tancredo Neves – Confins, às 6h0min. Chegada ao Aeroporto Internacional de São Paulo – Guarulhos, às 7h25min.

 

São Paulo, 15.09.2015 (3ª feira)

1º Movimento
Andante
Viagem de São Paulo a Santiago do Chile, pelo voo LA759, da LAM.  Saída do Aeroporto Internacional de São Paulo – Guarulhos, às 09h55min. Chegada ao Aeroporto Internacional Comodoro Arturo Merino Benítez, Santiago do Chile, às 13h45min.

 

3- ROTA LA-SP -SANTIAGO

 

 

Alegro
O piloto anunciou quando estávamos cruzando a Cordilheira dos Andes…
emocionante
o outro lado de um mundo
de um mesmo mundo
mundo mundo
que tantas vezes cantei em verso e prosa:
América Latina.

 

Santiago, 15.09.2015 (3ª feira)

1º Movimento
Andante
Chegada a Santiago.

Alegro  

Aqui tem início a terceira afinação do Projeto Senha Aberta.

2º Movimento
Andante
T
omo um táxi do aeroporto de Santiago até a casa de ‘Ani’.
Alegro
‘Ani’ mora na rua Suécia, na comuna de Nuñoa, em um apartamento no décimo terceiro andar.

Sou recebida com carinho. Estou bem instalada, física e emocionalmente.

 

4-VISTA DA JANELA DE MINHA PRIMEIRA MORADA  cópia

 

Santiago, 16.09.2015 (4ª feira)

 

Pauta: Santiago

A cidade é margeada pela Cordilheira dos Andes e entrecortada pelo rio Mapocho. É a principal metrópole chilena, seu maior, mais importante e desenvolvido centro urbano, financeirocultural, com população de aproximadamente 5,5 milhões de habitantes.

 

Em Santiago existem muitas construções históricas dos séculos XVIII e XIX. Mantém a influência da arquitetura europeia, apesar da crescente presença da arquitetura contemporânea.

 

Repleta de museus, galerias e outros órgãos culturais, a cidade mantém vida cultural diversificada, apesar de nos últimos tempos poder-se observar o fechamento de pequenos teatros, que vêm dando lugar, por exemplo, a restaurantes chineses e igrejas evangélicas.

 

1º Movimento
Andante
Conhecer o ‘Matucana 100 – Centro Cultural’.

 

 Pauta: ‘Matucana 100 – Centro Cultural’.

 

5-  M 100P INSTITUIÇÃO DE MINHA RES ARTISTICA

 

“Corporação de direito privado, sem fins lucrativos, o ‘M100’ tem como objetivo desenvolver ações e manifestações culturais, científicas, tecnológicas, sociais e de aperfeiçoamento, promovendo atividades do saber humano, permitindo o acesso de pessoas de todas as condições, promovendo e participando ativamente no desenvolvimento e aperfeiçoamento das aptidões e dos processos culturais e artísticos.

Esta multiplicidade de propósitos se traduz através de compromissos de gestão que temos assumido como equipe, perante o grande desafio de trabalhar intensamente para alcançá-los.

Nossa tarefa fundamental é gerar espaços para a cultura contemporânea, procurando visibilizar o trabalho dos artistas e de aproximá-los do público; sendo assim, agentes fundamentais do tecido cultural. Porém, assim como devemos responder aos interesses de nosso público atual, exigimos atender às novas audiências com o fortalecimento de nosso enfoque contemporâneo, ampliando a oferta cultural artística até outros patamares: cultura ambiental, projetos educativos, vínculos comunitários e institucionais, entre outros, buscando a abrangência, sem esquecer que o acesso aos bens culturais e a participação da sociedade civil são eixos fundamentais que articulam não somente as políticas públicas, mas também dão sentido às ações que impulsionamos como corporação de direito privado com vocação pública.

Na busca de consolidar uma marca ligada à arte contemporânea, entendemos que o resguardo à diversidade e a missão de abrigar a mais ampla gama de manifestações e expressões cidadãs é outro de nossos imperativos como espaço cultural.

Site: <http://www.m100.cl/sobre-m100/matucana-100/>
Alegro
O pessoal do ‘M100’ me recebe como ‘gente de casa’.

 

Através de uma equipe competentíssima, que trabalha sem estranhamento às novas propostas artísticas e mantêm relações abertas com os artistas e com os diversos públicos.

 

6- CENTRO CULTURAL MATUCANA 100 cópia

 

 

2º Movimento

Andante

Visita à exposição coletiva ‘Politica y Celebridad’, na ‘Galeria de Artes Visuales’, no ‘Matucana 100 – Centro Cultural’.

Alegro

A exposição apresenta trabalhos de vários artistas que relacionam sua obra aos acontecimentos políticos e aos agentes da política, e às formas através das quais elas são apresentadas à sociedade mundial como celebridades.

 

Apresenta, entre outros, trabalhos de Alfredo Jaar, Antonio Cortés Rolón e Frederico Solmi.

 

 

7- psPOLITICA E CELERIDAD- EXPOd cópia

 

3º Movimento

Andante

Caminhar pelo centro de Santiago.

Alegro

Caminho deste o ‘M100’ até a Alameda Libertador General Bernardo O’Higgins, mais conhecida como ‘Alameda’, a principal avenida de Santiago.

 

Passo pela Universidade de Santiago, Estação Central, Palácio ‘La Moneda’, Universidade do Chile, Universidade Católica e Biblioteca Nacional.

 

Como em outros centros urbanos da América Latina, observam-se muitas pessoas vendendo pequenas coisas pelas calçadas.

 

Olhando bem em seus rostos, percebem-se as distinções raciais das populações mais pobres, aqui marcadamente com traços dos povos originários.

 

Observo a arquitetura europeia e as intrigantes contradições entre esses dois mundos – originários e invasores e também as misturas raciais.

 

4º Movimento

Andante

Apanho o metrô para casa.

Espaço

Desço na estação ‘Los Leones’ e caminho até a casa de ‘Ani’.   Adágio       Creio que caminhei mais de 20 quarteirões. Nesse percurso, as calçadas, aparecem geralmente, em frente a casas ou apartamentos de classe média alta… Imagino os camelôs da Av. Alameda nessas calçadas.

 

Que imagem!

 

5º Movimento

Andante

O terremoto de 16 de setembro.

Adágio

O tremor, de 8.3 na escala Richter, às 19h54min, com epicentro em Illapel, sacudiu o norte do país e a cidade de Santiago.

 

As réplicas tiveram até 6.5 na escala.

 

Eu nos movimentos sísmicos do Chile:

 

Eu estou relativamente ‘parada’. As placas que formam o planeta se chocam. Então, sou forçada a fazer os movimentos necessários, junto com o resultado do choque entre elas, para me manter em pé, em movimentos radicais, tentando centralizar o meu centro de gravidade.

 

O terremoto foi sentido no Brasil – Rio Grande do Sul e São Paulo. Eu, que estava no 13º andar, quase morri de susto.

 

Por viver com apenas cerca de 10% da habilidade visual considerada ‘normal’, sinto-me enjaulada mediante a perspectiva de novos tremores e a possibilidade de necessitar descer 13 andares pela escada, inclusive em caso de acontecerem novos tremores durante a noite, e de estarmos com a energia cortada.

 

Informações sobre placas tectônicas estão disponíveis em:  <http://planeta-terra.info/placas-tectonicas.html>
Acesso em: 30 nov 2015.

 

8- PLACAS TECTONICAS- MONTADA  cópia

 

 

Pauta: Terremotos do Chile.

O país está sobre a placa de Mazca, que pressiona o território do país contra a placa latino-americana.

Essa pressão acontece constantemente exatamente na costa pacífica do Chile. Por aqui a terra treme quase todos os dias.

 

Santiago, 17.09.2015 (5ª feira)

1º Movimento

Andante

Trabalho no ‘M100’.

Alegro

Depois de uma noite insone, com o prédio balançando, resolvo vir para o ‘M100’, passar o dia trabalhando.

 

Busco formas de entender, um pouco, a história dos povos.

 

Filme: ‘(A.H.F.) Utopia e barbárie’.

 

Pauta: Filme – ‘(A.H.F.) Utopia e barbárie’, dirigido por Silvio Tendler.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=cn9li_NePro>

Acesso em: 17 out 2015.

 

Alegro                                                                                                   Informações no link do filme: “É um ‘road movie’ histórico, que percorreu ao todo 15 países e levou 19 anos até ser concluído. França, Itália, Espanha, Canadá, EUA, Cuba, Vietnã, Israel, Palestina, Argentina, Chile, México, Uruguai, Venezuela e Brasil.

 

Em cada um desses lugares, Silvio Tendler documentou os protagonistas e testemunhas da história, apresentando-os de forma apartidária.

 

O documentário trafega por alguns dos episódios mais polêmicos d

 

os últimos séculos, como as bombas de Hiroshima e Nagasaki, o Holocausto, a Revolução de Outubro, o ano de 1968 no mundo, a Operação Condor, a queda do Muro de Berlim e a explosão do neoliberalismo mais canibal que a História já conheceu […] Essa obra é o que se costuma chamar dentro do jornalismo de ‘grande reportagem’.”

 

 

 

Conceito: Revolução.

“Ato ou efeito de revolucionar(-se); grande transformação, mudança sensível de qualquer natureza, seja de modo progressivo, contínuo, seja de maneira repentina.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 2454).

 

Roberto Bolaño declarou que “Nossa ética é a revolução. Nossa estética é a vida. Uma só coisa”.

 

Para Bill Viola “O poder real dos seres humanos é a energia coletiva. O que podemos fazer juntos é extraordinário. […] Mesmo se uma ideia vem de uma pessoa, é a energia coletiva que torna a mudança possível.” […] E,  ‘Agorinha há um momento do tempo passando, e devemos ser esse momento’, ao citar Cézanne”.

 

Em ‘Video Art, Sense Perception and Human Experience’.

(Apresentação em alemão e em inglês a partir do minuto 11:40). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=IY13ZocVePU> Acesso em: 20 ago 2015.

 

2º Movimento
Andante

Estudos sobre memórias.

 

Conceito: Memória.

Ivan Izquierdo – “Somos aquilo que nos lembramos. Eu sou porque me lembro de ser quem sou. […] No momento que me esqueço de algum aspecto importante de minha vida, dos episódios de minha vida, ou de algo que a constitua deixo de ser quem sou. […] Mas também somos aquilo que escolhemos esquecer”.

 

Jean Breschand – ”A memória não é imaterial, está inscrita na carne do mundo”.

Martin Almada – “A memória é o espaço de luta política. E temos que conhecer a memória que querem ocultar, que querem tapar, que querem nos anestesiar, esquecer nossa história, nossas lutas”.

Susan Sontag – “Nos dizem sobre o que devemos pensar. E depois nos dizem que essas são nossas memórias”.

(‘Utopia e barbárie’, de Silvio Tendler)

 

Conceito: Sonho.

Eduardo Galeano – “O direito de sonhar é o pai e a mãe de todos os direitos. É o que dá de comer a todos os outros direitos. O que seria de nós se não tivéssemos essa possibilidade de vermos mais longe. […] Esse é o pão que dá de comer à esperança”.

 

 

José Saramago – “O espelho e os sonhos são coisas semelhantes, é como a imagem do homem diante de si próprio”.

Paulo Leminsky –

“Confira,
tudo que
respira…
conspira.
Tudo é vago e muito vário
meu destino não tem siso,
o que eu quero não tem preço
ter um preço é necessário,
e nada disso é preciso
Isso de querer
ser exatamente aquilo
que a gente é…
ainda vai
nos levar além”.

(Em ‘Utopia e barbárie’, de Silvio Tendler)

Ruben Alves – “Todas as coisas são feitas a partir do sonho”.

Qilapayún, na ‘cantata Santa Maria de Iquique’, em 2006, inicia seu show com as seguintes palavras:

“Aqui estamos de novo, os de sempre, e com esses recitais estamos encerrando o ‘Ciclo da Memória’. Queremos reivindicar o que temos sido, porque somente enraizados no passado se constroem os sonhos de amanhã. […] Nós seguimos com nosso coração posto no mesmo lugar de sempre: no Chile, na democracia, na justiça plena, na solidariedade, no respeito aos direitos humanos. Porém, sobretudo, na certeza de que a arte e a poesia, a criação, e a imaginação são as verdadeiras finalidades de todos esses sonhos”.

 

Conceito: Esperança.

Caio Fernando Abreu –

Alento

Quando nada mais houver,
eu me erguerei cantando,
saudando a vida
com meu corpo de cavalo jovem.

E numa louca corrida
entregarei meu ser ao ser do Tempo
e a minha voz à doce voz do vento.

Despojado do que já não há
solto no vazio do que ainda não veio,
minha boca cantará
cantos de alívio pelo que se foi,
cantos de espera pelo que há de vir.

Walter Benjamim – “Enquanto houver desesperados, nós temos que defender o direito à esperança”. (Em ‘Utopia e barbárie’, de Silvio Tendler).

Conceito: Luta.

Apolonio de Carvalho – “Mesmo se perdemos hoje, ganharemos amanhã. Temos sempre esperança. Temos sempre vontade de lutar”.

(Em ‘Utopia e barbárie’, de Silvio Tendler).

 

Conceito: Utopia.

Oscar Wilde – “O mapa do mundo que não inclua a utopia nem vale a pena olhar”.

Moacyr Félix – “Cada segundo nosso tem o humor vivo das utopias, se nele o que se move imenso é o chão da liberdade”.

(‘Utopia e barbárie’, de Silvio Tendler).

 

 

Chico Buarque de Holanda – ‘A Banda’ – Ilustrado

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=WZWcpEgJZAY>

Acesso em: 21 nov 2015.

 

 

 

Conceito: Cidadania.

Augusto Boal – “O verdadeiro cidadão é aquele que transforma a sociedade”.

(Em ‘Utopia e barbárie’, de Silvio Tendler).

 

 

 

 

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Roberto Bolaño.

 

“A veces me creía pésimo, a veces fracasado, pero siempre un escritor.”
Roberto Bolaño, escritor chileno.

 

”A los quince años decidió que ‘quería ser escritor’ y desde ese momento trabajó con perseverancia única. A esa edad, junto a su familia, se fue de Chile rumbo a México […] Resolvió volver a Chile en los meses previos al golpe de Estado. Realizó un viaje por tierra cruzando toda Latinoamérica, experimentando el retorno desde el territorio de un aventurero. Ese largo recorrido, tenía un sólo objetivo: integrarse a la resistencia de izquierda. […] Regresó a México y definitivamente se encauzó en su tarea heroica de convertirse en escritor. Publicó sus primeras obras poéticas y participó activamente de un movimiento de vanguardia. […] La escritura de Bolaño, pronto se convirtió en el reflejo de su autobiografía y como él mismo declaró: ‘En gran parte la vida ha nutrido mi literatura’.

 

En 1978 se estableció en España. […] Finalmente, en 1984 salió del anonimato, al publicar su primera novela: Consejos de un discípulo de Morrison a un fanático de Joyce, escrita en colaboración del catalán Antoni García Porta.

 

Desde 1993 no cesó de trabajar y su interés por la poesía se mezcló con su incursión en la narrativa, género literario que finalmente lo llevó al éxito.

 

Hasta sus últimos días siguió escribiendo, incluso ‘consciente de la sombra que la muerte había proyectado sobre él’, como señaló su amigo Enrique Vila-Matas”.

 

Nascido em 1953, falece em julho de 2003.

 

Informações mais completas sobre Roberto Bolaño estão disponíveis em: <http://www.memoriachilena.cl/602/w3-article-3688.html>
Acesso em: 25 nov 2015.

 

‘Roberto Bolaño – Off The Record’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BFFfrNJOkMU>

Acesso em: 20 ago 2015.

 

‘Imprescindibles – Roberto Bolaño: el último maldito’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=r2RvO7dcdcg>

Acesso em: 20 ago 2015.

 

Santiago, 18.09.2015 (6ª feira)

Dia da Independência do Chile. Festas Pátrias.
1º Movimento

Andante

A bandeira do Chile.

 

9-BANDEIRA DO CHILE NO ESTADIO NACIONAL  cópia

 

Alegro

As cores da bandeira do Chile significam:
Vermelho – o sangue dos patriotas que lutaram pela independência; Branco – A neve dos Andes; Azul – a cor do céu. A estrela única – demonstra o fato de o Chile ser uma república unitária.

 

2º Movimento
Andante
Viagem de Santiago a Maipú.

 

10-MAPA DE SANTIAGO A MAIPU cópia

 

 

Pauta: Maipú.

É uma comuna situada a 34 km da cidade de Santiago e pertence, administrativamente, a esta Província.

O nome provém da palavra ‘Maipún’, do idioma Mapudodungun, e significa ‘lugar arado’. Em 1891, as terras foram denominadas de ‘Maipú’. Atualmente, conta com cerca de 500.000 habitantes.

Adágio

< /em>Vários anos atrás, ouvi a palavra ‘Maipú’, e ela soou como música aos meus ouvidos.

Andante   Fotografar o estandarte no Templo Votivo de Maipú.

 

Pauta: Templo Votivo de Maipú.

Em 05 de abril de 1818, aconteceu a ‘Batalha de Maipú’, quando as forças patrióticas, comandadas pelo general José de San Martín contribuíram definitivamente para a consolidação da independência do Chile do domínio espanhol e formação da primeira junta de governo.

 

Para honrar a Virgem de Carmem, patrona do Exército do Chile, o Capitão Geral, Bernardo O’Higgins manda construir o templo votivo de Maipú, para agradecer o fato de ter alcançado a vitória, conforme promessa que havia feito à Virgem.

 

É necessário observar que essa não foi uma vitória em favor da autodeterminação dos povos chilenoo, pois levou o país ao domínio dos ingleses.

 

A primeira capela da Vitória, construída em 1892, foi destruída por um violento terremoto, em 1906.

O Monumento Comemorativo à Batalha de Maipú é obra do arquiteto Joan Martínez Gutiérrez. O projeto ganhou um concurso que foi realizado em 1943.

O templo foi inaugurado somente em 1974, durante o período da ditadura civil-militar chilena.
Desde 1984 é considerado Monumento Nacional.

 

Uma ‘Historia del Templo Votivo de Maipú’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Hbt4RcLejzk>

Acesso em: 19 out 2015.

 

‘Batalla de Maipú’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=xKNskeLTH7c&list=PL9TUTrZU464jCA63NejNZg-6xNz2gy4yU&index=5>
Acesso em: 05 jun 2015.

 

Maipú, 18.09.2015 (6ª feira)

1º Movimento
Andante
Fotografar o estandarte no Templo Votivo de Maipú.
Alegro
Chegamos com o sol já alto.
O templo é enorme.
No altar-mor estão referências católicas e militares.
Faço fotos internas e externas.

A dificuldade para as fotos externas é o tamanho do templo em relação ao estandarte e às condições do vento. Também o fato de eu não querer o estandarte ocupando a maior parte da imagem.

 

11-TEMPLO VOTIVO DE MAPIPU cópia

 

Alegro
Maipú, marco de independência: aqui se pensou e se agiu em direção às possibilidades de liberdade.

 

 

Conceito: Liberdade.

“Grau de independência legítimo que um cidadão, um povo ou uma nação elege como valor supremo, como ideal; conjunto de direitos reconhecidos ao indivíduo, isoladamente ou em grupo, em face da autoridade política e perante o Estado; poder que tem o cidadão de exercer a sua vontade dentro dos limites que lhe faculta a lei; condição daquele que não se acha submetido a qualquer força constrangedora física ou moral; condição daquele que não é cativo ou que não é propriedade de outrem. […]” (HOUAISS, A.; VILLAR M. S.; FRANCO, F.M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p1752).

‘Yo te nombro: libertad’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=qmC5KFkXdDM>
Acesso em: 31 jul 2015.

 

‘En Libertad’ – Inti-Illimani
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mZ3g56yTZjQ>
Acesso em: 19 out 2015.

 

Marilena Chauí – “Ao invés de pensarmos a liberdade como o direito de escolha, vale a pena pensar a liberdade como o poder de criar o possível. Ou seja, a liberdade é essa capacidade dos seres humanos de fazer existir o que não existia, de inventar o possível, de inventar o novo”.
‘Canto Libre’ – Victor Jara.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6k7_OXY-eaw>
Acesso em: 06 out 2015.

 

Paul Éluard (Libertad)
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=YwXfY0Ist_w>
Acesso em: 26 ago 2015.

 

Adágio
No caso dos que morreram pela ‘libertação’ do Chile, a ideia de recompensa, trazida pelo catolicismo, eleva o sacrifício dos que perecem, prometendo o céu, como recompensa última.
Espaço
Quem dera aqui existisse uma lista ENORME, com os nomes dos soldados que deram suas vidas para libertar o Chile do domínio espanhol!

 

Santiago, 18.09.2015 (6ª feira)
3º Movimento
Andante
Almoço.
Alegro
Comida tipicamente chilena, com uma família chilena. Convívio importante para que eu compreenda melhor a temática deste projeto.
4º Movimento
Andante
‘La fonda’.
Alegro
No ‘dia da pátria’, o ‘dezoito’ (de setembro), são realizadas festas por todo o país. Elas são denominadas ‘fondas’, onde acontecem shows, festivais e concursos de danças em parques, estádios de futebol  etc. Multidões se encontram para comer, beber, ouvir música e dançar.

 

 

Conceito: Pátria.

“Quando entrelaçados com a história, a tradição e a herança biológica, o sítio, o local, o ambiente, a terra natal, ou país onde se insere a nossa vida torna-se terra de avoengos, pátria; País em que se nasce e ao qual se pertence como cidadão; terra, torrão natal.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 2150).

Angel Parra – ‘Yo tuve una patria’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=9wNi0IOMceg>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘Aquí me quedo’ – Victor Jara.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=_6SIZcaxjWo>
Acesso em: 07 out 2015.
Eduardo Galeano tem uma visão clara, que sinaliza numa direção possível para a reelaboração do conceito de pátria:

 

‘A vida profissional (3)’

 

“Os banqueiros da grande bancaria do mundo, que praticam o terrorismo do dinheiro, podem mais que os reis e os marechais e mais que o próprio Papa de Roma. Eles jamais sujam as mãos. Não matam ninguém: se limitam a aplaudir o espetáculo.

 

Seus funcionários, os tecnocratas internacionais, mandam em nossos países: eles não são presidentes, nem ministros, nem foram eleitos em nenhuma eleição, mas decidem o nível dos salários e do gasto público, os investimentos e desinvestimentos, os preços, os impostos, os lucros, os subsídios, a hora do nascer do sol e a frequência das chuvas.

 

Não cuidam, em troca, dos cárceres, nem das câmaras de tormento, nem dos campos de concentração, nem dos centros de extermínio, embora nesses lugares ocorram as inevitáveis consequências de seus atos.
Os tecnocratas reivindicam o privilégio da irresponsabilidade:
– Somos neutros – dizem.” (GALEANO, Eduardo, O livro dos abraços. Porto Alegre, Editora L&PM, 1991, p. 106).

 

 

 

Conceito: Plutocracia.

“A influência ou o poder do dinheiro; argentarismo; exercício do poder ou do governo pelas classes mais abastadas da sociedade; a influência dos ricos ou do dinheiro na sociedade ou no governo.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 2241).

 

 

Violeta Parra – ‘La Carta’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=NUAfWKLX438&list=RDeH6pUvqxxIg&index=3>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

Pablo Neruda define ‘pátria’ no seu discurso de retorno ao Chile, em 1952, após  longo período de exílio: “Me siento orgulloso de pertenecer a un pueblo que tanto ha luchado por la libertad; me siento orgulloso de ser chileno entre los chilenos, como me sentí en el destierro unido a mi tierra, a mi bandera, a mi pueblo, a los bosques y a los ríos, a las flores de los campos y a las estrellas del cielo de la patria”.

Disponível na biografia de Neruda, encontrada em: <http://www.fundacionneruda.org/es/cronologia-biografica>
Acesso em: 02 out 2015.

 

Lila Downs – ‘La Patria Madrina ft. Juanes’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=JCd8qo6sjlY>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

Alí Primera – ‘La patria es el hombre’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=nnJ0NgzQAUc>
Acesso em: 23 ago 2015.
Espaço
Em Santiago, durante esse período do ano, pude ver bandeiras chilenas em frente às casas e edifícios, nas janelas, nos automóveis etc, dando-me a impressão do elevado nível de ‘patriotismo’ do povo chileno.
Adágio
Pode ser que exista a memória de momentos de lutas libertárias, e de possibilidades de algum outro formato de sociedade da qual algumas pessoas sentem saudade, mas não parecem saber disso. Algo que está guardado na memória de suas células, ou da água, quem sabe?

 

 

 

Conceito: Memória.

A professora Maria José Reys, pesquisadora de ciências sociais, aborda a memória como “uma construção social que se produz e elabora através das relações e que está relacionada com nosso contexto”.

 

 

 

‘Memoria’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=q77IFIgA8mg>
Acesso em: 03 set 2015.

 

Memórias

 

As memórias
Pulsam de alegria
Vislumbrando a solidariedade possível.

 

Pulsam de dor
pelas ações ultrajantes
dos algozes vorazes
que sempre existiram

eles que lutam
pela morte fria
de memórias…

 

Walter Benjamin relaciona a articulação histórica do passado, não como significando conhecê-lo como ele de fato foi, mas no sentido de apropriar-se de uma reminiscência, tal como ela relampeja no momento de um perigo.

 

Acredito que articular as memórias minimiza o perigo de retrocessos, especialmente nas frágeis democracias latino-americanas.

 

‘La Democracia’ – Angel Parra.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=fw5uGPdF8Hs>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

Memórias da água

 

Água

Nada ma

is livre que tu
que, formada de gotas,
uma a uma
juntas
unidas
formam córregos
rios
mares
oceanos.

 

Tuas gotas
juntas
abrem caminhos
libertinamente
libertariamente
sem considerar barreiras
dificuldades
leis
determinações humanas.
Auto
memorável
mente…
Água.

 

Santiago, 19.09.2015 (sábado)
1º Movimento
Andante
Festas pátrias.
Alegro
Neste feriado longo, o povo chileno parece ter noção de ‘pátria’.
Espaço
Caberia, a esse povo, compreender outros tipos de dominação que vão além do espanhol, do qual se libertaram no ‘dezoito’?
Adágio
O que é uma pátria livre?
O que é um povo liberto?
Quantas cores esse ideal de liberdade é capaz de comportar?

2º Movimento
Andante
Fotógrafo assassinado na rua.

 

Pauta: Rodrigo Rojas De Negri.

Um dos crimes mais impactantes da ditadura chilena foi o assassinato do fotógrafo Rodrigo Rojas e as graves queimaduras causadas à estudante universitária Carmen Gloria Quintana.

Eles foram encharcados com gasolina por

 

militares que lhes atearam fogo, em uma rua, próxima à Estação Central, em Santiago, depois de terem participado de protestos sociais contra o regime em julho de 1986. Carmen sobreviveu e Rodrigo faleceu poucos dias depois.

 

Importante documentário pode ser visto em:

 

‘Los estan quemando vivos – parte 1’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Jo94q9y1fwM>
Acesso em: 28 nov 2015.

 

‘Rodrigo Rojas De Negri’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wPLWgUqu30A>
Acesso em: 28 nov 2015.

 

‘Fotógrafos chilenos pedem justiça por jovem assassinado durante ditadura’.
Disponível em: <https://br.noticias.yahoo.com/video/fot%C3%B3grafos-chilenos-exigem-justi%C3%A7a-por-223234671.html>
Acesso em: 19 set 2015.

 

‘Para seguir viviendo’ – Illapu
(Em homenagem a Rodrigo Rojas).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4m8ImPNFdIk>
Acesso em: 29 jul 2015.

 

Santiago, 20.09.2015 (domingo)

1º Movimento
Andante
Estádio Nacional.
Alegro
Minha primeira visita ao Estádio Nacional do Chile.

 

Pauta: Estádio Nacional do Chile.

O Estádio Nacional Julio Martínez Prádanos, também conhecido comoEl Coloso de Nuñoa’ e ’El Pasional’, tem capacidade para 47.000 torcedores. Foi construído em 1938 e reformado em 2010.
Seus arquitetos: Álvaro Costa, Francisco Romero e Max Decombe.
Durante a ditadura, o estádio foi o principal e maior campo de concentração do Chile, e o maior campo de concentração já utilizado na América Latina.

 

Na ‘Escotilla 8’, um dos lugares usados para presídio de longa duração, está o Centro de Memória. O portão está fechado e somente é aberto para eventos relacionados à memória da ditadura.

 

Testemunhas contam que, quando estavam presas, durante o dia a imagem possível, além dos interiores das celas, escuras, frias e úmidas, era o gramado do campo de futebol.

 

Estima-se que pelo Estádio Nacional passaram mais de 12.000 prisioneiros.
Adágio
Contradição: O estádio, o principal templo do futebol do mundo, guarda em seu coração, além dos gritos de alegria e tristeza durante as competições desportivas e apresentações artísticas ou religiosas, o latejar de lamentos e gritos de dor, dos presos, torturados, e a energia dos mortos em suas dependências.
Alegro
Por causa de uma eliminatória entre Chile e a então União Soviética, em novembro de 1973, 5.000 presos foram liberados e 900 enviados para outros centros de clandestinos de detenção.
Adágio
Um dos acontecimentos mais vergonhosos de todos os tempos, relacionados ao futebol mundial, aconteceu no Estádio Nacional do Chile, durante as eliminatórias da Copa do Mundo de Futebol de 1974, quando estava marcada uma partida entre Chile e a então União Soviética.

 

Os soviéticos se recusaram a jogar a partida no mesmo estádio onde havia presos políticos, mas a seleção do Chile entrou em campo, sem o time soviético do outro lado, e um dos jogadores da seleção chilena marcou o gol, sem goleiro adversário, e deu ao Chile a classificação ao Mundial.

 

Sobre o Estádio Nacional:
‘Estadio Nacional de Santiago: historia de horror’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=laLm2apXqis>
Acesso em: 30 out 2015.
2º Movimento
Andante
Filme:  ‘Documental Estadio Nacional’.
Dirigido por Carmen Luz Parot.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BTvXQPxwrcw>
Acesso em: 30 out 2015.
 

Pauta: ‘Documental Estadio Nacional’

O filme mostra cenas da época da ditadura e depoimentos, entre outros, de ex-detidos no Estádio Nacional.
Alegro Este é um trabalho fundamental para esclarecimento de fatos ocorridos.
Adágio
Alguns extratos dos depoimentos:

 

“Uma das formas de passar o tempo, enquanto estávamos aqui, era observar o trabalho dos cortadores de grama.”; “Não tínhamos fome de pão, mas sim fome de justiça.”; “Éramos torturados na tribuna presidencial do estádio”.

 

“Um brasileiro, que estava detido aqui, morreu em consequência de um problema intestinal”.

 

“A cada manhã era lida nos alto-falantes do estádio, uma lista de presos que deveriam dirigir-se ao ‘círculo preto’ (que estava posto em uma placa, no gramado). Quem era chamado para lá era para ser interrogado e torturado”.

 

12- CIRCULO PRETO  cópia

 

“Havia militares brasileiros aqui, e a máquina de eletrochoque era brasileira”.

“Até os militares brasileiros se abismavam com a brutalidade dos militares chilenos contra os detidos”.

“Mais de 1.000 presos no estádio eram estrangeiros”.
Espaço
O mesmo Estádio Nacional do Chile, dessa triste história, também serviu para cantar Victor Jara, em 13 de outubro de 1990.

 

‘El arado’ –
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=xGhk-DUFGVs>
Acesso em: 29 nov 2015.

 

Santiago, 21.09.2015 (2ª feira)

1º Movimento
Andante
Ida ao ‘Matucana 100 – Centro Cultural’.
Alegro
Aqui, instalo-me na sala de reuniões e trabalho nas pesquisas deste projeto.
2º Movimento
Andante
‘Matucana 100 – Espacio Cultural’ e a ferrovia.
13-RELIQUIA FERROVIARIA- M100 cópia

 

 

 

Adágio
Toda esta área já foi parte de empresas ferroviárias.
Alegro
É incrível como estou sempre voltando para lugares que já serviram aos transportes ferroviários!

 

O ir e vir
O caminhar
O sonho
As memórias.

 

3º Movimento
Andante
O ‘11 de setembro’.
Adágio

Onze diretores foram convidados para fazer um filme sobre a queda das torres gêmeas, nos Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001.

 

Como contribuição a esse projeto o diretor de cinema Ken Loach, traça um paralelo com um outro 11 de setembro, aquele de 1973, no Chile.
‘11th September – 09/11/2001 (11’09”01)’
Dirigido por Ken Loach.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7vrSq4cievs>
Acesso em: 21 set 2015.
4º Movimento
Andante
Aniversário de morte de Orlando Letelier.
Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Orlando Letelier del Solar.

 

14- orlando letelier  cópia

 

 

 

Orlando Letelier, “Con una destacada trayectoria en el ámbito nacional e internacional, Orlando Letelier sobresalió como uno de los colaboradores más estrechos del presidente Salvador Allende y como vocero de los grupos de oposición al gobierno militar en el extranjero […] Nasceu em Temuco, em 1932. […] En 1959 ingresó al Partido Socialista lo que provocó el despido del cargo que desempeñaba. Poco después, se integró al equipo de trabajo del Banco Interamericano de Desarrollo, donde desempeñó una destacada labor en la gestión de financiamiento para países como Brasil, Bolivia, Colombia, Ecuador, Chile, Uruguay y Venezuela, entre otros.

 

Como resultado de su destacada trayectoria internacional y a los antiguos vínculos que lo unían al Presidente de la República Salvador Allende, en enero de 1971, fue nombrado embajador de Chile en Estados Unidos, correspondiéndole la delicada misión de representar las decisiones del Gobierno de Chile, en las materias derivadas del proceso de nacionalización de la gran minería del cobre.

 

En 1973, el Presidente Allende lo designó sucesivamente Ministro de Estado en las carteras de Relaciones Exteriores, Interior y Defensa Nacional. […] Fue detenido tras el golpe de Estado del 11 de septiembre de 1973, siendo liberado tiempo después gracias a la fuerte presión que, destacadas personalidades y comités de apoyo internacional, ejercieron en su favor. Desde entonces, partió al exilio a Venezuela y posteriormente a Estados Unidos, en donde llevó a cabo importantes labores como representante de la oposición al régimen de Pinochet, lo que le valió la pérdida de la nacionalidad chilena por medio de un decreto firmado por Augusto Pinochet.

 

Once días después de ello, el automóvil en el que viajaba junto a su asistente Ronnie Moffitt estalló a causa de una bomba activada mediante control remoto.

 

A treinta años de ese 21 de septiembre de 1976, la investigación judicial de estos hechos ha permitido esclarecer que tanto en la planificación, como en la ejecución del atentado terrorista en que murió, participaron agentes de la Dirección de Inteligencia Nacional de Chile (DINA)“.

 

Mais informações estão disponíveis em:
<http://www.memoriachilena.cl/602/w3-article-763.html>
Acesso em 27 nov 2015.

 

‘Asesinato de Orlando Letelier’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=iGEaiHXP6tA>
Acesso em: 27 nov 2015.

 

‘Las esposas de los Ministros’ (Documentário).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=fJFieXGTBTQ>
Acesso em: 27 nov 2015.

 

5º Movimento
Andante
‘AFI – Asociación de Fotógrafos Independientes de Chile’.

 

Pauta: AFI.

 

15- AFI- MONTADA  cópia

 

Esse livro, do Professor Dr. Gonzalo Leiva, é fundamental para conhecer a ‘AFI’.
“AFI – Asociación de Fotógrafos Independientes de Chile’.

 

A imagem de um país convulsionado (1981-1990) buscou difundir a obra e defender a vida dos fotógrafos que optaram por denunciar a crua realidade da repressão militar, quando a ‘Dirección Nacional de Comunicación Social (Dinacos)’ impedia a difusão de fotografias ‘no oficiales’ nos meios de comunicação.

 

A formação da ‘AFI’ respondeu à necessidade de agrupar a todos os fotógrafos que trabalhavam de maneira independente, sem respaldo institucional.  Ela reuniu um significativo grupo de fotógrafos que retratavam a vida urbana, as manifestações e protestos em Santiago, nos anos da ditadura, denunciando os ‘atropelos’ do governo. Imagens que foram difundidas nacional e internacionalmente, além dos anuários que a ‘AFI’ começou a publicar em 1981.

 

Entre os fotógrafos da ‘AFI’ se encontram:
Jorge Lanisewsky, Luis Navarro, José Moreno, Inés Paulino, Paz Errázuriz, Juan Domingo Marinello, Helen Hughes, Ricardo Astorga, Leonora Vicuña, Álvaro Hoppe, Alejandro Hoppe, Claudio Pérez, Kena Lorenzini, Óscar Navarro, Héctor López, Luis Weinstein, Marco Ugarte, Cristián e Marcelo Montecino, Luis Poirot, Paulo Slachevsky e Óscar Wittke.

 

Hoje, esses documentos alcançaram a dimensão comemorativa e contribuem para reconstituir a história recente do país.

 

Um dos acontecimentos mais significativos da história da associação aconteceu em 2 de julho de 1986, quando um de seus afiliados, Rodrigo Rojas De Negri, foi queimado por uma patrulha militar enquanto registrava um protesto. Em sua memória, no dia 19 de agosto se celebra o Dia Nacional da Fotografia, ocasião em que se distingue o melhor fotógrafo jovem com o prêmio que leva seu nome.

 

Ao final da década de oitenta essa associação chegou a reunir mais de 300 membros.

 

Com o retorno à democracia, a ‘AFI’ deixou de existir”.

 

(Resumo de texto).
Disponível em: <http://www.memoriachilena.cl/602/w3-article-3499.html>
Acesso em: 01 dez 2105.

 

‘AFI Asociacion de Fotógrafos independiente de Chile’ –
‘Una muestra de los Fotógrafos más importante de los años 70 y 80, en Chile, bajo la dictadura’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=3TO8qKTFhfM>
Acesso em: 31 jul 2015.

 

 

 

Filme: ‘La ciudad de los fotógrafos’.
Dirigida por Sebastian Moreno.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=EM7ZjMbcZdw>
Acesso em: 15 jul 2015.

 

O filme apresenta depoimentos e imagens dos fotógrafos que trabalharam no Chile durante a ditadura.

 

Santiago, 22.09.2015 (3ª feira)
1º Movimento
Andante
Encontrar Francisco.
Alegro
Pela primeira vez, neste projeto, eu tenho um ‘assistente de fotografia’.

Francisco Frazer estuda desenho de jogos eletrônicos, e estará comigo, no Chile, até o final de minha permanência por aqui. O nosso contrato de trabalho inclui transporte, em seu carro, e cooperação com minha tomada de fotos.
2º Movimento
Andante
Ida ao Palácio de ‘La Moneda’.

 

Pauta: Palácio de ‘La Moneda’ é a sede da Presidência da República do Chile. Também abriga o Ministério do Interior, a Secretaria Geral da Presidência e a Secretaria Geral do Governo.

 

Foi construído entre 1786 a 1812, para abrigar a casa da moeda quando o Chile era uma colônia espanhola.

 

O arquiteto responsável foi o italiano Joaquín Toesca.

 

Suas paredes são construídas com pedras de mais de um metro de largura, para oferecer resistência aos constantes abalos sísmicos que ocorrem em Santiago.

 

Neste palácio foram cunhadas as primeiras moedas do Chile independente.

 

Desde 1945, o ‘La Moneda’ é sede do governo e residência oficial do presidente.

 

Em 11 de setembro de 1973, o edifício foi duramente bombardeado pela Força Aérea Chilena e pelos canhões do Exército Chileno.

 

16- INCENDIO DO LA MONEDA- MONTADAS

 

Gabriel García Márquez, em seu texto ‘Crônica de uma tragédia anunciada’, descreve o Palácio presidencial como ”Una mansión sombría que un arquitecto italiano construyó para fábrica de dinero y terminó convertida en el refugio de un presidente sin poder”.

 

Foi o poder econômico que destruiu a mais justa experiência social e cultural do Chile.

 

Os bombardeios ao ‘La Moneda’ foram seguidos de um incêndio que destruiu documentos importantes para a história chilena.
3º Movimento
Andante
Fotografar o estandarte em frente ao ‘La Moneda’.
Alegro
Falo algumas palavras sobre o estandarte.

 

17-ESTANDARTE NO LA MONEDA cópia

 

 

 

Adágio
Palavra do dia: ‘perímetro’.
Em Português – perímetro;
Em Espanhol – perímetro;
Em Inglês – perimeter;
Em Russo – периметр;
Em Vietnamita – chu vi.
Espaço
Esta ‘palavra do dia’ é parte de minha energização para que possamos ir e vir, sempre, fazer fotos e registrar as coisas, sem que ninguém crie leis e regras de ‘não-permissão’ para coisas simples que não ferem ninguém.
Adágio
Os ditadores do Chile, entre outros, não respeitaram nenhum perímetro, nem mesmo o mais sagrado, a essência – o corpo das pessoas, as suas partes íntimas, física e psicologicamente.
4º Movimento
Andante
Fotografar o estandarte na estátua de Salvador Allende.

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Salvador Allende.

 

18- SALVADOR ALLENDE cópia

 

 

 

‘Compañero Presidente’ – Rolando  Alarcón.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wcrNLcGjC30>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

“Salvador Allende foi o presidente que tentou instaurar o socialismo no Chile pela via democrática.

 

Nasceu em 1908, no seio de uma família de classe média alta, em Valparaíso. […] Desde sua época de estudante, na Escola de Medicina da Universidade do Chile, mostrou sua vocação para o serviço público. […] Em 1933, quando foi fundado o Partido Socialista do Chile, Allende, com 25 anos de idade, foi seu primeiro secretário regional.

 

Médico, socialista e maçom. Possuía o perfil característico do político chileno progressista e laico da primeira metade do século XX. […] Desde o começo de sua carreira, se dedicou à medicina social, publicando diversos trabalhos sobre saúde pública, como ‘La realidad médico social chilena’. […]

 

Em 1945, foi eleito senador e se manteve neste cargo até 1970. […] Em 1970, triunfou em sua quarta candidatura à presidência da república apoiado por uma agrupação de partidos de esquerda, da Unidade Popular.

 

Pela primeira vez na história, e causando uma expectativa no mundo inteiro, um político socialista e marxista chegava ao governo através do voto popular.

 

O governo de Salvador Allende iniciou, então, uma experiência difícil e única: levar o país a transitar por uma via democrática até o socialismo.”

 

‘Un dia el pueblo’ – Rolando Alarcón.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=oo7rfx-s1SA>
Acesso em: 23 ago 2015.
Adágio
Allende, juntamente a um grupo importante de seus seguidores, estava convencido de que o socialismo podia ser construído sobre a base das tradições democráticas chilenas. Neste sentido, foi significativo que uma das poucas leis aprovadas no parlamento foi a nacionalização da grande mineração de cobre.
Alegro
Em 1971, o filósofo francês Régis Debray realiza importante entrevista histórica a Salvador Allende.

 

‘Compañero Presidente: Entrevista de Régis Debray a Salvador Allende’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=NeNeIl9BXII>
Acesso em: 22 jul 2015.

 

‘La última entrevista de Salvador Allende – 1973’ (Em francês, com legendas em espanhol).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QJ1O8ABvu0Q>
Acesso em: 22 jul 2015.

 

Sem dúvida, a natureza radical do programa de governo despertou a oposição frontal, tanto no interior do país, como internacionalmente.

 

No contexto que ainda dominava a política da Guerra Fria, o governo norte-americano decidiu utilizar todas as armas necessárias com o objetivo final de derrocar o governo chileno, a qualquer custo.

 

Durante o ano de 1972, diversas associações, financiadas pelos EUA, paralisaram suas atividades, entre elas as de transporte coletivo e as de transportes de mercadorias.

 

O desabastecimento de produtos de primeira necessidade e os persistentes rumores de golpe militar contribuíram para criar na população uma sensação coletiva de desgoverno.

 

No 11 de setembro de 1973, o governo da Unidade Popular foi derrocado por um golpe  de Estado encabeçado pelo general Augusto Pinochet que, após formar a Junta Militar, emitiu o primeiro comunicado solicitando ao Presidente Allende a entrega imediata de seu cargo às Forças Armadas e aos Carabineros do Chile.

 

Allende resistiu junto aos seus colaboradores leais, no Palácio de ‘La Moneda’, e advertiu a seus mais próximos que morreria no lugar onde o povo o havia posto como Presidente do Chile.

 

Antes do bombardeio da casa de governo, Allende dirigiu suas últimas palavras ao povo do Chile.
Disponível em: <http://www.memoriachilena.cl/602/w3-article-799.html>
Acesso em: 30 out 2015.
5º Movimento
Andante
‘La revolución cultural de Salvador Allende’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=m6nTplbBTKY>
Acesso em: 30 out 2015.
6º Movimento
Andante
‘Histórico diálogo entre Fidel Castro y Salvador Allende’ – Programa ‘Diálogo de América’ – novembro de 1971, durante a visita de Fidel Castro ao Chile.
Dirigido por Álvaro J. Covacevich.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BLoIwfSV0PY>
Acesso em 31 out 2015.
7º Movimento
Andante
Filme: ‘EEUU v/s Allende (documentário)’. Dirigido por Diego Marín Verdugo.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=tLKTmFv0X48>
Acesso em: 20 ago 2015.

 

Baseado no livro ‘Salvador Allende – como a Casa Branca provocou sua morte’, de Patricia Verdugo.

 

Relação do poder norte-americano em relação aos governos democráticos da América Latina. Essencial para compreender a derrubada do governo de Allende e a instauração da ditadura civil-militar.

 

Pablo Neruda, sobre Salvador Allende:

 

“Mi pueblo ha sido el más traicionado de este tiempo”

 

Por Pablo Neruda (de Isla Negra, em 14 de setembro de 1973):

 

“De los desiertos del salitre, de las minas submarinas del carbón, de las alturas terribles donde yace el cobre y lo extraen con trabajos inhumanos las manos de mi pueblo, surgió un movimiento liberador de magnitud grandiosa. Ese movimiento llevó a la presidencia de Chile a un hombre llamado Salvador Allende, para que realizara reformas y medidas de justicia inaplazables, para que rescatara nuestras riquezas nacionales de las garras extranjeras.

 

Donde estuvo, en los países más lejanos, los pueblos admiraron al presidente Allende y elogiaron el extraordinario pluralismo de nuestro gobierno. […] Aquí en Chile se estaba construyendo, entre inmensas dificultades, una sociedad verdaderamente justa, elevada sobre la base de nuestra soberanía, de nuestro orgullo nacional, del heroísmo de los mejores habitantes de Chile. De nuestro lado, del lado de la revolución chilena, estaban la Constitución y la ley, la democracia y la esperanza. Del otro lado no faltaba nada. Tenían arlequines y polichinelas, payasos a granel, terroristas de pistola y cadena, monjes falsos y militares degradados.

 

Unos y otros daban vueltas en el carrusel del despecho. Iban tomados de la mano el fascista Jarpa con sus sobrinos de ‘Patria y Libertad’, dispuestos a romperles la cabeza y el alma a cuanto existe, con tal de recuperar la gran hacienda que ellos llamaban Chile. Junto con ellos, para amenizar la farándula, danzaba un gran banquero y bailarín, algo manchado de sangre; era el campeón de rumba González Videla, que rumbeando entregó hace tiempo su partido a los enemigos del pueblo. Ahora era Frei quien ofrecía su partido demócrata – cristiano a los mismos enemigos del pueblo, y bailaba además con el ex coronel Viaux, de cuya fechoría fue cómplice.

 

Estos eran los principales artistas de la comedia. Tenían preparados los viveros del acaparamiento, los ‘miguelitos’, los garrotes y las mismas balas que ayer hicieron de muerte a nuestro pueblo en Iquique, en Ranquil, en Salvador, en Puerto Montt, en la José Maria Caro, en Frutillar, en Puente Alto y en tantos otros lugares. Los asesinos de Hernán Mery bailaban con naturalidad santurronamente. Se sentían ofendidos de que les reprocharan esos ‘pequeños detalles’.

 

Chile tiene una larga historia civil con pocas revoluciones y muchos gobiernos estables, conservadores y mediocres. Muchos presidentes chicos y sólo dos presidentes grandes: Balmaceda y Allende. Es curioso que los dos provinieran del mismo medio, de la burguesía adinerada, que aquí se hace llamar aristocracia. Como hombres de principios, empeñados en engrandecer un país empequeñecido por la mediocre oligarquía, los dos fueron conducidos a la muerte de la misma manera.

 

Balmaceda fue llevado al suicidio por resistirse a entregar la riqueza salitrera a las compañías extranjeras. Allende fue asesinado por haber nacionalizado la otra riqueza del subsuelo chileno, el cobre. En ambos casos la oligarquía chilena organizó revoluciones sangrientas. En ambos casos los militares hicieron jauría. Las compañías inglesas en la ocasión de Balmaceda, las norteamericanas en la ocasión de Allende, fomentaron y sufragaron estos movimientos militares. […]

 

Sin embargo, estos dos  hombres fueron muy diferentes. Balmaceda fue un orador cautivante. Tenía una complexión imperiosa que lo acercaba más al mando unipersonal. Estaba seguro de la elevación de sus propósitos. En todo instante sé vio rodeado de enemigos. Su superioridad sobre el medio en que vivía era tan grande, y tan grande su soledad, que concluyó por reconcentrarse en sí mismo.

 

El pueblo que debía ayudarle no existía como fuerza, es decir, no estaba organizado. […] Los obreros más explotados del mundo, los de las regiones del norte de Chile, no cesaron de producir inmensas cantidades de libras esterlinas para la City de Londres.

 

Allende nunca fue un gran orador. Y como estadista era un gobernante que consultaba todas sus medidas. Fue el antidictador, el demócrata principista hasta en los detalles. Le tocó un país que ya no era el pueblo bisoño de Balmaceda; encontró una clase obrera poderosa que sabia de que se trataba.

 

Allende era dirigente colectivo; un hombre que, sin salir de las clases populares, era un producto de la lucha de esas clases contra el estancamiento y la corrupción de sus explotadores. Por tales causas y razones, la obra de que realizó en tan corto tiempo es superior a la de Balmaceda; más aun, es la más importante en la historia de Chile.

 

Sólo la nacionalización del cobre fue una empresa titánica, y muchos objetivos más se cumplieron bajo su gobierno de esencia colectiva. Las obras y los hechos de Allende, de imborrable valor nacional, enfurecieron a los enemigos de nuestra liberación.

 

El simbolismo trágico de esta crisis se revela en el bombardeo del Palacio de Gobierno; uno evoca la Blitz Krieg de la aviación nazi contra indefensas ciudades extranjeras, españolas, inglesas, rusas; ahora sucedía el mismo crimen en Chile; pilotos chilenos atacaban en picada el palacio que durante siglos fue el centro de la vida civil del país.

 

Escribo estas rápidas líneas para mis memorias a sólo tres días de los hechos incalificables que llevaron a la muerte de mi gran compañero el presidente Allende. Su asesinato se mantuvo en silencio; fue enterrado secretamente; sólo a su viuda le fue permitido acompañar aquel inmortal cadáver.

 

La versión de los agresores es que hallaron su cuerpo inerte, con muestras de visible suicidio. La versión que ha sido publicada en el extranjero es diferente. A reglón seguido del bombardeo aéreo entraron en acción los tanques, muchos tanques, a luchar intrépidamente contra un solo hombre: el Presidente de la Republica de Chile, Salvador Allende, que los esperaba en su gabinete, sin más compañía que su corazón, envuelto en humo y llamas.

 

Tenían que aprovechar una ocasión tan bella. Había que ametrallarlo porque nunca renunciaría a su cargo. Aquel cuerpo fue enterrado secretamente en un sitio cualquiera. Aquel cadáver que marchó a la sepultura acompañado por una sola mujer que llevaba en si misma todo el dolor del mundo, aquella gloriosa figura muerta iba acribillada y despedazada por las balas de las metralletas de los soldados de Chile, que otra vez habían traicionado a Chile”.
Fuente: Causa Popular.
Disponível em: <http://www.elortiba.org/neruda2.html>
Acesso em: 09 ago 2015.

 

‘Allende’
(Mario Benedetti)

 

“Para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que congregar todos los odios
y además los aviones y los tanques
para batir al hombre de la paz
tuvieron que bombardearlo hacerlo llama
porque el hombre de la paz era una fortaleza

 

para matar al hombre de la paz
tuvieron que desatar la guerra turbia
para vencer al hombre de la paz
y acallar su voz modesta y taladrante
tuvieron que empujar el terror hasta el abismo
y matar más para seguir matando
para batir al hombre de la paz
tuvieron que asesinarlo muchas veces
porque el hombre de la paz era una fortaleza

 

para matar al hombre de la paz
tuvieron que imaginar que era una tropa
una armada una hueste una brigada
tuvieron que creer que era otro ejército
pero el hombre de la paz era tan sólo un pueblo
y tenía en sus manos un fusil y un mandato
y eran necesarios más tanques más rencores
más bombas más aviones más oprobios
porque el hombre del paz era una fortaleza

para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que afiliarse para siempre a la muerte
matar y matar más para seguir matando
y condenarse a la blindada soledad
para matar al hombre que era un pueblo
tuvieron que quedarse sin el pueblo”.

 

Disponível em: <http://www.poemas-del-alma.com/mario-benedetti-allende.htm>

Acesso em: 09 ago 2015.

 

‘Gabriel García Márquez, sobre Salvador Allende en acta general de Chile – 1986 cap 4’ (Imperdível).

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=pud6DPB7ZjA>
Acesso em: 31 out 2015.
Adágio
‘Perímetro’.
Alegro
Há perímetro na estátua de Salvador Allende. faço as fotos sem o estandarte.

 

19- EST´PATUA DE SALVADOR ALLENDE cópia

 

Espaço
Allende,

 

de onde estás
estás vendo…
veja,
veja,
veja.
Eu sei que você sabe que eu sei.
É preciso conhecer.
Não perdoar,
mas conhecer
a história
as memórias
reservadas
guardadas
os descaminhos
das solidariedades.

 

8º Movimento
Andante
Fundação e Museu Pablo Neruda.

 

 

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Pablo Neruda.

 

20- PABLO NERUDA cópia

 

Pablo Neruda nasceu em Parral, no Chile, no dia 12 de julho de 1904. Batizado com o nome de Ricardo Eliecer Neftalí Reyes Basoalto.

 

Pequena cronologia de Neruda:

 

1910 – Ingressa no Liceu de Temuco. Sete anos depois, publica, no periódico ‘La Mañana’, de Temuco, o artigo ‘Entusiasmo y perseverancia’.

 

1919 – publica 13 poemas na revista ‘Corre-Vuela’; obtém 3° lugar nos ‘Juegos Florales del Maule’.

 

1920 – conhece Gabriela Mistral, que lhe introduz a literatura russa, que muito irá influenciá-lo; preside o ‘Ateneo Literario’ do Liceo de Temuco’ e a ‘Asociación de Estudiantes de Cautín’; ganha o primeiro prêmio de poesia nas ‘Fiestas de la Primavera’, de Temuco; adota o pseudônimo de Pablo Neruda.

 

1921 – ingressa no curso de Pedagogia do Instituto Pedagógico da Universidade do Chile, em Santiago.

 

1923 – publica ‘Crepusculario’.

 

1927 – é nomeado primeiramente cônsul na Birmânia, depois no Ceilão, Java, Singapura, Buenos Aires, Barcelona e Madrid; nasce sua filha Malva Marina Trinidad, com hidrocefalia. Ela vem a falecer na Holanda ocupada pelos nazistas, em 1943.

 

1935 – participa do ‘Primeiro Congresso Internacional de Escritores para a Defesa da Cultura’, em Paris; durante a Guerra Civil Espanhola.

 

1936 – é destituído do cargo de cônsul, pois seu apoio às causas republicanas e anti-franquistas havia causado diversos incidentes diplomáticos; colabora com diversas organizações a favor da Espanha republicana e contra o fascismo.

 

1937 – na França, comovido com a Guerra Civil Espanhola, e com o assassinato de García Lorca, em Granada, escreve ‘Espanha no Coração’.

 

1938 – dirige a ‘Alianza de Intelectuales de Chile’; edita a revista antifascista ‘Aurora’.

 

1939 – assume o consulado em Paris; organiza o exílio político de 2.000 espanhóis, para o Chile.

 

1940 – é nomeado Cônsul Geral do Chile no México, onde, no ano seguinte, é agredido por um grupo pró-nazista.

 

1942 – faz leitura pública de seu ‘Canto a Stalingrado’, comemorando a primeira vitória russa contra os nazistas, no Sindicato Mexicano de Eletricistas. Seu poema é pregado, em cartazes, pelos muros da cidade do México.

 

Em julho, lê seu poema ‘Dura elegia’ – onde fala do ditador Getúlio Vargas – no enterro da mãe do líder comunista brasileiro Luís Carlos Prestes, que se encontrava preso no Brasil. O governo do Brasil considerou sua fala ofensiva, e Neruda foi acusado de infringir a lei da neutralidade política que deve observar um diplomata, ao que ele respondeu: “os valores da humanidade estão acima dos deveres funcionais”. Esse incidente, entre outros, causou sua licença, por seis meses, do cargo diplomático; a ‘Universidad de San Nicolás de Hidalgo’ de Morelia, lhe outorga o título de ‘Doutor Honoris Causa’, onde ele ao discursar fala: “Cuando vosotros nobles amigos, os habéis acordado de valorizar com vuestra dignidade mi poesia y mis combates, no tengo la impressión de recibir uma falsa corona, sino uma espada para seguir defendiendo el corazón de América”.

 

1945 – é eleito senador pelas províncias de Tarapacá e Antofagasta, pelo Partido Comunista do Chile. Em seu primeiro discurso no Senado, deixa claro que não é um literato que faz política, mas que será um político para defender os direitos e interesses dos trabalhadores; ganha o Prêmio Nacional de Literatura do Chile.

 

1946 – é condecorado com a ‘Orden de Águila Azteca’, pelo governo do México; conhece Matilde Urrutia. Ela será sua terceira esposa e a principal musa de sua poesia amorosa.

 

1947 – o governo de González Videla, do Chile, inicia a repressão contra o Partido Comunista, e seu diário ‘El Siglo’.  Neruda é acusado pelo governo de ‘denigrar a Chile en el exterior’ e de caluniar e injuriar o presidente.

 

1948 – o presidente do Senado lhe dá permissão constitucional para ausentar-se do país; perde o cargo de senador; é perseguido, acusado de injúrias ao presidente; passa a viver na clandestinidade. No ano seguinte, com identidade falsa, consegue sair do Chile, pela Cordilheira dos Andes, até a Argentina; escreve ‘Canto Geral do Chile’; no final de setembro, é promulgada a ‘Ley de Defensa de la Democracia’ – ‘Ley Maldita’ –  que exclui os comunistas da vida política chilena. Essa lei somente foi revogada 10 anos depois.

 

1949 – consegue chegar a Paris; é nomeado membro do Conselho Mundial da Paz; viaja à União Soviética e à Polônia; participa, no México, do Congresso Latino-americano de Partidários da Paz. Somente em agosto de 1952 Neruda consegue voltar para o Chile. Ainda no mesmo ano participa do Congresso Mundial da Paz, em Viena.

 

1954 – participa, em Goiânia, no Brasil, do ‘Primeiro Congresso Nacional da Cultura’, organizado por Jorge Amado.

 

1955 – é nomeado membro correspondente da ‘Academia de Artes de Berlin, RDA’; funda e dirige a revista ‘Gaceta de Chile’.

 

1957 – é nomeado presidente da SECH – ‘Sociedad de Escritores de Chile’.

 

1960 – participa do júri do ‘Premio Lenin’, na URSS; recebe o título de ‘Miembro académico honorario’, da ‘Universidad de Chile’.

 

1961 – é nomeado membro correspondente da ‘Yale University’, EUA.

 

1962 – a revista ‘O Cruzeiro Internacional’, do Rio de Janeiro, publica, em dez edições sucessivas, a série autobiográfica ‘Las vidas del poeta. Memorias y recuerdos de Pablo Neruda‘.

 

1964 – participa, em Moscou, do ‘Congresso Mundial pelo Desarmamento e pela Paz’;

 

1965 – participa do ‘Congresso Internacional de Escritores’, em Berlim e Weimar; recebe o título de ‘Doctor Honoris Causa’, da Oxford University, EUA.

 

1966 – recebe o ‘Premio Atenea’, da ‘Universidad de Concepción’.

 

1967 – participa, na Inglaterra, do encontro ‘Poesia Internacional’.

 

1968 – se incorpora, na qualidade de ‘Membro Correspondente’, à ‘Academia Internacional Rubén Darío’, em Buenos Aires.

 

1969 – é nomeado ‘Miembro honorario’ da Academia Chilena de Letras; recebe o título de ‘Doctor Scientiae at Honoris Causa’ da Pontifícia Universidade Católica do Chile; o Partido Comunista do Chile o nomeia pré-candidato à Presidência da República. No ano seguinte, renuncia de sua candidatura em favor do Dr. Salvador Allende, candidato único da Unidade Popular, e participa ativamente da campanha presidencial.

 

Ganha o Prêmio Nobel de Literatura. A academia sueca destaca Neruda como ‘O poeta da humanidade violentada’. É nomeado Embaixador do Chile em Paris.

 

1972 – Participa do Festival Internacional de Poesia, em Londres; é nomeado membro do Conselho Consultivo da UNESCO. Em seu último discurso público, no Chile, Neruda salienta: “Gracias porque ustedes son el Pueblo, lo mejor de la tierra, la sal del mundo”.

 

Em fevereiro de 1973, retorna ao Chile, deixando o cargo de embaixador, alegando problemas de saúde. Em 11 de setembro, acontece o golpe de Estado, quando então o Presidente do Chile, Salvador Allende, é assassinado. A maior parte dos seus amigos são detidos ou saem exilados do país.

 

No dia 23 de setembro:
Diz-se que Neruda morreu de tristeza.
Nerruda foi assassinado.

 

Depois de sua morte, foi publicado seu livro ‘Confesso que vivi’.

 

Este é um resumo, resumidíssimo, com a parte mais política da biografia de Neruda, diante da grandeza de sua vida.

 

A biografia completa está disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=wEy-PDPHhEI>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘Victor Jara canta a Pablo Neruda (Interpreta el poema numero 15 de Pablo Neruda. De su libro ‘Veinte poemas de amor y una canción desesperada’).

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wEy-PDPHhEI>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

Outras informações sobre sua vida e sua obra também estão disponíveis em: <http://www.fundacionneruda.org/es/cronologia-biografica>

Acesso em: 01 nov  2015.

 

Provocações – ‘É Proibido’ (Neruda) – Antônio Abujamra.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=tg6jcpfGOFA>
Acesso em: 03 nov 2015.

 

‘Gabriel García Márquez entrevista a Pablo Neruda’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=1520QZIclmI]>
Acesso em: 28 jul 2015.

 

‘Pablo Neruda (Discurso pronunciado con ocasión de la entrega del Premio Nobel de Literatura (1971)’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=cSZJ6jYse-Y>
Acesso em: 02 nov 2015.

 

Link do livro ‘Discursos de Pablo Neruda’.
<http://www.memoriachilena.cl/archivos2/pdfs/mc0015122.pdf>
Acesso em: 02 nov 2015.

 

‘Canción para Pablo Neruda’ – Atahualpa Yupanqui.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=2G8k8lEa70g>
Acesso em: 02 nov 2015.

 

‘Μ. Theodorakis & P. Neruda – Canto General Chile 1993’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=g0SgthJVbk4>
Acesso em: 10 jan 2016.
Alegro

Como seria tudo se Neruda estivesse, fisicamente, aqui nesse recanto de mundo tão ‘seu’?

Adágio

Hay perímetro.

Não consigo fotografar o estandarte dentro do Museu e Fundação.

Alegro

Fotografo o estandarte na área externa desse que foi um dos redutos de Neruda…

 

21- AREA PABLO NERUDA cópia

 

Espaço
Aqui Neruda viveu, recebeu amigos, fortaleceu sua solidariedade entre as pessoas, entre os povos… ele, que tanto trabalhou nesse sentido!
Adágio
Devoradores de luz
(A Neruda)

 

Em tua terra
terra natal,
de onde saíste ao mundo,
de onde conquistaste corações
com teus atos
– solidariedades –

Porém,
existem
serem obtusos
que vivem
unicamente
da luz que espalhaste
por Chile e pelo mundo.

 

Alguns,
montados em ‘saltos altos’
minimizam os que supõe estarem abaixo

 

na base,
no âmago da solidariedade
que tanto nos ensinaste
a exercitar.

 

Santiago, 23.09.2015 (4ª feira)

1º Movimento
Andante
Ida à ‘Casa Memória José Domingos Cañas’.

 

22- MAPA - LOCAL DA C M JOSE D CANHAS cópia

 

 

 

Pauta: ’Fundación 1367 – Casa Memória José Domingos Cañas’.

 

A Casa Memória José Domingos Cañas, gestada e representada pela ‘Fundación 1367’, foi criada em 2009, como centro de memória.

 

Invadida, durante a ditadura civil-militar chilena, e transformada em Centro Clandestino de detenção, tortura e mortes, está localizada dentro de uma área residencial, na Província de Nuñoa, a poucas quadras do Estádio Nacional do Chile, na rua José  Domingo Cañas 1367.

 

De 1974 a 1987, era chamado de ‘Cuartel Ollagüe’, pela DINA, e transformado também em escritório da CNI.

 

Este centro de detenção conta em sua história com 53 desaparecidos e uma pessoa executada política, morta sob tortura.

 

A missão desta casa de memória é “relevar a memória da violação aos direitos humanos durante a ditadura civil-militar, construindo a defesa e apoio às lutas pelos direitos humanos em geral; promoção de relações solidárias e de defesa da justiça e da verdade”.

 

Site oficial: <www.josedomingocanas.org>
Alegro
É incrível a força que têm os trabalhadores desta casa.
Adágio
Na chegada, observo, no piso da calçada, algumas inscrições que dizem ‘nunca más’.
2º Movimento
Andante
Fotos do estandarte.
Alegro
Faço fotos com a escultura da beira da calçada, quase na rua.

 

23- C M JOSE D C- I

 

 

 

Espaço
Os pássaros como símbolo da liberdade possível.
 Adágio
No piso, nomes de detidos desaparecidos ou executados, lembram os que estiveram aqui em momentos de tortura e morte.

Alegro

Faço fotos do estandarte com os totens, desenhos e inscrições no chão e nas paredes.

 

 

 

24- C M JOSE D CANHAS II

 

Espaço
Tudo faz sentido
Tudo nos penetra
Vai fundo
Ao âmago das memórias
Mesmo que tardia.

Ou nunca é tarde?

 

25- C M JOSE D CANHAS III

Conceito: Pássaro.

“O pássaro simboliza a inteligência, a sabedoria, a leveza, o divino, a alma, a liberdade, a amizade. Por possuírem asas e o poder de voar, em muitas culturas são considerados mensageiros entre o céu e a terra”.

Disponível em:  <http://www.dicionariodesimbolos.com.br/passaros/>

Acesso em: 01 out 2014.

‘Eduardo Galeano – Pájaros Prohibidos’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=JRkmP2dUcyA>
Acesso em: 23 set 2015.

 

26- PASSAROS ESCONDIDOS DOS GUARDAS  cópia

 

 

 

Alegro
As pessoas da casa nos explicam os acontecimentos com textos simples e fortes. Eles nos mostram o memorial,  seu funcionamento etc.

 

 

 

27- C M JOSE D C- IV

 

3º Movimento
Andante
Compra de livros na ‘Casa de Memória José Domingos Cañas’.
28- EXECUTADOS QUE VIVEM  cópia

 

4º Movimento
Andante
Fotografar o estandarte no Memorial do Estádio Nacional.

 

 

 

29- ESTADI29NAC DO CHILE MAPA CIRCUITO MEMORIA  cópia

 

 

Alegro

O portão da ‘Escotilha 8’ não mais será aberto para nada que não seja eventos relacionados à memória do período da ditadura.

 

 

 

30- CADEADO - EST NAC ESC OITO  cópia

 

Aqui agora, juntamente com mais sete lugares dentro do estádio – tornou-se monumento histórico – memória do período da ditadura, deste que foi o maior campo de concentração da América do Sul, que funcionou durante a ditadura chilena.

 

Este pequeno ‘museu’ funciona sob os cuidados de pessoas que depositam muita atenção, carinho e respeito aos que aqui foram detidos, torturados e executados.

 

Adágio

 

31- MEMORIAL- EST NAC ESC OITO  cópia

 

Esta escotilha cheira e pulsa os lamentos dos que aqui ficaram detidos.

 

A escotilha é escura, as paredes são frias, gélidas, mas estão repletas de fotografias de detidos desaparecidos do estádio. E, neste sentido, seus olhares nos aquecem.

 

Aqui dentro
paredes grossas,
me cercam e me sufocam
como se nada de tempo
se houvera passado
desde 1973.

 

Respiro fundo
mentalizo forte.

 

Observo
em todas as paredes
as fotografias em preto e brancoa
luz e a sombraa
imensurável presença
dos que tiveram
seus ideais decepados
por algozes do poder.

 

E como se nada restasse deles
resta tudo
a perpetuação de suas ausências
na completude de sua eterna presença
nas luzes e sombras
nos sonhos e ideais
dos trabalhadores do mundo!

 

Espaço

 

Este ambiente
me acolhe
e me expulsa
me expulsa
e me acolhe.
Expulsa pelo pavor
acolhe pela alteridade.

 

Não fazer o que se pode
Mas
fazer o necessário.

 

32- SINISTRO- EST NAC ESC OITO  cópia

 

Adágio
Olho ao fundo, na direção do caminho que leva para dentro do estádio, às arquibancadas, ao gramado…

 

Fico aqui, paralisada, não sei se por covardia, ou por pânico de passar dessa escotilha para dentro do templo do futebol.

 

Me dá um frio na espinha.
Permaneço dentro do memorial.
Das memórias transformadas em templo para os que aqui morreram.
Das memórias do que para mim, ainda, seria um templo do futebol.
Alegro
Faço várias fotos do estandarte.

 

33- ESTADIO NACIONAL DO CHILE- EXTER E ESC OITO  cópia

 

 

 

Adágio
A alegria de estar no Estádio Nacional do Chile, e a melancolia da real história deste lugar. Mas ainda a alegria por existir esse sítio de memória construindo a esperança de que governos ditatoriais não sejam mais aceitos.

 

 

 

34- ESTADIO NACIONAL- MAT DE DIVULGAÇÃO  cópia

 

Santiago, 24.09.2015 (5ª feira)
1º Movimento
Andante
Primeira ida à ‘Villa Grimaldi’.

 

Pauta: ‘Parque por la Paz Villa Grimaldi’.

“A casa foi construída no início do século XX. O nome foi dado por parecer com uma vila italiana.

 

Aqui funcionou o ‘Paraíso Villa Grimaldi’, um restaurante muito visitado por artistas e intelectuais.

 

Em 1974, passa a ser o ‘Cuartel Terranova’, centro secreto de sequestro, tortura e desaparecimento, a cargo da DINA. Onde se instalou a Brigada de Inteligência Metropolitana (BIM), encarregada da repressão em Santiago, […] e onde se mantinham prisioneiros que permaneciam detidos às vezes por longos períodos à espera de possíveis novos interrogatórios ou da decisão sobre sua sorte futura. […]

 

Como nos outros centros de detenção, a vida se caracterizava por extremas condições de insalubridade, maus tratos generalizados, alimentação insuficiente e altos níveis de incertezas, entre outras condições que produziam deterioração nos prisioneiros. […]

 

Existiam instalações especialmente destinadas à tortura. […] A decisão de matar era seguida do translado de um detido à ‘torre’, em regime de isolamento. […] No geral, os detidos mais afortunados de Villa Grimaldi não eram liberados diretamente, mas eram trasladados para ‘Tres Álamos’ ou ‘Cuatro Álamos’. […] Segundo os ‘Informes de la Verdad’, a rede de recintos de detenção chegou a contar com 1.156 estabelecimentos distribuídos no país.

 

[…] A atividade repressiva em Villa Grimaldi parou em 1978, e o lugar foi abandonado.          Posteriormente, foi autorizada a demolição, que foi impedida por grupos sociais – juntas de vizinhos e organismos de Direitos Humanos, entre outros, que lutaram junto a ex-detidos de Villa Grimaldi, familiares e amigos de detidos desaparecidos e executados políticos deste lugar.

 

Em 1994 se decidiu construir um parque para servir de lugar de recordação, reflexão e promoção dos direitos humanos. […] Foi inaugurado em 22 de março de 1997.

 

Tem como objetivos ser um lugar de recordação, reconhecimento e reunião para familiares, amigos e pessoas que passaram por Villa Grimaldi; oferecer um espaço de reflexão sobre o terrorismo de Estado exercido pela ditadura e facilitar recursos pedagógicos para quem se interessa pela educação em Direitos Humanos, em especial para as novas gerações”.

 

Mais informações disponíveis em: <http://villagrimaldi.cl/>
Acesso em: 05 nov 2015.
Alegro
Depois de andarmos um pouco perdidos, finalmente chegamos a este centro de memória.
Adágio
Chove, chove e chove.
Somente conhecemos o parque e não pudemos fotografar nada.
Tudo molhado e cinzento.
Triste, muito triste.

2º Movimento
Andante
‘Londres 38 – Espacio de Memorias’.

 

35-  mapa- localização - l 38 

 

 

 

Pauta: ‘Londres 38 – Espacio de Memorias’.

 

É uma casa de memória localizada na rua Londres, número 38, que funcionou como centro de detenção, tortura e extermínio, durante o regime militar chileno.

 

“Busca contribuir para conhecimento e transmissão das memórias e história deste lugar, de seus protagonistas e das experiências de luta e resistência relacionadas.

 

Nossa organização agrupa ex-detidos e sobreviventes, familiares de detidos desaparecidos e executados, ex-militantes e militantes de esquerda sem partido”.

 

Site oficial: <http://www.londres38.cl/1937/w3-channel.html>

 

Alegro
Sou acolhida com atenção. Os que fazem esta casa valorizam trabalhos de pesquisa aqui realizados, pois somam ao trabalho diário, exaustivo, que eles fazem.

 

Vídeos-depoimento sobre este memórial:

 

‘Londres 38’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mmUihQEq5vM>
Acesso em: 27 ago 2015.
Descreve a casa e como ela foi usada

 

‘Trazos de Memoria – Erika’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=KPUw7M2PxH4>
Acesso em: 27 ago 2015.

 

‘Trazos de Memoria – Luz’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=pRqKJ-03sxU>
Acesso em: 27 ago 2015.

 

’Trazos de Memoria – Gastón’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=5dZf-Lhg9vQ>
Acesso em: 27 ago 2015.

 

‘Trazos de Memoria – Miguel Ángel‘
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=yfCqeg2Gp8c>
Acesso em: 27 ago 2015.

 

‘Trazos de Memoria – Guillermo’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=8gMgpOB2DBw>
Acesso em: 27 ago 2015.

 

36- texto do l 39 FOTO

 

 

 

Alegro

Fotografo o estandarte em diversos espaços da casa.

 

 

 

37- ESTAND NO L 38 cópia

 

 

 

Adágio
A casa mantém um vazio fúnebre que, creio eu, não passará nunca!

 

 

 

38- TEMPOS SOMBRIOS- DO L 38 cópia

 

 

Sinto arrepios ao pé da escada que leva ao último andar.

… Presença ameaçadora.

… energia pulsante, má, poderosa.

Além da existência.

 

 

39- BURACO NA PAREDE cópia

 

 

Espaço

 

O silêncio

 

Presenças
Palavras
compostas de silêncios
de seres transpirantes
em dores tortuosas
faltas concretas
de abrigo,
de pão,
onde sementes de  sonhos
abrem um rasgo da esperança
de possibilidade
do pensar:
mobilização.

 

 

40L 38- AMBIENTES DA CASA cópia

 

 

3º Movimento
Andante
O piso quadriculado
Alegro

Várias pessoas que foram aqui detidas, conseguiram ver, por frestas na parte inferior das vendas, o piso quadriculado, preto e branco, da entrada desta casa, tornando possível a memória de terem estado aqui.

 

41- O PISO NA ENTRADA DO L 38 cópia

 

4º Movimento
Andante
‘Quién quiere pan?’
Alegro
Propus à direção do ‘Londres 38 – Espacio de Memorias’, um ‘sítio específico’, a ser realizado hoje, aqui, na parte interna e na rua em frente a esta casa.

Espaço

 

42- QUEM UQER PAO- CONVITE PARA SITE SPECIFIC

 

Esta imagem vislumbra a possibilidade de abundância de pão.

O mini-projeto:

 

¿Quién quiere pan?

 

(Sítio específico)

El pan siempre ha sido, en la historia humana, un elemento de primera necesidad y una forma de sentarse alrededor del fuego o de la mesa para compartir el amor y la comida, la solidaridad y el compañerismo.

 

En tiempos de dictaduras la escasez de alimento en centros clandestinos de detención, está destinada a causar el debilitamiento físico, psicológico y moral de los presos políticos.

 

A partir del testimonio de uno de los ex-presos políticos de ‘Londres 38 – Espacio de Memorias’, propongo esta acción de memoria y  solidaridad, con la donación de algunos panes en ‘Londres 38’, como parte del proyecto Contraseña Abierta, basado en mis memorias, relacionadas con algunos eventos políticos, incluyendo la dictadura cívico-militar de Chile.

 

La idea es hacer una comparación entre la necesidad de pan y la posibilidad de tener pan.

 

Se inspira en el testimonio de ‘Traços de Memorias – Mario Irarrázabal’.

 

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=eBqBIQ3dGdo>

Acesso em: 27 ago 2015.

Donde alguien pregunta “¿quién tiene pan?”.

 

El desarrollo de esta acción será fotografiado.

(Eliane Velozo – Proyecto ‘Contraseña Abierta’).

 

‘O cio da terra’ – Milton Nascimento.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=f8fQV8BLTLE>
Acesso em: 28 nov 2015.

 

Alegro

‘Ode ao pão’ – Mário Viegas diz Pablo Neruda do disco ‘Pretextos para dizer’ (1978).

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QfipLK4XhUg>
Acesso em: 06 nov 2015.

 

‘Viramundo’, com Gilberto Gil (dele e de Capinan).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Lwe-fhzT0pk&list=RDLwe-fhzT0pk>
Acesso em: 31 jan 2016.

 

O Sítio específico:

 

43- quem que pao- cesto pao prontinho para dist cópia

 

 

Compro dois tipos de pão integral, parto ao meio e distribuo dentro do ‘Londres 38’ e na rua.

 

 

44- EST-QUER PAN- L 38

 

 

Vídeo ‘¿Quieres pan?’, de Eliane Velozo.

Disponível em: <https://youtu.be/mC0WS4tQ80M>

Publicado em janeiro de 2016.
45= IMAGEM DO VIDEO QUEM QUER PAO cópia

 

Espaço
As pessoas que passam na rua são receptivas. No geral, se surpreendem com minha ação. Olham para mim, para o pão e o recebem. As que se recusam a receber, agradecem com um sorriso e continuam, apressadamente, caminhando para seus destinos.
Adágio
Colocar-me no lugar das pessoas que pediam pão, ou das que chegavam, e que, quem dera, tivessem o pão.

Está frio, muito frio no meio da rua e, vez por outra, entro para me aquecer na casa, que hoje tem um aquecedor ligado.
Espaço

A humanidade alcançará o dia em que não faltará pão nos quatro cantos do mundo?
Onde nenhuma criança esteja faminta?

 

Santiago, 25.09.2015 (6ª feira)
1º Movimento
Andante
Retorno a ‘Londres 38 – Espacio de Memorias’.
Alegro
Faço fotos dos nomes dos detidos desaparecidos e executados políticos deste sítio de memórias.
Espaço
O piso da calçada tem um quadriculado que imita o da entrada da casa.
Os nomes das pessoas aqui detidas, desaparecidas ou executadas políticas durante a ditadura, estão nessas ‘pedras’ metálicas.
Adágio
Fotografo de forma rápida, um tanto mecânica, como para não pensar muito neste momento.
Espaço
Sonhos, esperanças, lutas, não se resumem a seus nomes. Estão sendo citados em projetos e em testemunhos dos que conseguiram sair com vida, dos que vieram depois deles  etc.

Vídeo ‘Detidos, desaparecidos e executados políticos de ‘Londres 38’, de Eliane Velozo.

 

46- IMAGEM DO VIDEO NOMES DA CALÇADA cópia

 

 

Disponível em: <https://vimeo.com/159515942>
Publicado em 18 mar 2015.

2º Movimento
Andante

 

46- MARCOS DE MEMORIAS- L 38 cópia

 

A rua Londres.
Alegro
Hoje este é um recanto charmoso da cidade de Santiago… por aqui passam poucos veículos e muitas pessoas.
Espaço
Jovens se reúnem para bater papo, conversar e para, simplesmente, estarem juntos, quase em frente a este sítio de memórias.
Alegro
Faço fotos da rua, que também tem ‘pedras’ brancas e pretas, para rememorar a entrada do número 38.
Alegro
O ‘Londres 38’ expõe uma coleção de cartazes, alusivos, entre outros assuntos, ao náo esquecimento, e ao aniversário de 40 anos da derrubada do governo da UP.

 

47- 40 anos depois- l 38 cópia

 

 

E para lembrar que ‘não esquecemos’.

 

 

48- NO OLVIDAMOS=- CARTAZES cópia

 

3º Movimento
Andante
Teatro no Memorial do Estádio Nacional.
Alegro
Assisto e fotografo a peça ‘Cabalito de Mar’, adaptação de texto de Mário Aguilera, com a ‘Compañia Ciclo Teatro’, com Marcelo Santander, Carol Jaque, Eunice Álvarez, Luis Pincheira, Natalia Gonzalez, Osvaldo Cortés, Catalina Jorquera e Jimmy Salas.

 

 

49- CABALITO DE MAR - 1- ´TEATRO  cópia

 

Espaço

O trabalho baseia-se nas experiências de prisão e torturas de Mário Aguilera.
Alegro
Esta área do Estádio Nacional do Chile agora é usada para falar dos acontecimentos ocorridos neste e em outros campos de prisão, tortura e execução.l

Jovens, nascidos depois do golpe militar, realizam este trabalho.

 

50- CABALITO DE MAR - II- ´TEATRO

 

 

4º Movimento
Andante
Espinha dorsal

 

A espinha dorsal do mundo
é a luz.
A espinha dorsal da luz
é a consciência.
A espinha dorsal da consciência,
é a alteridade.
A espinha dorsal da alteridade
é o ser solidário.
A espinha dorsal do ser solidário,
é a luz.
O ser solidário
é a espinha dorsal da luz do mundo.

 

5º Movimento
Andante
Resíduos do trabalho no Memorial do Estádio Nacional.

 

51-  ESPINHA DORSAL

 

Alegro

Volto aos caminhos e cinzas de ações artísticas – como a realizada por Edgar Calei, em Córdoba, Argentina – durante minha pesquisa e produção de conteúdos da Segunda Afinação deste projeto –  fotografo estes resíduos.

 

Santiago, 26.09.2015 (sábado)

1º Movimento
Andante
Segunda visita ao ‘Parque por la Paz Villa Grimaldi’.
Alegro
A luz, em Santiago, nesse período de primavera, encontra-se meio enevoada… é uma das cidades mais poluídas do mundo, porque a poluição fica comprimida entre os ventos do Oceano Pacífico e a Cordilheira dos Andes.

Hoje, pelo menos não chove, como na nossa primeira vinda à Villa Grimaldi.
Alegro
Observo ao redor. Várias pessoas visitam este sítio de memórias, contribuindo com a construção de ‘arquivos pessoais’ e coletivos relacionados a Direitos Humanos, construindo novos significados para este termo.
2º Movimento
Andante
Fotografias com o estandarte.
Alegro

 

52- v gV GRIMALDI I  cópia

 

 

Faço fotos do estandarte na entrada, com o mapa deste centro de memória, e junto às listas de nomes dos que aqui estiveram.
Espaço
Essas listas com nomes são encontradas em vários sítios de memórias e fazem parte da valorização de cada uma dos participantes da luta.
3º Movimento

 

 

53- V GRIMALDI- REF PARTIDOS POLITICOS  cópia

 

 

Andante
Fotos com o mapa da América do Sul e com homenagens aos partidos políticos chilenos.
Espaço
Um dos aspectos marcantes das lutas por mudanças sociais na América Latina foi a compreensão dos problemas comuns dos povos em relação ao domínio capitalista imposto pelos Estados Unidos da América do Norte.

 

 

54- A AMERICA DO SUL  cópia

 

4º Movimento
Andante
Fotos do estandarte na piscina, na pequena sala de isolamento e no muro com nomes de detidos executados políticos.
Adágio
A piscina era usada para tortura de afogamento, método utilizado em vários processos repressivos da América Latina.

 

 

55- V GRIMALDIO II cópia

 

 

Espaço
O laboratório – lugar sagrado dos fotógrafos – serviu, entre outras coisas, para falsificação de documentos, facilitando o ‘desaparecimento’ de pessoas.

 

 

56- V GRIMLDI- LAB FOTOGRAFICO  cópia

 

5º Movimento
Andante
Fotos do estandarte na ‘torre’.
Pauta: ‘A torre’.

“Era um depósito de água.
Em seu interior foram construídas pequenas celas de 70 x 70cm, e aproximadamente dois metros de altura, com uma ‘porta’ por onde somente se passava rastejando. Cada cela mantinha até quatro prisioneiros.

A torre dispunha, também, de uma sala de torturas.

Não se voltou a ver a maioria das pessoas que foram encarceradas na torre.

 

A atual torre é uma reconstrução da antiga, recomposta através de depoimentos de sobreviventes, que também informaram sobre os ‘desaparecimentos’.” (Resumo de texto do site oficial do Parque por la Paz Villa Grimaldi).

 

57- V GRIMALDI- A TORRE  cópia

 

Adágio
Não consigo subir na torre. Dou alguns passos para cima e, rapidamente, retorno para baixo, muito assustada… cansada, exausta.

Uma presença,
marcante,
dos torturadores
de plantão
permanece.

 

6º Movimento
Andante
Fotos no ‘Jardim das Rosas’.
Alegro
Um jardim repleto de rosas – os nomes de mulheres detidas desaparecidas e executadas políticas, em Villa Grimaldi.

 

58- V GRIMALDI- JARDIM DAS ROSS  cópia

 

Espaço
Jardim sagrado.
Singelo como o desejo
como a busca por transformações
por sonhos
que foram ceifados
pelo capitalismo genocida.
Saliento que, os torturadores saíam das salas onde torturavam e iam para casa, jantar com seus filhos e esposa…

7º Movimento
Andante

 

 

59- V GRIMALDI- ARVORE VETERANA cópia

 

Fotos na ‘árvore veterana’ – testemunha ocular da história.

Adágio

Ainda sobre as pequenas celas: “foram construções de madeira – medindo 2X1m – destinadas ao isolamento individual […]  em que os detidos permaneciam em pé, no escuro, durante vários dias. Estas celas eram ocupadas por três ou mais  prisioneiros(as)”.

 

(Informações do site do ‘Parque para la Paz Villa Grimaldi’).

 

Adágio

O portão de entrada – fechado para sempre – ‘para que nunca mais se possa entrar ou sair por ele’.

 

 

60- VILLA GRIMALDI- PORTAO FECHADO  cópia

 

 

Fechado por um enorme cadeado e um tapete de mosaico, em respeito e honra dos que por ele passaram e nunca mais foram vistos.

8º Movimento
Andante
Fotografar e entrevistar Teresa Izquierdo.
Alegro
Ela me recebe com satisfação, sabendo que faço parte da necessidade de construirmos, todos juntos, todos os dias, as memórias do presente baseando-nos nos eventos do passado.
Espaço
Teresa, sobrevivente de ‘Villa Grimaldi’, ratifica a necessidade de trabalhar aqui com a esperança da abertura, a pedagogia perante as novas gerações que visitam este lugar todos os dias.

Carrega um rosto sofrido e um sorriso que insiste na esperança.

9º Movimento
Andante
Fotografar e entrevistar Walkiria Jorquera.
Alegro
Walkiria, presa e torturada aqui em ‘Villa Grimaldi’, vive em Valparaíso, e acaba de chegar para fazer uma visita guiada e se dispõe a participar deste projeto.

Espaço

Para Walkiria, continua havendo pouca vontade de recuperação das memórias do período da ditadura civil-militar no Chile. Mas tem esperança de que se possa juntar o máximo de informação possível, e na possibilidade de reparação pelo acontecido.

10º Movimento
Andante
Fotografar o estandarte no ‘Memorial del Detenido Desaparecido y del Ejecutado Político’, no Cemitério Geral de Santiago.

 

 

61- parede com os nomes e detalhes- memo cem geral

 

 

Alegro
Este memorial, localizado no pátio 102, foi inaugurado em 1992, para lembrar as vítimas da ditadura civil-militar chilena.
Espaço
Aqui a vida ultrapassa a morte.
A morte reconstitui a vida.

 

Estão listados nomes, colocadas fotos, flores, velas, para que não os esqueçamos.

 

Jamais esquecidos, perpetuados,
porque os mortos morrem quando os esquecemos.

Alegro
Faço diversas fotos do estandarte junto ao memorial.
A luta continua.

 

62- MEMORIAL AOS D D =CEMITERIO SANTIAGO

 

 

Adágio
No cemitério, existe o ‘Patio 29’, onde foram encontradas 126 tumbas com as iniciais ‘NN’, que indica ‘desconhecido’.

 

Sobre o ‘Patio 29’:
‘Conmemoriación en el Patio 29’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=VCoMOU9zPwQ>
Acesso em: 25 out 2015.

 

‘La historia del patio 29’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=O_o8FAmmB4w>
Acesso em: 25 out 2015.
Adágio
Neste vídeo, um familiar de detido desaparecido declara: “Todos são nossos familiares, independente do nome que tenham tido”.

Faço minhas suas palavras. Também pertencem à minha família.

 

63- HOMENAGENS- MEMO D D EX CEMETERIO DE

 

11º Movimento
Andante
As lápides sem nomes.
Adágio
Faço fotos do estandarte junto às lápides sem nomes, dos detidos desaparecidos executados que nunca foram encontrados.

Coisa mais triste!

 

64-CEM G- Y STED

 

Alegro
Deixo aqui uma rosa vermelha.

 

 

65- MINHA HOMENAGEM  cópia

 

 

2º Movimento
Andante
O túmulo de Salvador Allende.

 

 

66- TUMULO DE SALVADOR ALLENDE

 

 

Alegro
Deixo uma rosa vermelha.
Espaço
O meu silêncio.

 

 

 

67- PARA S ALLENDE cópia

 

 

Allende

 

Palavra única
de repletos significado
o pulsar do mundo inteiro
cabe neste nome.
Serás eternamente
o mais profundo
do mais profundo
do mais profundo
da solidariedade.
Essa que se fez grande
na imensidão de tantas vidas
que sonharam e sonham
possíveis realidades
mais justas e dignas
para todos os povos
da Mãe Terra.

 

13º Movimento
Andante
Fotografar e entrevistar Alicia Collado Cortez .
Alegro
Encontro Alicia na casa de Francisco, ‘meu’ assistente chileno.
Ela foi trazida pela mãe dele, a ‘Eli‘, figura muito amável e importante para este projeto aqui no Chile.

Espaço
Alicia afirma que na época da ditadura a maioria das pessoas não sabiam o que estava acontecendo… enquanto acontecia um genocídio semelhante ao da II Guerra Mundial.

Sua esperança é que os jovens conheçam a história para que os acontecimentos não se repitam nunca no Chile e nem em outras partes do mundo.

 

 

68- MATRONINIMIA- CHILE I

 

 

14º Movimento
Andante
Mudança de moradia.
Adágio
Mais um movimento para esse imenso dia.
Por causa da sequência de terremotos e pequenos tremores de terra que vêm ocorrendo no Chile – sinto todos eles – além das minhas dificuldades de trabalhar morando no 13º andar de um prédio – que balança o tempo todo – necessito mudar de casa.

 

Que pena!

 

‘Ani’, a dona da casa, é maravilhosa, mas preciso morar onde eu consiga dormir e trabalhar.

 

Afinal de contas, apesar de todos os chilenos me dizerem que ‘No pasa nada!”, não sou chilena e minhas células não sabem que ‘no pasa nada’.

 

Espaço
Mudo-me para a casa de ‘G.L.’, que vai me receber para o resto de minha estada no Chile.
Adágio
Lamento necessitar dessa mudança da casa de ‘Ani”, por temos nos transformado em companheiras.
Nesta minha no casa também sou tratada com respeito e carinho, além de estar rodeada de livros de arte.

 

69- VISTA DA JANERAL- SEGUNDA MORADA NO CHILE

 

Santiago, 27.09.2015 (Domingo)
1º Movimento
Andante
Campo de concentração Isla Dawson.

 

Pauta: Isla Dawson.

Terra sagrada para os povos originários do Chile, localizada ao sul da Patagônia Chilena, próximo ao Estreito de Magalhães, na Terra do Fogo.

Foi usada como campo de concentração durante a ditadura civil-militar do Chile.

2º Movimento

Andante

Depoimentos sobre Isla Dawson.

‘El silencio de Isla Dawson’
Disponível em: .
<https://www.youtube.com/watch?v=L8AL9t1De3M>
Acesso em: 11 jul 2015.

 

 

70- ISLA DAWSON- REPRODUÇÃO IMAGEM DO FILME

 

 

‘Depoimento de ex-prisioneiro do campo de concentração de Isla Dawson – Francisco Alarcón’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=C1Ls-o1x6cs>
Acesso em: 27 set 2015.

 

‘Sergio Reyes’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=PashUqe_r7Y>
Acesso em: 27 set 2015.

 

‘Humerto Carcamo’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=72Aa-EW5kx8>

Acesso em: 27 set 2015.

 

‘Carlos Speak’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BKVqmvMd6Iw>

Acesso em: 27 set 2015.

 

‘Sergio Zurita’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=kprOHRinAgk>

Acesso em: 27 set 2015.

 

3º Movimento

Andante

Filme: ‘Dawson, Isla 10’. Dirigido por Miguel Littin.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=sRSmkaT1zgM>

Acesso em: 23 nov 2015.

 

Informações no link: “Película basada en hechos reales, descritos en el libro Isla 10, de Sergio Bitar –11 ediciones, Pehuén”.

 

Pauta: Campo de concentração de Pisagua.

 

Campo de Prisioneiros Pisagua é um lugar de prisioneiros de guerra – contra os inimigos externos e também contra supostos inimigos internos – no caso do regime militar, quando, além de centro de detenção e tortura, foi também usado para execução de presos políticos.

 

Em 18 de setembro de 1973, desembarcaram mais de cinquenta detidos depois do golpe militar, vindos de Valparaíso.

 

Pisagua chegou a ter 500 prisioneiros.

 

Aqui, um templo da arte, o teatro da cidade, transformou-se em cárcere para mulheres.

 

Sobreviventes confirmam as atrocidades cometidas. Segundo testemunha, “motivadas por ódio irracional”.

 

Em Pisagua, foram constituídos três conselhos de guerra, que processaram 147 pessoas. Esses conselhos de guerra foram considerados ilegais pelo ‘Informe de Verdad y Reconciliación’.

 

São contabilizadas 31 execuções.

 

‘Conmemorar dia del  ejecutado político en Pisagua’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=vZXC5HpLwMY>
Acesso em: 01 dez 2015.

 

Acto en fosa de Pisagua’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wX7VmP5qVfQ>
Acesso em: 01 dez 2015.

 

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Miguel Littin.

 

71 - MIGUEL LITTIN cópia

 

 

 

“Descendiente de inmigrantes árabes y griegos, Miguel Littin nació en Palmilla en 1942. Estudió teatro en la Universidad de Chile y trabajó como director de televisión en el canal de la misma universidad.

 

Su carrera cinematográfica comenzó de la mejor manera, en 1969, con ‘El chacal de Nahueltoro’, película que impactó al medio chileno, no sólo en términos de taquilla, sino también en términos sociales y políticos. En la obra, Littin denuncia crudamente la marginalidad del campesinado y el absurdo accionar de la justicia.

 

Elevado a la notoriedad pública a raíz del film, Salvador Allende lo designó a la cabeza de ‘Chile Films’ en 1971. Durante la Unidad Popular, junto con sus labores ejecutivas, realizó algunos documentales y el largometraje      ‘La Tierra Prometida’, que sería terminada y estrenada en el exilio.

 

Littin fue por mucho tiempo el clásico ejemplo del cineasta comprometido y militante, aún cuando nunca perteneció a partido político alguno, buscando narrar las aventuras y sufrimientos del pueblo chileno y latinoamericano.

 

Luego del golpe de Estado, Littin se radicó en México. Allí dirigió en 1975 la monumental obra ‘Actas de Marusia’ basada en la novela homónima de Patricio Manns. La cinta narra una rebelión de trabajadores salitreros en el norte chileno y su brutal represión. La obra se entiende como parte del debate sobre el fracaso de la Unidad Popular y en general es una interpretación del movimiento obrero y popular del siglo XX chileno. […]

En 1985 Miguel Littin regresó a Chile para filmar clandestinamente una crónica de la dictadura. Su osadía inspiró el libro de Gabriel García Márquez ‘Aventura de Miguel Littin clandestino en Chile’, que se transformó rápidamente en un best seller en el mundo. Las imágenes tomadas por Littin en Chile son la base del documental ‘Acta general de Chile’, de 1986.

 

En 1994 – após seu retorno do exílio – dirigió ‘Los náufragos’, sobre el complejo proceso de retorno a Chile desde el exilio.”

 

Informações completas, disponíveis em:<http://www.memoriachilena.cl/602/w3-article-92834.html>
Acesso em: 23 nov 2015.

 

‘Dialogo com Miguel Littin en Cannes’ – Entrevista.
Disponível em: <http://www.memoriachilena.cl/archivos2/pdfs/mc0029328.pdf>
Acesso em: 23 nov 2015.
4º Movimento
Andante
Filmes de Miguel Littin (alguns):

‘La Tierra Prometida (1971)’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=gCEYEmxD2Gs>
Acesso em: 28 nov 2015.
“Dos que não entenderam bem,
dos que morreram sem ver a aurora,
dos sacrifícios cegos e não retribuídos,
dos que foram caindo pelo caminho,
também se fez a revolução.” (Che)

 

 

‘Acta General de Chile Parte I – Miguel Littin Clandestino en Chile’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=epWwLLc_px8>
Acesso em: 29 set 2015.

 

‘Actas de Marusia’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=8IPsMVZS-GQ>
Acesso em: 02 dez 2015.
5º Movimento
Andante
As mulheres.

 

 Pauta: Mulher.

‘Si dios fuera mujer’ – Mario Benedetti.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=jNWvVZFGXN4>
Acesso em: 05 nov 2015.

 

‘Las madres en Chile siguen buscando’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=vCzGeO6DFLU>
Acesso em: 01 dez 2015.

 

‘Teresa Calderón –  Homenaje a las Madres de Plaza de Mayo’, da Argentina, fala sobre as mulheres do mundo.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=IEDsFSfLAWw>
Acesso em: 23 nov 2015.

 

‘Ellas danzan solas’ – Sting con Peter Gabriel’.

(1988. Canción dedicada a las madres de los desaparecidos en el Chile pinochetista).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=hEBXq5uhtng>
Acesso em: 28 nov 2015.

 

Santiago, 28.09.2015 (2ª feira)
1º Movimento
Andante

Depoimentos de ex-presas políticas chilenas.

 

‘Tortura sexual en Chile: el testimonio de una presa’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7qgCOkWHs_o>
Acesso em: 28 set 2015.
2º Movimento
Andante
72- MAE E FILHO- DETALHE MURAL AFDDE jpg

 

Trabalho sobre foto de detalhe de mural encontrado na Agrupação de Familiares de Detidos Desaparecidos e Executados Políticos.

 

 

 

Pauta: ‘Niños del silencio’.

Um traço comum entre a ditadura argentina e a chilena é o sequestro de bebês e crianças, e posterior entrega para adoção, inclusive com envolvimento de membros da igreja católica.

 

Hoje, eles são chamados de ‘Los niños del silencio’.

 

‘Niños del silencio’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=W1OS21EEKa0>
Acesso em: 21 nov 2015.

 

‘Bebé chileno robado en dictadura se reencuentra con su madre biológica 41 años después’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=pGYoF4f4hIs>
Acesso em: 21 nov 2015.
3º Movimento
Andante

Arpilleras’
 Pauta: ‘Arpilleras’ do Chile.

Espaço

O contar histórias sobre os acontecimentos durante a ditadura chilena, através de bordados, tornou-se um processo para os familiares de ‘exorcizar’ essas perdas, revelando a importância de cada pessoa nas lutas pela democracia.

 

Foi a incrível forma das mulheres contarem suas vidas, suas resistências à ditadura, com bordados.
Alegro

Sobre o trabalho das ‘arpilleras’:
‘Periódico de Tela’ – Exposición Arpilleras de Chile.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=aB7k4nudrKA>
Acesso em: 03 dez 2015.

 

‘Periodico de tela 002’ – Arpilleras de Chile.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=NVxcbsHd0yE>
Acesso em: 03 dez 2015.

 

Santiago, 29.09.2015 (3ª feira)
1º Movimento
Andante

Visita a museus de Santiago
Alegro
Dia para conhecer arte chilena, cooperando com o entendimento da cultura do país.
Alegro
Pesquisa sobre alguns museus.
2º Movimento
Andante
‘Museo Chileno de Arte Precolombino’.
Adágio
A visita ao ‘Museo Chileno de Arte Precolombino’ resultou em profunda melancolia pelo que já fomos – antes dos invasores europeus aqui chegarem –, em relação ao que somos hoje na América Latina.

 

73- ALGUNS DE NOS- M AR PRECOLOBO  cópia

 

Escolhi algumas imagens que nos aproximam da Mãe África.

As caras esculpidas, objetos utilitários, urnas funerárias e esculturas referentes a vários povos, inclusive aos povos Mapuches.

E, em especial, a diversidade cultural dos povos originários nas várias regiões…

 

o que perdemos
em que fomos transformados
em que nos transformamos.

 

Fiquei sentada, um tempão… vontade incontrolável de chorar.
Uma saudade ancestral…
Inexplicável.

 

Mais Informações estão disponíveis no site oficial do ‘Museo Chileno de Arte Precolombino’: <http://www.precolombino.cl/>

 

‘Arauco Tiene Una Pena’ – Violeta Parra.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=EIZIr9UeWlw>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

Sobre a cosmovisão Mapuche:
‘La entrevista com lorenzo Aillaoán – Hombre Pajaro’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=-oZbHkyvfz0>
Acesso em: 24 jul 2015.

 

‘Elicura Chihuailaf, poesía mapuche’ (do Chile).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=_DxswtFdMGo>
Acesso em: 19 nov 2015.

 

Maria Huenuñir – Poeta Mapuche.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=k2ZBlogfzZE>Acesso em: 19 nov 2015.

 

Livro ‘Quechua – Serie Introdución Histórica Y Relatos de los Pueblos Originarios de Chile’.
Disponível em: <http://www.fucoa.cl/publicaciones/pueblos_originarios/quechua.pdf>

Acesso em: 02 mar 2015.

 

74- MUSEO CHILENO DE ARTE PRECOLOIMO  cópia

 

 

Filme: ‘La Cruz del Sur’.
Dirigido por Patricio Guzmán.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=g7UV4w5auvw>
Acesso em: 07 out 2015.

 

Informações no link: “Tomando como hilo conductor el tema de las religiones en América Latina. La película muestra los mitos precolombinos, la llegada del hombre blanco, el sincretismo posterior y la teología de la liberación”.

 

 

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Patricio Guzmán.

 

“Nasceu em 1941, em Santiago do Chile.

 

Estudou na Escola Oficial de Cinema de Madrid e dedica sua carreira ao cinema documental. Suas obras são regularmente selecionadas e premiadas nos Festivais internacionais.

 

Em 1973 filma ‘La Batalha de Chile’, documentário de 5 horas sobre o final do governo de Salvador Allende, nominado pela revista ‘Cineasta’ como “uno de los 10 mejores filmes políticos del mundo”.

 

Depois do golpe de estado, Guzmán é ameaçado de fuzilamento e permanece incomunicável durante duas semanas no Estádio Nacional. Abandona o país em novembro de 1973.

 

Viveu em Cuba, España e França, onde realiza ‘En nombre de Dios’ (Grand-prix Festival dei Popoli, 1987), ‘La Cruz del Sur’ (Grand-prix Festival Vue Sur le Docs, Marsella, 1992), ‘La Memoria Obstinada’ (Grand-prix Festival de Tel Aviv, 1999), ‘El Caso Pinochet’ (Semana de la Crítica, Cannes, 2002) e ‘Salvador Allende’ (Selección Oficial, Cannes, 2004).

 

Em 2005, realiza ‘Mi Julio Verne’.

 

Dá aulas de cinema documental na Europa e na América Latina. É fundador e diretor do ‘Festival Documental de Santiago (FIDOCS)’.

 

Vive na França”.
Disponível em: <http://www.patricioguzman.com/index.php?page=biofilmografia>
Acesso em: 28 nov 2015.

 

Patricio Guzmán fala sobre memória e a importância do cinema: ‘Documental como reconstructor de la memoria’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=yBJ9UrnpL80>
Acesso em: 26 ago 2015.
3º Movimento
Andante
Filme: ‘La Cruz del Sur’, dirigido por Patricio Guzmán.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=g7UV4w5auvw>
Acesso em: 07 out 2015.

 

“Tomando como hilo conductor el tema de las religiones en América Latina. Muestra los mitos precolombinos, la llegada del hombre blanco, el sincretismo posterior y la teología de la liberación. En Hispanoamérica esta religiosidad configura una especie de territorio sagrado donde millones de indígenas buscan refugio. Esto mismo se repite en Brasil, donde las religiones africanas constituyen otro territorio impenetrable, que también funciona como bastión, como refugio.”(Texto no link do filme).

 

Segundo Frei Beto, “Nós, os cristãos, somos discípulos de um prisioneiro político. Jesus foi morto por uma trama política dos poderosos do seu tempo”.

 

Outros filmes de Patricio Guzmán:
‘Nostalgia de la Luz’- ‘Nostalgia for the Light – trailer’
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=j6VDlxFYmKg>
Acesso em: 07 jan 2016.

 

‘El botón de nácar’
‘Clip 1
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=DKusgbaBfCc>
Acesso em: 07 jan 2016.

 

‘Clip 2’

isponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=qjdKFKNFFPI>

Acesso em: 07 jan 2016.

 

Santiago, 30.09.2015 (4ª feira)
1º Movimento
Andante
Viagem de Santiago a Paine.

 

75- MAPA DE SANTIAGO A PAINE

 

 

Alegro
O percurso da viagem do centro de Santiago, em direção ao sul, é de 45.9km.
Paine – comunidade de camponeses – foi massacrada durante a ditadura civil-militar.

 

El arado‘ (Mil guitarras para Víctor Jara 2015).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=5eQHkO8kBos>
Acesso em: 09 out 2015.
2º Movimento
Andante
Fotografar o estandarte no ‘Memorial Paine’.

 

 

76- MEMORIAL PAINE- LOGO -MONTADA- FRISADA

 

Alegro
A principal característica do memorial aos detidos, desaparecidos e executados políticos de Paine é ter sido construído e ser mantido por seus familiares.

Desenvolve processos educativos e ajuda a criar, nas novas gerações, significados de esperança e destino, no conhecimento do passado e criação de futuros de esperança, minimizando as violações aos Direitos Humanos.

 

Realiza oficinas de conscientização e arte – mosaicos, entre outras.

 

A comunidade e os visitantes financiam o ‘Memorial Paine’ com pequenas doações, possibilitando o andamento das atividades.

 

Albert Einstein, em ‘Como vejo o mundo’, já afirmava que “O que há de melhor no homem somente desabrocha quando se desenvolve em uma comunidade”.

 

 

77- PLACA DE ENTRADA- PAINE  cópia

 

 

Adágio
Foram 70 pessoas detidas desaparecidas e executadas desta pequena comunidade. Majoritariamente, trabalhavam nos projetos de reforma agrária do governo da Unidade Popular, transformando Paine em um dos municípios que, percentualmente, mais sofreram perdas humanas durante a ditadura civil-militar. Algumas famílias perderam até seis pessoas.
Alegro
Faço fotos do estandarte na área deste memorial, inclusive com os totens. Estes têm significado especial: sua formação mostra, através de suas alturas, as altitudes do Chile, que vão desde o litoral – os totens mais baixos – até a Cordilheira dos Andes – os totens mais altos.

 

 

78- EST MEM PAINE- FRISADA cópia

 

 

3º Movimento
Andante
Os mosaicos.
Alegro
Setenta mosaicos, cada um dedicado a um dos detidos desaparecidos e executados de Paine, feitos por seus familiares.

Aqui escolhi, de forma aleatória, algumas imagens desses mosaicos.

 

 

79- paine-mosicos-com marca cópia

 

 

Espaço

“É incrível a força que as coisas parecem ter quando precisam de acontecer.” (Caetano Veloso, em entrevista nos anos 80).

 

 

80- PAINE-7MOSAICOS-MONT-COM MARCA-2

 

Adágio
Fotografar esses mosaicos com as sombras dos totens significa profundamente a dinâmica da vida – as sombras em movimento, o movimento, a força da luta, o enfrentamento do medo.
Alegro
Sinto presenças marcantes de todos e todas que daqui fizeram ou fazem parte.

 

Os mosaicos

 

entranhado no chão,
na base da terra.
A raiz.

 

Os totens
brotam da terra,
transcorrem um caminho
sobem ao céu
ao infinito…
como é infinita…
a capacidade de luta
dos povos.

 

81- PAINE- A JUVENTUDA EXECUTADA POLITICA cópia

 

 

4º Movimento
Andante
Um presente precioso.
Alegro
Ganho duas pedras de mosaico… símbolo importante de Paine.

 

82- PAINE- MEU PRESENTE  cópia

 

‘Memorial de Paine, un lugar para la memoria’.
Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=AkUSmM7n3oQ
Acesso em: 30 set 2015.

 

Site oficial do Memorial Paine: <www.memorialpaine.org>
5º Movimento
Andante
‘Paseo de la Memoria’, no Estádio Ferroviário de Paine.
Alegro
O Estádio Ferroviário, outro estádio chileno usado, durante a ditadura, como campo de concentração, foi transformado em memorial dessa triste história.

 

83- PAINE- ESTADIO-CAMPO=-DE-CONCENTRAÇÃO

 

Espaço
As fotos de cada um dos detidos desaparecidos e executados de Paine estão aqui expostas, para que nunca nos esqueçamos deles.

 

84- PAINE= ALGUNS EXECUTADOS POLIT PAINE I

 

 

Adágio
O ‘Paseo de la Memoria’.

Os passos firmes
dos moradores de Paine
na calçada
se afirmam com a memória
revelada pelas fotos
dessas pessoas
que continuam aqui
através dos dias
através dos passos
das origens
dos destinos
dos que passam
dos que passaram
dos que pararam de passar
dos quea inda passaraão.

 

Cada rosto uma esperança

este fio de navalha

entre vida e morte

entre sonho e realidade.

 

 

85- PAINE= ALGUNS EXECUTADOS POLITIC PAINE I I

 

‘Homenaje a Desaparecidos de Paine’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=R9U10hUYjoc>

Acesso em: 08 nov 2015.

6º Movimento

Andante

Visita a ‘Cuatro Álamos’.

Adágio

O antigo centro de detenção e tortura ‘Cuatro Álamos’ se encontrava dentro do centro de detenção ‘Tres Álamos’.

 

“A este centro transitorio de incomunicación sólo accedía personal de la DINA o de otros servicios de Inteligencia. […] Funcionó desde abril de 1974 hasta 1977. […] Consistía en una serie de doce celdas pequeñas, una celda grande y oficinas, todas ellas formando parte de un conjunto que se encontraba al interior del campamento de detenidos de Tres Alamos. […]  Por lo general no se reconocía oficialmente la detención de las personas que permanecían recluidas en ‘Cuatro Alamos’. […]

 

Un total de mas de 500 presos políticos pasaron por este centro de detención”.

 

Informações completas disponíveis em: <http://www.memoriaviva.com/Centros/00Metropolitana/cuatro_alamos.htm>

Acesso em: 25 nov 2015.

 

Espaço

Chegamos a ‘Cuatro Álamos’, onde atualmente funciona um centro de detenção de menores.

 

Hay perímetro.

 

As ruas da vizinhança estão sujas. Parecem com os arredores de tantos outros centros de detenção da atualidade na América Latina.

Alegro

 

86 – MURAL DE 3 e 4 alamos-desenhos

 

 

Faço fotos dos murais do centro de detenção, pelo lado de fora.

Isso já basta.

 

Montagens do título deste projeto em detalhes do mural na parede externa de ‘4 Álamos’.

 

 

87- SENHA ABERTA E ARTE  E 4 ALAMOS- MONTADA

 

 

Santiago, 01.10.2015 (5ª feira)
1º Movimento Andante
Filme: ‘No’.
É um filme chileno de 2012, baseado na obra de teatro ‘El plebiscito’, de Antonio Skármeta, escrito por Pedro Peirano e dirigido por Pablo Larraín.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=5NOY_LxTAIg>
Acesso em: 01 out 2015.

 

O filme relata o plebiscito, realizado pela junta de governo militar do Chile, em 1988, na tentativa da permanência de Pinochet no governo por mais oito anos.

 

A campanha ao plebiscito durou 27 dias, com 15 minutos na TV, para o ‘sim’, e 15 minutos para o ‘não’.

 

Uma agência de publicidade fez a campanha do ‘não’.

 

 

88- NO- REP IMAGEM DA CAMPANHA DO NO cópia

 

 

Trecho do filme, em fala dos partidários do ‘sim’: “O sistema onde qualquer um pode ser rico. Não todos, mas qualquer um. Não se pode perder quando todos podem ser esse qualquer um”.

 

A campanha do governo tenta convencer que eles estão cuidando do desenvolvimento e do progresso do Chile.

 

Um mês antes do plebiscito, o comício da campanha do ‘NO’ reuniu 350 mil pessoas em Santiago. A manifestação foi reprimida com bombas de gás lacrimogênio, jatos de água e cassetetes.
Espaço
Duas canções do ‘NO’:

 

Isabel, Javiera, Tita Parra. Penna, Echeñique – ‘No lo quiero No’ – 1988.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=PI9gNUoknIg>
Acesso em: 27 out 2015.

 

‘Chile, la alegría ya viene’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=IFAMpW0hPNY>
Acesso em: 27 out 2015.
Alegro
Resultado do plebiscito:
‘No’ (Pinochet sai do governo): 57 % dos votos válidos.

Em 14 de dezembro de 1989, é eleito Patricio Aylwin, em eleições democráticas.

2º Movimento
Andante
Leitura de ‘Cabalito de Mar’, de Mario Aguilera.

 

Mario Aguilera nos explica a forma como os militares agiram com os prisioneiros, através de sua própria história: “El detalle de los lugares en los que estuve detenido es: desde el 12 agosto de 1974 al 19 de agosto de 1974 – Londres 38; desde el 19 de agosto a mediados de septiembre – José Domingo Cañas con salidas esporádicas al Pabellón de Cuatro Álamos en el centro de detención de Tres Álamos. (Permanencias periódicas en uno y otro lugar); A medidos de septiembre de 1974 soy finalmente trasladado a Tres Álamos lugar en el que soy finalmente reconocido como prisionero de guerra (Durante todo el periodo anterior desde el 12 de agosto a mediados de septiembre estuve en condición de desaparecido); A fines de Junio de 1975 fui expulsado del país y mi destino de exilio fue Francia hasta el año 1990”.
Alegro
Conheci Mario Aguilera, e conversarmos um pouco. Sua tranquilidade e seu olhar firme me conformam. Recebi seus relatos por email.

 

O título ‘Cabalito de Mar’ deve-se ao período em que esteve em ‘Cuatro Álamos’, quando, para ocupar a mente, começou a talhar, em madeira, um cavalo marinho.

 

89- cabalito de mar- montada - FRISADApsd cópia

 

 

Espaço
Mario Aguilera carrega, até hoje, este cavalo marinho, de madeira, pendurado no pescoço.
Alegro
Os  depoimentos de Mario Aguilera nos fornece vários conceitos, sendo um dos mais significativos o de solidariedade.

 

 

Conceito: Solidariedade.

”[…] La tortura a otros era peor que lo que uno podía soportar. Mientras estás en la parrilla o te están golpeando tú sabes lo que te hacen; cuando los gritos ahogados por los llantos de una mujer llegan a tus oídos te imaginas lo peor. Cuando te lo hacen a ti logras morder la rabia y el dolor, pero al escuchar a los demás tu indignación sólo te permite llorar en silencio. La valentía para enfrentar a los monstruos capaces de hacer eso sólo se ve en las películas”.

“[…] Donde había más público era frente al juego de ajedrez, sí, ajedrez con todas sus piezas, un cartón grueso de mesa y sobre ella el tablero, […] Las torres, alfiles, peones, caballos, la reina y el rey, estaban todos las blancas y las grises, eran lindas, por lo que servían, y hermosas cuando supe que estaban hechas con migas de pan. Poco a poco unos y otros, incluso los que no sabían jugar, fueron entregando la miga de su pan para hacer el juego, las blancas sólo con la miga, para las otras se juntaba la ceniza de los cigarrillos y con esa mezcla nacían las negras, las grises.

[…]  Nunca supe quién fue el artista, quizás ya no esté entre nosotros, pero eran unas bellezas hechas con sacrificio, con solidaridad, con cariño, eran piezas hechas sin duda con amor. […] Yo, que era el nuevo, el recién llegado, tenía que responder a todas sus preguntas. ¿Estás bien? ¿Te puedo ayudar? ¿Te duele algo? Si quieres hablar de lo que sea, estoy aquí para escucharte. […] La totalidad de los presos del pabellón, nos juntamos en el patio y como un enorme coro a una sola voz comenzamos a cantar, no era cualquier canción desde ese día se convirtió casi en un himno de las despedidas.

Escucha hermano la canción de la alegría, […]”.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wRv4-WhAmuc>
Acesso em: 03 out 2015.

 

Ainda em Mário Aguilera:

 

“[…] Los vecinos de ese lugar en muchas ocasiones silenciosamente y a pesar de los riesgos ayudaban a los presos y a sus familias. […] – Referindo-se a Três e Quatro Álamos. […] Comenzamos a tallar en la madera del nogal, caballitos de mar, desde la más artesanal de las herramientas hasta simplemente clavos machacados con piedra se convertían en las mejores gubias para tallar la madera”.

Santiago, 02.10.2015 (6ª feira)
1º Movimento
Andante
Fotografar na ‘Agrupación de Familiares de Detenidos Desaparecidos y Ejecutados Políticos’.

 

 Pauta: ‘Agrupación de Familiares de Detenidos Desaparecidos y Ejecutados Políticos’.

 

A ‘Agrupación’ foi formada pelos familiares dos detidos desaparecidos para organizar a busca de informações sobre seus entes queridos, e continua na luta por informações e por manter, não somente as memórias, mas sobretudo os ideais dos que acreditaram e acreditam na possibilidade de outro formato de sociedade.

 

A maioria das associações e grupos, formados por familiares, que hoje trabalham os desrespeitos aos Direitos Humanos durante o período da ditadura, tiveram sua base ideológica na Unidade Popular e na luta contra a ditadura, e agora, na democracia, continuam lutando por não considerarem as questões de direito e justiça encerradas, e também pela divulgação da história e para manter as memórias vivas.

 

Aqui são realizadas reuniões de familiares, palestras, encontros e oficinas, entre outras atividades.

 

Cada pessoa traz para a agrupação o que tem condições, contribuindo para mantê-la viva e pulsante.

 

90- ASS FAM D D E POLITICOS- MURAL  cópia

 

 

Conceito: Ideologia.

“Ciência proposta pelo filósofo francês Destutt de Tracy (1754-1836), que atribui a origem das ideias humanas às percepções sensoriais do mundo externo; no marxismo, totalidade das formas de consciência social, o que abrange o sistema de ideias que legitima o poder econômico da classe dominante (ideologia burguesa) e o que expressa os interesses revolucionários da classe dominada (ideologia proletária ou socialista); sistema de ideias sustentadas por um grupo social, as quais refletem, racionalizam e defendem os próprios interesses e compromissos institucionais, sejam estes morais, religiosos, políticos ou econômicos; conjunto de convicções filosóficas, sociais, políticas etc. de um indivíduo ou grupo de indivíduos.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 1565).

91- DECLAR UNIV DOS DIR HUMANOS - MONTADA

 

 

2º Movimento

Andante
Fotografar e entrevistar América Veja Alvarado.
Alegro
América faz parte da ‘Agrupación de Familiares de Detenidos Desaparecidos e Ejecutados Políticos’, de Santiago.

Espaço
Em memória de seu pai, sua esperança é encontrar o que foi feito dele, detido desaparecido, desde 16 de agosto de 1976.

3º Movimento
Andante
Fotografar e entrevistar Marta A. Concha.
Alegro
Marta faz parte da ‘Agrupación de Familiares de Detenidos Desaparecidos y Ejecutados Políticos’, de Santiago.
Espaço
Tem esperança de que nunca mais aconteçam as atrocidades que aconteceram durante a ditadura militar, e que seus filhos possam viver em um mundo melhor, como sonhado pelos detidos desaparecidos, na nossa luta deles.

 

 

92- MATRONIMIA CHILE II cópia

 

 

4º Movimento
Andante
Fotografar e entrevistar Gabriela Zuñiga.
Alegro
Gabriela faz parte da ‘Agrupación de Familiares de Detenidos Desaparecidos y Ejecutados Políticos’, de Santiago.

 

Seu marido foi detido e desaparecido, desde 15 de agosto de 1974.

 

Espaço
Considera suas memórias a de quase todo um povo.

E que nossa luta consiga chegar a uma democracia plena.

Conceito: Democracia plena.

Gabriela Zuñiga assim define uma democracia plena: “Democracia inclusiva, onde os direitos sejam respeitados, direito à saúde, […] à educação, ao trabalho digno, […] onde todos tenhamos a possibilidade de nos expressarmos.

É o reconhecimento, a tolerância, a participação. […] A verdadeira justiça.

Um Chile onde sejamos todos partícipes de tudo. Onde todos tenham a possibilidade de decidir”.

 

‘José Saramago – Falsa democracia’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=m1nePkQAM4w>
Acesso em: 12 fev 2015.

 

5º Movimento

Andante

Fotografar e entrevistar Monica Perkil.

Alegro

Monica faz parte da ‘Agrupación de Familiares de Detenidos Desaparecidos y Ejecutados Políticos’, de Santiago.

 

Esposa de detido desaparecido desde 26 de julho de 1974, na Operação Colombo.

Espaço

Espera que se condenem a todos os culpados pelos assassinatos e atropelos aos Direitos Humanos, e que as novas gerações possam continuar tranquilas.

 

 

93- MATRONIMIA CHILE III psd cópia

 

 

Alegro

Essas quatro mulheres não esperam. Elas trabalham para transformar a espera.

 

 

Pauta: Operação Colombo.

A ‘Operação Colombo’, conhecida como uma ação da ‘Operação Condor’.  Foi descoberta em 1975, quando, diante dos questionamentos internacionais sobre violações aos Direitos Humanos no Chile, a DINA montou um ‘circo de imprensa’, para justificar o ‘desaparecimento’ de 119 pessoas.

 

A ‘Operação Condor’ fez divulgar primeiro na imprensa argentina e brasileira, depois no Chile, que os 119 haviam sido mortos em confrontos com as forças internacionais de segurança e em conflitos entre eles próprios. Essa versão já foi desmentida judicialmente.

 

A maioria dos desaparecidos na Operação Colombo havia sido vista, por sobreviventes, em diversos centros de detenção chilenos.

 

Sobre os 119 detidos desaparecidos da ‘Operação Colombo’, o artista Cristian Kirby desenvolveu o Projeto ‘119’.

 

 

94- 119- exposição  cópia

 

 

A Curadora Independiente Mane Adaro assim descreve a obra ‘119’, de Cristian Kirby: “hace visible una realidad de relieves profundos y silenciosos, que delatan en los planos deshojados; el signo de una ausencia forzada. […] La obra 119, trae a la luz los cruentos acontecimientos ocurridos entre 1974 y 1975, cuando desde diferentes puntos de la ciudad de Santiago, agentes de la dictadura militar chilena ejercen el acto de la desaparición sobre 119 militantes de izquierda, […] convirtiendo a este grupo de jóvenes en una sinestesia numérica; escalofriante y punzante.

 

Cristian Kirby a través de una nueva cartografía, evidencia estos lugares innominados e inadvertidos en las guías y en las nomenclaturas de la ciudad, se interroga la manera en que la ciudad los habita y en su forma de permanencia posible, dado un presente que borra el espacio testimonial, […] En esta cartografía, los lugares de la desaparición se perciben (¿es posible traducir desaparición?) como idea de un paisaje desgastado; […] De esta forma, se revela un espacio del doble desaparecimiento, una señal de vacuidad en el cemento inimaginado, en el detalle imperceptible en la dimensión de un mapa, donde la emulsión fotográfica intenta fijarlo como relato, una y otra vez a su presente”.

 

‘119 (exposição de Cristian Kirby no Memorial da Resistência de São Paulo)’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=JFeXe91_TBo>
Acesso em: 19 out 2015.
Espaço
Manter o vínculo
refazer caminhos
remontar partes
pequenas partes.
Redigindo a história
com lápis de COR.

 

Formatando cartazes
propagandas singelas
de esperanças.
Encontrar novos
e desconhecidos caminhos
reconstruídos a cada dia
como mais um dia de luta
essa luta constante
de possibilidades
de mundos melhores.

 

6º Movimento
Andante
Visita rápida ao ‘Museo de la Memoria y los Derechos Humanos’, para saber se há ‘perímetro’.

 

Este museu recebe inúmeras pessoas a cada dia, por essa razão necessito de autorização para fazer as fotos do estandarte dentro do museu, evitando, assim, fotografar em horários que estejam com muitos visitantes.

 

 

 

Pauta: ‘Museo de la Memoria y Los Derechos Humanos’.

“O ‘Museo de la Memoria y los Derechos Humanos’, inaugurado em 2010, é um espaço destinado a dar visibilidade às violações aos Direitos Humanos cometidas pelo estado do Chile entre 1973 e 1990; a dignificar as vítimas e a suas famílias; e para estimular a reflexão e o debate sobre a importância do respeito e tolerância, para que esses acontecimentos nunca mais se repitam.

 

Com sua criação se busca impulsionar iniciativas educativas, que convidem ao conhecimento e à reflexão. […]

 

Através de objetos, documentos e arquivos em diferentes suportes e formatos, […] é possível conhecer parcialmente essa história: o golpe de Estado, a repressão dos anos posteriores, a resistência, o exílio, a solidariedade internacional, as políticas de reparação”.
Disponível em: < http://www.museodelamemoria.cl/>
Acesso em: 12 nov 2015.

 

Santiago, 03.10.2015 (sábado)
1º Movimento
Andante
Filme: ‘El Memorial’, de 2010, dirigido por Andrés Brignardello Valdivia.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=vzQrUAo6kIA>
Acesso em: 02 out 2015.
Alegro
Resumo das informações do link do filme:

 

“A partir de la frase del cineasta francés Jean Breschand […] ‘la memoria no es inmaterial está inscrita en la carne del mundo’… Andrés Brignardello desarrolla un trabajo audiovisual que pretende establecer, a partir de la construcción del memorial a los detenidos desaparecidos y ejecutados políticos en Valparaíso, la relación que existe entre los esfuerzos oficiales y gubernamentales por promover la dignificación de las víctimas a las violaciones a los derechos humanos y los sentimientos de un grupo de hijos e hijas de hombres y mujeres cuyos nombres están puestos en el granito de la escultura […] muestra el esfuerzo por construir este memorial, sus características, las dimensiones técnicas y políticas de la obra en el contexto de una ciudad dominada casi en su totalidad por la influencia de lo marítimo y militar, y en donde paradojalmente la convivencia entre víctimas y victimarios es parte de la cotidianidad e influencia la identidad social y cultural de la comunidad de Valparaíso.
Los hijos e hijas muestran desde sus íntimas y personales opiniones la significación que tuvo la represión política en sus vidas y el impacto que tiene para ellos la falta de justicia y reparación pese a los años pasados”.
Alegro
A película relata um pouco da importância que tiveram as lutas democráticas em Valparaíso, através de depoimentos de filhos e filhas de detidos desparecidos e executados políticos.

 

 

Pauta: Valparaíso.

É uma cidade portuária, de aproximadamente 300.000 habitantes, localizada a 116 Km de distância de Santiago do Chile.

 

Desde 2003, seu centro histórico é Patrimônio da Humanidade.

 

O principal porto do país está aqui localizado e os movimentos de protestos dos trabalhadores portuários nesta cidade têm importância histórica para o Chile.

Em 1914, com a abertura do Canal do Panamá, o porto da cidade teve uma significativa baixa de utilização.

 

Em Valparaíso funcionam várias universidades e, consequentemente, tem sido palco de lutas estudantis.

 

Durante o período ditatorial, a cidade sofreu com perseguições políticas, detenção, desaparecimentos e execuções de pessoas.

 

 

Santiago, 04.10.2015 (domingo)
1º Movimento
Andante
‘El caso de la Caravana de la muerte’.
Adágio
As movimentações dos militares, especialmente em direção ao sul do país, ficaram conhecidas como ‘Caravana de la muerte’ – força repressiva, inclusive eliminando dissidências dentro das próprias forças armadas, e nos cordões industriais.

 

A forma mais coerente que encontro de falar sobre este tema:

 

‘Caso caravana de la muerte, testimonio real’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=OEOBdTqiFNI>

 

‘Caravana de la Muerte en La Serena’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ILG–A1hWiI>
Acesso em: 09 out 2015.

 

Pauta: ‘Cordões industriais’.

Forma de organização dos trabalhadores chilenos, por local de trabalho, durante o governo da Unidade Popular.

 

Essa organização possibilitava a ‘orquestração’ de ações entre trabalhadores de diversas fábricas. Exercia, também, papel fundamental no processo de politização dos trabalhadores, os unia e os resignificava.

Progressivamente, com o aumento da tomada das fábricas pelos operários, foram acontecendo boicotes, organizados pela direita e financiados, tanto pela elite financeira do país como pelos Estados Unidos.

 

Os ‘cordões’, para garantirem a produção, começaram a fazer trocas de matérias-primas entre as fábricas, mas isso não foi suficiente para garantir o abastecimento, que também sofria com boicotes aos transportes de mercadorias de primeira necessidade, financiados pela direita. Como se não bastasse, as pressões dentro do parlamento, com a direita nas ruas, e a grande mídia promovendo o desgaste da proposta popular, os ‘cordões’ foram sendo atingidos também por problemas internos, com divergências políticas, naturais nesses processos, e que se agravam com pressões externas.

 

Com a derrubada do governo democrático de Salvador Allende, não somente as lideranças, mas também os participantes dos ‘cordões industriais’, foram arrasados com perseguições, desaparecimentos e execuções políticas.

 

Sobre os ‘Cordones Industriales’:

 

Elisa de Campos Borges – ‘¡Con la UP ahora somos Gobierno!’.
Disponível em: <http://www.historia.uff.br/stricto/td/1319.pdf>
Acesso em: 08 ago 2015.

 

Mariano Vega Jara – ‘Movimento operário, cordões industriais e poder popular: experiência e consciência de classe durante a Unidade Popular’.
Disponível em: <http://www.revistaoutubro.com.br/edicoes/21/out21_05.pdf>
Acesso em: 04 ago 2015.
2º Movimento
Andante
‘4º Encontro de Payadores de Pie Forzado de Pirque’.
Alegro
Imersão do Senha Aberta na cultura rural do Chile.
Espaço
Os ‘payadores’ cantam a vida, a morte, a alegria, a natureza, as esperanças, as memórias do povo.
Adágio
Semelhantes aos cantadores e violeiros do Brasil…
Mantêm vivos os elos que nos conectam…

 

Esta cultura popular é comum praticamente em todos os países da América Latina – a que podemos chamar de ‘América Latina profunda’.

Alegro
‘Payada Nicasio Luna y Gabriel Luceno’ – Um chileno e gaúcho do Uruguai.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=f6KD2AdRwHw>
Acesso em: 30 nov 2015.

 

Santiago, 05.10.2015 (domingo)
1º Movimento
Andante
Aniversário de 27 anos do plebiscito do Chile (1988-2015).
2º Movimento
Andante
Estudos sobre Gabriela Mistral.
 

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Gabriela Mistral.

 

95- HOMENAGEM A GABRIELA MISTRA

 

 

 

Gabriela Mistral, pseudônimo de Lucila de María del Perpetuo Socorro Godoy Alcayaga, escolhido em homenagem aos seus poetas prediletos: o italiano Gabriele D’Annunzio e o provençal Frédéric Mistral.

 

Nasceu em Vicuña, a 07 de abril de 1889, e faleceu em Nova Iorque, em 10 de janeiro de 1957.

 

Poeta, educadora, diplomata e feminista.

 

Educada em sua cidade natal, começou a trabalhar como professora primária em 1904.

 

Em 1910, obteve o título de professora, em Santiago.

 

Cônsul em Nápoles, em Lisboa, no Brasil e em Nova Iorque.

 

Em 1922, a convite do Ministério da Educação do México, trabalhou nos planos de reforma educacional daquele país.

 

Em 1945, membro do corpo diplomático chileno, residia na cidade de Petrópolis, estado do Rio de Janeiro, ao receber a notícia de que fora agraciada com o Prêmio Nobel de Literatura, tornando-se a(o) primeira(o) escritora(or) latino-americana(o) a receber tal honraria.

 

O Prêmio Nobel transformou-a em figura de destaque na literatura internacional e a levou a viajar por todo o mundo e representar seu país em comissões culturais das Nações Unidas.

 

Foi exemplo de honestidade moral e intelectual, movida por profundo sentimento religioso.

 

A tragédia do suicídio do seu noivo (1907) marcou toda a sua poesia com forte sentimento de carinho maternal, principalmente nos seus poemas em relação às crianças.

 

Em sua obra aparecem como temas recorrentes: o amor pelos humildes – interesse mais amplo por toda a humanidade. Defendeu os direitos humanos e a reforma agrária, a educação fundamental obrigatória e a igualdade salarial entre homens e mulheres.

 

Esteve em prisão domiciliar na Itália fascista.

 

Posicionou-se a favor dos trabalhadores durante a Guerra Civil Espanhola, e cedeu direitos autorais do seu livro ‘Tala’ para as crianças vítimas dessa guerra.

 

Nunca ficou neutra perante os acontecimentos políticos do seu tempo, e por isso distanciou-se das feministas de sua época.

 

Sobre a arte, escreveu: “O que a alma faz por seu corpo é

o que o artista faz por seu povo”.

 

‘Sobre a língua de um povo: “Todo o país escravizado por outro, ou outros países, tem na mão, enquanto souber ou puder conservar a própria língua, a chave da prisão onde jaz”.

 

‘Gabriela Mistral’ – Documentário.
Disponível em:  <https://www.youtube.com/watch?v=sEA-DJuZ1mA>
Acesso em: 05 out 2015.

 

‘La Gabriela – Una Historia sobre Gabriela Mistral’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=qrmJ3o7zuiA>
Acesso em: 05 out 2015.

 

‘Gabriela Mistral’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=pFlG0WDlP6Q>
Acesso em: 05 out 2015.

 

Outras informações sobre Gabriela Mistral estão disponíveis em:
<http://www.los-poetas.com/e/biomist.htm>
Acesso em: 29 jul 2015.

 

Santiago, 06.10.2015 (3ª feira)
1º Movimento
Andante
Violeta Parra.

 

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Violeta Parra.

 

Cantora, compositora, pintora e escultora chilena. Nasceu em San Carlos, a 375 Km de Santiago, em 04 de outubro de 1917, e morreu em Santiago, em 05 de fevereiro de 1967.

 

Filha de um professor de música e de uma costureira e cantora, começou a compor aos doze anos de idade.

 

Violeta Parra foi responsável pela compilação da música popular folclórica de seu país.

 

Em 1964, no ‘Museu do Louvre’, em Paris, expõe: duas ‘arpilleras’ (tapeçarias bordadas); 26 pinturas a óleo sobre tela ou madeira prensada; 13 esculturas em arame.

 

Mais informações podem ser encontradas em: <http://www.archivochile.com/Cultura_Arte_Educacion/vp/s/vpsobre0026.pdf>
Acesso em: 09 nov 2015.

 

Conforme suas palavras, “A criação é um pássaro sem plano de voo, que jamais voará em linha reta”.

 

Conversa com Violeta Parra ‘Violeta Parra Chile’
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=PRpCDnXyHpE&list=RDPRpCDnXyHpE#t=72
Acesso em: 20 fev 2016.

 

 

96- M V PARRA- LIBERTAD cópia

 

 

2º Movimento
Andante
Filme: ‘Viola Chilensis’ (Documentário).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=bLDkrtjU6Hs>
Acesso em: 20 nov 2015.
Biografia sobre Violeta Parra, com depoimentos em vários idiomas.

3º Movimento
Andante
Filmes:
‘Violeta foi para o céu’. Dirigido por Andrés Wood.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=XS2QPYQY-9c>
Acesso em: 20 nov 2015.

 

Angel Parra fala sobre sua mãe.
Disponível em: <https://solgarcia.wordpress.com/2006/06/21/200/>
Acesso em: 18 mai 2015.

 

Outras canções de Violeta Parra:
‘Volver a Los 17’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=TdLlkZW58SI>
Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘Yo canto a la diferencia’.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=afzP8J3eP6M>
Acesso em: 23 ago 2015.
4º Movimento
Andante
Visita ao ‘Museo Violeta Parra’.

 

 

Pauta: ‘Museo Violeta Parra’.

O Museu Violeta Parra foi inaugurado domingo passado, dia 04 de outubro de 2015.

O prédio – com formato de metade de um violão – terá como complemento, a outra metade, um museu dedicado a Mercedes Sosa, a ser construído no futuro.

 

No acervo do museu encontram-se as pinturas e ‘arpilleras’ produzidas por Violeta Parra, sua máquina de costura, violão e harpa, além de outros objetos que pertenceram a ela.

 

O reconhecimento e divulgação da obra desta artista plástica e música é fundamental para o Chile e para o mundo.

 

Site do ‘Museo Violeta Parra’: <www.museovioletaparra.cl>

Alegro

 

 

97- M VIOLETA PARRA -LOGOMARCA-  cópia

 

 

A existência deste museu é um grande passo dado pelo Chile, em direção à preservação de sua obra.

 

5º Movimento
Andante
Apresentação musical de Isabel Parra.
Alegro
Chego ao museu na horinha do início de apresentação de Isabel Parra, filha de Violeta Parra, no teatro ‘Antar Parra’ – homenagem ao bisneto de Violeta, que faleceu no Rio de Janeiro.
6º Movimento
Andante
Visita às galerias do museu.
Alegro
Fotos, ‘arpilleras’, objetos e pinturas, entre outras coisas,  de Violeta Parra, estão dispostos em um projeto museográfico digno da magnitude dessa artista.
Alegro
Consigo autorização para fazer fotos com o estandarte, o que farei em outro dia.
7º Movimento
Andante
Aquisição de disco e livro.
Alegro
Adquiro disco da Violeta com Isabel Parra, autografado por esta última.
Adquiro o livro sobre vida e obra de Violeta Parra.
Dia repleto de sentimentos preciosos!
Alegro

 

Violeta

 

tens nome de flor
som perfumado-perfumoso.
Flor que brilha
sempre brilhaste
no teu país
e nos ideais revolucionários
de povos
que cantam a liberdade
nas ruas
nos cárceres
nos exílios.

 

Permanecemos cantando
Muito obrigada,
por nos ter dado
a Violeta
a violeta do Chile
a violeta nossa.

 

A festa é hoje
é todos os dias
ao alvorecer
ao anoitecer.

 

Muito obrigada
por permanecermos
cantando.

 

Santiago, 07.10.2015 (4ª feira)
1º Movimento
Andante

 

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Isabel Allende.

 

 “O meticuloso exercício da escrita pode ser a nossa salvação.”

 

Essa frase de Isabel Allende, em seu livro ‘Paula’, talvez dê uma pista sobre o significado da literatura para a escritora.

 

Isabel Allende, filha de diplomata e sobrinha do presidente chileno, Salvador Allende, nasceu no exterior, mas tem nacionalidade chilena. Trabalhou como jornalista em periódicos, em revistas femininas e na televisão, antes de publicar seus livros. Também foi colaboradora da FAO (‘Food and Agriculture Organization’, órgão das Nações Unidas), em Santiago.

 

Após o golpe de 73 e a morte de Salvador Allende, o clima de terror obrigou-a a abandonar o Chile com a família e buscar refúgio na Venezuela.

 

Em Caracas, trabalhou como repórter do jornal ‘El Nacional’ e ensinou idiomas em escola pública. Escreveu histórias infantis, além de algumas peças teatrais. Depois de se divorciar do primeiro marido, Miguel Frías, Isabel Allende mudou-se para a Califórnia (EUA), onde, em 1988, se casou com o americano Willie Gordon.

 

Isabel atribui seu êxito como escritora ao célebre poeta chileno Pablo Neruda que, no inverno de 1973, aconselhou-a a abandonar seu trabalho como repórter para se dedicar a escrever livros de ficção. Ela não levou muito a sério a sugestão e demorou quase dez anos para transformar a ideia em realidade.

 

Seu primeiro romance, ‘A Casa dos Espíritos’ (de 1982, adaptado ao cinema em 1993), foi bem recebido pela crítica e colocou o nome de Isabel na tradição literária do realismo mágico de Gabriel García Márquez.

 

É considerada a mais famosa romancista contemporânea da América Latina”.
Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/biografias/isabel-allende.htm>
Acesso em: 22 nov 2015.

 

A obra, blog e outras informações sobre Isabel Allende estão disponíveis em seu site: <http://www.isabelallende.com/>

 

‘Isabel Allende entrevistada por Manuel Luís Goucha’ (Português).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=sFRa-hxj7_0>
Acesso em: 22 nov 2015.

 

Sobre sua vida, família, a juventude e a atualidade do Chile, o feminismo, a educação e a cultura para a transformação do mundo.

 

2º Movimento
Andante
Filme: ‘La casa de los Espiritos’ – Dublado.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=IMLSe0h1LOc>
Acesso em: 07 out 2015.

 

Baseado na obra, de mesmo nome, de Isabel Allende. Dirigido por Bille August.
Historia de los Trueba, una numerosa y turbulenta familia chilena de clase alta que, a lo largo de tres generaciones, experimentarán los cambios producidos en su país durante casi un siglo. Con su patriarca angustiado y sus mujeres clarividentes, todos los miembros de la familia trazan sus vidas desde finales del siglo pasado hasta los violentos días del golpe que derrocó al gobierno de Salvador Allende en 1973”.

 

Relações de poder na família e no trabalho. Entre os que têm muito e os que não têm quase nada. Disputas entre conservadores e progressistas.

 

Santiago, 08.10.2015 (5ª feira)
1º Movimento
Andante
Segunda visita ao ‘Museo Violeta Parra’.
98- M V PARRA- AREA EXTERNA cópia

 

 

Alegro

Fotografar o estandarte na frente do museu, junto às letras das músicas de Violeta Parra, me causa um impacto emocional.

 

 

99- VIOLETA COMPOSITORA- OBJETOS NO MUSEO V P

 

 

A expressão musical de Violeta é também nos presenteada, neste museu, com a exposição de sua harpa.

 

 

100- MUSEO V PAAR-A ARPA PARRA cópia

 

 

Sua obra é fundamental no entendimento da arte latino-americana.

 

 

101- M VIOLETA PARRA- EXPOSIÇ~PE S cópia

 

 

Cada sala do museu me propicia imersões profundas em sua ampla e diversa vida.

 

 

102- M VIO PARRA- MAQUINA DE COSTURA  cópia

 

 

2º Movimento

Andante

‘Federación de los Estudiantes de la Universidad de Chile’.

 

 

 Pauta: ‘Federación de los Estudiantes de la Universidad de Chile (FECH)’.

 

“La FECH fue fundada en el período 1906-1907 para reivindicar el rol de la organización estudiantil. Desde esa fecha ha sido gestora y partícipe activa de la historia de la Universidad y el país, teniendo un rol fundamental en su construcción.

 

Esta organización posee una directiva de cinco miembros, un cuerpo de consejeros de Facultades, un Consejo de Presidentes de Centros de Estudiantes y una instancia de definición de políticas de largo plazo denominada Congreso Estudiantil, además de tener derecho a participación y voz en el Consejo Universitario.

 

Entre las actividades principales de la FECH destacan la realización de los trabajos voluntarios, la semana mechona, promoción de espacios de discusión entre los estudiantes y la comunidad universitaria; así como otras iniciativas de reflexión y debate en torno a temáticas juvenil, universitaria y nacional.

 

Es así como la Federación ha logrado impulsar importantes movimientos de cambio en los últimos años, significando una fuerte reestructuración de la Universidad. Muestra de esto es el desarrollo de los nuevos estatutos de la Universidad y la creación e implementación del Senado Universitario, producto de la fuerza y convicción del movimiento estudiantil en un principio, que posteriormente fue de toda la comunidad universitaria.

 

Para complementar su labor, la Fech con organismos permanentes como son el Centro de Extensión Artística y Cultural CEAC-FECH, cuyo fin es finalidad apoyar eventos artísticos y culturales propios estudiantiles, y la Central de Trabajo Universitaria CTU-FECH, para proporcionar posibilidades de trabajo a los estudiantes”.

 

Disponível em: <http://www.uchile.cl/portal/pregrado/bienestarestudiantil/organizacion-estudiantil/5063/federacion-de-estudiantes-de-la-universidad-de-chile-fech>

Acesso em: 30 nov 2015.

 

Site da FECH: <http://fech.cl>

 

Alegro

Fotografar o estandarte na FECH é desenhar uma linha reta entre o Chile e o Recife dos estudantes nos períodos das ditaduras do Brasil e do Chile.

 

103- CONEXOES ESTUDANTIS- RECIFE SANTIAGO

 

 

‘Me gustan los estudiantes’ – Angel Parra.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6MJlw9-gvgI>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

 

104- ESTANDARTE NA FRENTE DA FECH cópia

 

3º Movimento

Andante

O ‘regalo’ da FECH.

Alegro

Ganho de presente a agenda da FECH. Carinho especial… muito especial

.

 

105- FECH- CAPA DE AGENDA  cópia

 

 

A grande sala de reuniões nos apresenta um mural representativo para as lutas estudantis.

 

 

106- MURAL NO INTERIOR DA FECH  cópia

 

 

4º Movimento

Andante

José Carrasco Tapia.

 

 

 Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: José Carrasco Tapia.

 

 José Carrasco Tapia, o ‘Pepe’, nasceu em Santiago, em 24 de agosto de 1943, e foi assassinado em 08 de setembro de 1986, por agentes da CNI.

 

‘Pepe’ – um dos mais influentes jornalistas chilenos que lutaram contra a censura durante a ditadura de Pinochet – foi um dos dirigentes do ‘Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR)’, jornalista de revistas, diários e TV nos anos 1960, e editor internacional da revista ‘Analisis’.

 

Companheiros de ‘Pepe’ depõem ressaltando sua luta contra a censura na imprensa, sobre sua imensa capacidade de articulação, suas habilidades de separar política de ideologia, sendo assim capaz de fazer política em conjunto com pessoas que podiam diferir ideologicamente, mas que o momento político colocava juntas para buscar mudanças políticas no quadro sócio-cultural-repressivo-opressor da ditadura chilena.

 

O sepultamento de José Carrasco Tapia foi reprimido de diversas formas, inclusive com jatos de água, pela polícia opressora da ditadura.

 

‘Documental José Carrasco Tapia’.

 

Dirigido por: Magdalena Gacitúa e Rodrigo Luengo.

 

Parte 1

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=iNHTNNo_iHE>

Parte 2

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=3jROv8ez6g4>

Parte 3

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ejb1D0oXY1k>

Parte 4

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=pMKW1OO0zm>

Acesso em: 08 out 2015.

 

‘Canción con todos’, com Mercedes Sosa.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=_kJaMi0OVf0>

Acesso em: 22 nov 2015.

 

‘El Viaje’ – Schwenke & Nilo.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wiSXoJBPPko>

Acesso em: 22 nov 2015.

 

5º Movimento

Andante

Fotografar o estandarte no mural da Rua Jornalista José Carrasco Tapia.

Alegro

Fotografo o estandarte ao lado de um grafite com a imagem de Salvador Allende…  para mim, ele está olhando o estandarte e dizendo: ‘Bueno… interessante…’

 

 

107- RUA JOSE CARRASCO TAPIA  cópia

 

 

 

Santiago, 09.10.2015 (6ª feira)

1º Movimento

Andante

A imprensa e a democracia.

 

 

 Pauta: A imprensa.

 

É importante ressaltar a participação da imprensa subjugada ao establishment –  compreendido como a elite religiosa, social, econômica e política internacional ou de um país – não somente no caso do Chile, mas em toda a América Latina, onde a imprensa – fixando nossa análise nos períodos ditatoriais – foi manipulada pela CIA, juntamente com os governos locais de cada país. Um exemplo clássico é a Operação Condor, que não somente mantinha o intercâmbio de informações e métodos de tortura e morte, mas também o domínio sobre a imprensa e o aniquilamento das mentes pensantes que tentavam manter o ‘livre pensar’ nos meios de comunicação de massa, deixando a maioria da população sob a opinião ‘engessada’ dos poucos que detêm o poder.

 

 

Filme: ‘El Diario de Agustín’.

Dirigido por Ignacio Agüero.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6Hs60_o_Yv0>

Acesso em: 26 nov 2015.

Discute o papel do jornal ‘O Mercúrio’, na derrubada do governo popular de Salvador Allende, e as associações que se seguiram deste organismo de imprensa com o governo militar e as violações aos Direitos Humanos no Chile.

 

‘Informe Especial: Los Montajes de la Dictadura – TVN Chile’ (09/09/2015).

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=hW0dcCUIfjs>

Acesso em: 26 nov 2015.

 

 

Filme: ‘La Ciudad de los Fotógrafos’, dirigido por Sebastián Moreno.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=EM7ZjMbcZdw>

Acesso em: 06 jun 2015.

 

“Durante el período de la dictadura de Pinochet, un grupo de chilenos fotografió las protestas y la sociedad chilena en sus más variadas facetas. En la calle, al ritmo de las protestas, estos fotógrafos se formaron y crearon un lenguaje político. Para ellos fotografiar fue una practica de libertad, un intento de supervivencia, una alternativa para poder seguir viviendo.
Sus fotografías sirvieron para apoyar el testimonio de las victimas de la dictadura y fueron fundamentales para iniciar procesos de justicia. Algunos de ellos fueron reprimidos brutalmente, otros asesinados… la mayoría siguen vivos.
Ellos representan el inhóspito pasado de Chile y la metamorfosis de la sociedad chilena”.

 

2º Movimento

Andante

 

Alguns e algumas chilenos(as) relevantes, no âmbito da Terceira Afinação do Projeto Senha Aberta: Alberto “Gato” Gamboa Soto.

 

Alberto Gamboa Soto – considerado um dos melhores jornalistas do Chile – nasceu em Santiago, em 1921.

Em 1954, aos 17 anos, começa a trabalhar como repórter esportivo. Trabalha nos diários ‘La Opinión’, ‘Última Hora’, ‘El Clarín’, onde foi diretor até o golpe de 1973.

Foi detido várias vezes, acusado de ‘injúrias’ por inimigos políticos.

Em 1984, a revista ‘Hoy’ publica seu livro ‘Un viaje por el infierno’, reeditado em 2010, onde relata sua experiência de preso político e torturado – 3 meses no Estádio Nacional e um ano e 10 dias na ‘Oficina salitrera Chacabuco’, onde criou o diário mural dos ‘prisioneiros de guerra’, junto a outros jornalistas.

O ‘Colegio de Periodistas de Chile’ o homenageia como um dos fundadores e como figura exemplar para o jornalismo chileno.

‘Alberto – Gato – Gamboa, uno de los mejores periodistas de Chile’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=-YB5QhFfyW0>

Acesso em: 30 nov 2015.

 

‘O relato de um jornalista chileno que viajou pelo inferno de Pinochet’.

Disponível em: <http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/O-relato-de-um-jornalista-chileno-que-viajou-pelo-inferno-de-Pinochet/6/17651>

Acesso em: 30 nov 2015.

 

 

Santiago, 10, 11 e 12.10.2015 (Sábado, Domingo e 2ª feira)

1º Movimento

Andante

‘IV Congresso Internacional Ciencias, Tecnologias y Culturas – Diálogos entre las disciplinas del conocimiento. Hacia el futuro de America Latina y el Caribe.’

 

Simpósio ‘Fotografia, Representaciones Visuales e Historia: ¿Um dialogo posible?’

 

Canção ‘Latinoamerica’ – Calle 13 (Legendas em português).

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=vXPy7Lo-Z3I>

Acesso em: 26 set 2015.

Alegro

Vários trabalhos apresentados discutem aspectos de memórias e fotografia, o que traz conteúdos adicionais ao Projeto Senha Aberta.

‘Identidade latino-americana’ – Eduardo Galeano.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=IA80TYNdAN4>

Acesso em: 05 nov 2015.

 

‘Destino da América Latina’ – Eduardo Galeano.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=O36uJmc3ZXM>

Acesso em: 05 nov 3025.

 

Santiago, 13.10.2015 (3ª feira)

1º Movimento

Andante

Biblioteca Nacional do Chile.

Alegro

Visita à exposição fotográfica de Armindo Cardoso, ‘Un otro sentimiento del tiempo   – Chile 1970-1973’.

Alegro

Armindo é português, e estava no Chile durante o governo da Unidade Popular, de onde saiu com o golpe de 73.

 

Mais de 4.000 negativos em preto e branco de Armindo Cardoso ficaram enterrados durante meses em uma casa em Santiago. Em 1973, os negativos foram enviados para a França, e atualmente se encontram preservados na Biblioteca Nacional do Chile.

 

Segundo palavras do fotógrafo: “Que su preservación permita a las generaciones futuras, dentro y fuera de Chile, conocer los rostros de las multitudes unidas en torno a Allende, el rostro del propio Allende y de los que lo acompañaron en su deseo de cambio, así como todos aquellos a quien él quiso ofrecer dignidad y a quien yo tuve la fortuna de fotografiar”.

 

Mais informações sobre o fotógrafo disponíveis em:

<http://www.memoriachilena.cl/602/w3-article-128276.html>

Acesso em: 16 nov 2015.

Alegro

Sites de Armindo Cardoso:

<http://armindocardoso.no.sapo.pt/>

<http://armindocardoso.blogspot.com.br/>

 

Santiago, 14.10.2015 (4ª feira)

1º Movimento

Andante

Exilados do Chile.

Conceito: Exílio.

“Expatriação forçada ou por livre escolha; degredo; lugar em que vive o exilado; isolamento do convívio social; solidão.” (HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001, p. 1284).

 

 

Mario Aguilera define o exílio em seu texto ‘Cabalito de mar’:

 

 

108- EXILIO

 

 

‘Qué será de mis hermanos’ – Angel Parra.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=v8AyQ2Z5KjY>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

Pauta: Exílio.

“Não posso viver sem pôr os pés, as mãos e o ouvido nela, sem sentir a circulação de suas águas e de suas sombras, sem sentir como minhas raízes buscam em seu barro pegajoso as substâncias maternas.” (Neruda).

Disponível em: <http://espacoacademico.com.br/042/42csilva.htm>

 

Inúmeros chilenos estiveram exilados durante o último período ditatorial do Chile.

 

Saliento a relação do Brasil com o Chile também no número de brasileiros que se exilaram nesse país durante a ditadura civil-militar brasileira. O caso mais emblemático, conhecido como ‘Os 70 do Chile’ – prisioneiros políticos brasileiros que foram exilados, em 1971, em troca da libertação do embaixador suíço Giovanni Enrico Bucher, sequestrado por membros da esquerda, no Rio de Janeiro.

 

Alguns exilados brasileiros foram mortos, executados ou ‘desaparecidos’ durante a ditadura de Pinochet, entre eles podemos ressaltar: Jane Vanini, Luiz Carlos de Almeida, Nelson de Souza Kohl, Túlio Roberto Cardoso Quintiliano, Vânio José de Matos e Nilton Rosa da Silva.

 

109-  BRASILEIRA EXECUTADA 0 JANE VANINI  cópia

 

Em homenagem a este último, foi plantado um jacarandá do Brasil, na ‘Universidad de Chile’, em frente ao alojamento estudantil, onde ele residia quando foi morto.

 

Um fator emblemático na história dos exilados é o ‘retorno para casa’, alguns após longos anos vividos em outros países.

 

Sobre o retorno ao Chile:

 

Inti illimani – ‘Vuelvo’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=5ItUKp2gJuo>

Acesso em: 23 nov 2015.

 

Santiago, 15.10.2015 (5ª feira)

1º Movimento

Andante

‘Museo de la Solidariedad Salvador Allende’.

 

 

Pauta: ‘MSSA’

 

“Em Marzo de 1971 se efec­tuó en Santiago, un encuen­tro de  intelec­tua­les que se llamó ‘Ope­ra­ción Ver­dad’. Entre otros, vinie­ron José María Moreno Gal­ván de España y Carlo Levi de Ita­lia. Son ellos a quienes se le ocurre proponerle a los artistas del mundo que donen obras en apoyo al Gobierno que pre­si­día Sal­va­dor Allende.

 

Entre 1971 y 1973 se reci­ben más de 500 obras entre pin­tu­ras, gra­ba­dos, escul­tu­ras, dibu­jos, tapi­ces y fotografías. Las obras que com­po­nen el Museo de la Soli­da­ri­dad Sal­va­dor Allende son pro­ducto de la voca­ción soli­da­ria que ins­piró a artis­tas de todo el mundo, quie­nes dona­ron sus obras, expre­sando de esta manera su apoyo al pro­yecto social y polí­tico que se desa­rro­llaba en Chile durante el gobierno de Sal­va­dor Allende.

 

Este fac­tor es deter­mi­nante, y se tra­duce en una gran varie­dad de esti­los artís­ti­cos, dis­cur­sos esté­ti­cos y sopor­tes expre­si­vos, dando ori­gen a una colec­ción inte­grada por unas 500 obras, que alcanzó a exhi­birse en dos opor­tu­ni­da­des antes del golpe de Estado de 1973.

 

La recu­pe­ra­ción de la demo­cra­cia en Chile, per­mi­tió que las obras de los Museos de la Resistencia provenientes desde el extran­jero se unie­ran al fondo ori­gi­nal, haciendo posi­ble en sep­tiem­bre de 1991, la reinau­gu­ra­ción del Museo de la Soli­da­ri­dad Sal­va­dor Allende que tuvo lugar en el Museo Nacional de Bellas Artes.

 

El ‘MSSA’ es hoy de los museos de arte moderno más importantes de América Latina, con una de las colecciones más representativas de una época histórica: son 2.650 obras, cifra que se incrementa gracias a la donación de nuevos artistas contemporáneos de significación histórica. […]

 

Lo Museo de la Solidaridad Salvador Allende logra cumplir con su compromiso original: facilitar el acceso, la circulación y la difusión del conocimiento, tanto a la comunidad nacional como a la extranjera. Esta misión implica conservar, rescatar, investigar, circular y difundir el patrimonio artístico en su más amplio sentid”.

 

Disponível em: <http://www.mssa.cl/>

Acesso em: 05 dez 2015.

 

2º Movimento

Andante

Fotografar o estandarte no MSSA.

 

 

110- MSSA-  ESTANDARTE mssa-com est

 

 

Alegro

Estar no ‘Museo de La Solidariedad Salvador Allende’, em parte justifica minha relação de afeto com o povo do Chile.

 

 

111- MSSA- II- COM ESTANDAR cópia

 

 

Ressalta a saudade, mas também a profunda alegria de ter participado desse tempo, de ser parte dessa solidariedade.

 

 

112 - MSSA-MURAL-FALTA CREDITO  cópia

 

 

3º Movimento

Andante

Exposição ‘Espacio Gramático’ – a obra ‘Lista Negra’, de Gabriel Holzapfel.

 

 

113- EXPOSIÇÃO DE Gabriel Holzapfel) cópia

 

 

Alegro

Segundo suas próprias palavras: “Yo no estuve allí, no había nacido. Nací el mismo año en que se fueron. Heredé de ese tiempo el relato familiar de una época oscura, plagada de personas desaparecidas, de nombres borrados. Eso me pesa. Esta obra es una manera de reescribirlos”. 

 

E, no texto da exposição: “[…] en la que aborda las nociones de escritura y memoria colectiva desde un punto de vista analógico, es decir, poético, cuyos medios de expresión en este caso son la gráfica, el dibujo y el arte de la instalación.

 

Por un lado, el artista se obliga a re-escribir, para después achurar, el listado completo de las víctimas fatales y detenidos desaparecidos de la Dictadura cívico-militar chilena, activando de ese modo una densa trama metafórica, que incluye las figuras del castigo escolar, el padecimiento físico de las víctimas y la fragilidad de la memoria. Por otro lado, recurre a ciertos residuos del acto escritural para ‘subrayar’, a 27 años del Plebiscito que selló el retorno a la democracia, los nombres de las víctimas cuyos cuerpos aún no aparecen pero rondan como una promesa de justicia incumplida”.

4º Movimento

Andante

Fundação Salvador Allende.

 

 

Pauta: ‘Fundación Salvador Allende’.

 

Criada em 1990, em Santiago, por iniciativa de viúva do Presidente, suas filhas e neto, a FSA se propõe a recuperar e promover o legado do Presidente Salvador Allende.

 

Funciona na mesma casa onde se encontra o Museu da Solidariedade Salvador Allende.

 

A primeira atividade da ‘FSA’ foi realizar o funeral oficial de Salvador Allende, no mausoléu que leva seu nome, no Cemitério Geral de Santiago, em 04 de setembro de 1990.

 

Desde a década de 1990, a ‘FSA’ trabalha arduamente na busca e recolha de materiais, que dão conta de Salvador Allende na história, juntando vestígios que se encontravam espalhados pelo mundo em mãos de ex-colaboradores, familiares, amigos e diversos Comitês de Solidariedade com o Chile.

 

A ‘FSA’ conta com Centro de Documentação, que guarda seus discursos, fotografias íntimas e oficiais, sua biblioteca pessoal e arquivo audiovisual da época.

 

 

114- fsa-relicario cópia

 

 

Durante o processo de restauração da casa, onde funciona a Fundação, foi encontrada uma série de objetos e documentos abandonados pelos militares, os quais dão conta das operações de inteligência e repressão aqui realizadas.

 

Atualmente, se mantém intacta a sala, nomeada de ‘Sala CNI’, contendo aparatos usados pelos militares para interceptar comunicações entre possíveis ‘suspeitos’.

Site da Fundação Salvador Allende:

<http://www.fundacionsalvadorallende.cl/>

Acesso em: 15 nov 2015.

 

 

115- FUND S AL - CENTRAL ESCUTAS -DINA

 

 

5º Movimento

Andante

Fotografar o estandarte na ‘Sala CNI’.

 

 

116- sala cni=- fund s allende cópia

 

 

Alegro

Parece irreal encontrar esta sala e poder fotografar o estandarte aqui.

Adágio

Sinto raiva…

Tantos significados, tantos nomes foram capturados usando essa tecnologia hoje ultrapassada.

Alegro

Encontro uma relíquia… a placa que antes estava na rua, onde não era permitido ‘passar devagar’, e muito menos fazer fotos, está aqui conservada.

 

 

117- PROIBIDO FOTOGRAFAR  cópia

 

 

6º Movimento

Andante

Acontecimentos deste dia.

Alegro

Estudantes chilenos, notadamente da ‘Universidad de Santiago’, estão nas ruas lutando por ensino público e gratuito nas universidades chilenas.

‘Me Gustan los Estudiantes’ – Quarteto em Cy e MPB 4.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=GHeQK6m5pTQ>

Acesso em: 05 dez 2015.

 

7º Movimento

Andante

Fotografar no ‘Museo de la Memoria y los Derechos Humanos’.

 

 

Pauta: ‘Museo de la Memoria y los Derechos Humanos’.

 

“Inaugurado em 2010, é um espaço destinado a dar visibilidade às violações aos direitos humanos cometidas pelo estado do Chile entre 1973 e 1990; a dignificar as vítimas e a suas famílias; e para estimular a reflexão e o debate sobre a importância do respeito e tolerância, para que esses acontecimentos nunca mais se repitam.

 

Com sua criação se busca impulsionar iniciativas educativas, que convidem ao conhecimento e à reflexão. […]

 

Através de objetos, documentos e arquivos em diferentes suportes e formatos, […] é possível conhecer parte dessa história: o golpe de Estado, a repressão dos anos posteriores, a resistência, o exilio, a solidariedade internacional, as políticas de reparação”.

 

Disponível em: <http://www.museodelamemoria.cl/>

Acesso em: 12 nov 2015.

 

Alegro

Fotografo o estandarte em diversos setores do museu.

 

 

118- MUSEO DE SOLIDARIEDADE Y DERE HUM  cópia

 

 

Espaço

Neste museu existe um eficiente processo educativo sobre a violação aos Direitos Humanos.

 

 

119- M MEM DER HUMA- FECHA CONG

 

Alegro

A exposição ‘Condor’, do fotógrafo português João Pina, encontra-se neste museu.

 

Já há algum tempo eu buscava uma forma de ver essa mostra… e a encontro aqui, justo em um museu de Direitos Humanos… perfeito!

 

 

120- mem der hum- desaparecidos

 

 

8º Movimento

Andante

‘Equipamentos’ para tortura: ‘Parrilla’ ou grade.

 

 

121- M MEM Y DER HUM- MAQ CHOQUES ELETRICOS

 

 

Adágio

Pela primeira vez encontro-me frente a frente com um equipamento que foi usado para torturas com choques elétricos.

 

Arrepiante!

Estou em choque cerebral…

turbilhão de imagens

sons

sentimentos

me transpassam

enquanto faço essas fotos.

Gelo na espinha dorsal.

 

122-M DR HUM= EST MAQUINA E MUNDO

 

 

‘Resumen – La Tortura en Chile’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=bY1wUaZtUHY>

Acesso em: 06 dez 2015.

 

Adágio

Existem inúmeros relatos de ex-presos políticos de vários países, descrevendo salas de tortura onde foram usados os choques elétricos.

Espaço

Sempre esperamos que isso nunca mais aconteça, em nenhuma parte do mundo…

Ao mesmo tempo, também sabemos que continua acontecendo!

 

Eduardo Galeano fala sobre o Mapa Mundi, em três vídeos, que creio nos ajuda a entender como funciona nosso mundo:

 

Eduardo Galeano – ‘Mapamundi’ .

(1/3) Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=n120mUZYLZ8>

(2/3) Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=T7hX0L9e5to>

(3/3) Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=J9rTtOU6Nfg>

Acesso em: 16 mar 2015.

 

 

Santiago, 16.10.2015 (6ª feira)

1º Movimento

Andante

Fotografar o estandarte no ‘Matucana 100 – Centro Cultural’.

 

 

123- M 100 COM ESTANDARTE cópia

 

 

Alegro

É sempre uma satisfação estar aqui, no ‘Matucana 100’, este lugar que me acolheu. E acolhe tão bem!

Espaço

No meu imaginário constantemente existem trens, estações, ferrovias.

 

Na realidade de minha vida aparecem diversificadas formas de presença do universo da ferrovia.

 

Este Centro Cultural está em antigas instalações arquitetônicas usadas pelos transportes ferroviários.

 

Isso me deixa em casa! Como uma filha pródiga.

 

2º Movimento

Andante

Despedidas.

Adágio

Este é o último dia em que venho ao ‘Matucana 100 – Centro Cultural’, durante esta residência artística em Santiago do Chile.

Ficarei com saudades.

3º Movimento

Andante

‘Universidad de Santiago de Chile – USACH’

 

 

Pauta: ‘USACH’

A Universidade de Santiago do Chile foi fundada em 1849, como ‘Escuela de Artes y Oficios’, apesar de ser uma instituição universitária.

 

Veio a funcionar como universidade somente a partir de 1952.

 

Durante o período que vai de 1967 a 1973, Enrique Kirberg assume a reitoria – o único reitor da universidade a ser eleito com voto universal de professores e estudantes. Ele foi exonerado do cargo após a tomada do poder pelos militares chilenos.

 

A ‘USACH’ foi uma das universidades mais perseguidas após o golpe militar, centenas de alunos, professores e funcionários desta instituição foram perseguidos, desaparecidos e executados políticos.

 

Os ditadores exoneraram da ‘USACH’ pouco mais de 3.000 pessoas, entre professores e funcionários.

 

Em sua história recente, inúmeros eventos estão relacionados à luta pela redemocratização do Chile e pelo ensino público e gratuito nas universidades deste país.

 

Algumas informações importantes sobre a história da ‘USACH’ estão disponíveis em: <http://radio.uchile.cl/2014/09/11/la-universidad-de-chile-y-sus-deudas-con-la-memoria>

 

Victor Jara – ‘Canción Del Árbol Del Olvido’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7Q-D6LIoBfk>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

 

124-  USACH cópia

 

 

Adágio

Uma das pessoas mais influentes, entre as que foram executadas durante a ditadura, é o professor da ‘USACH’, cantor e compositor, Victor Jara.

 

 

 Pauta: Victor Jara.

 

125- VICTOR JARA - EM 3 E 4 ALAMOS cópia

 

Nascido em Lonquén, Chile, é referência internacional de música de protesto.

 

“Mis manos son lo único que tengo, mis manos son mi amor y mi sustento”.

 

Victor Jara teve participação fundamental nas campanhas da Unidade Popular, com suas canções e com seu trabalho na ‘USACH’.

 

Sua morte, sob tortura, foi considerada uma das mais cruéis ações da ditadura. Ficou constatado, com a exumação do cadáver de Victor Jara, que ele teve suas mãos maceradas por golpes de cassetetes dos militares, durante sua prisão no Estádio Chile – outro templo do futebol utilizado como campo de concentração pela ditadura chilena.

 

Atualmente, o Estádio Chile leva seu nome.

 

‘Canción de muerte y esperanza por Victor Jara’, de Osvaldo Rodríguez.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4VOgE8X3jZk>

Acesso em: 25 nov 2015.

 

 

Em homenagem às mães da Plaza de Mayo, da Argentina, ‘Patricio Contreras’, texto para Victor Jara.

 

Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=er_Se8sPUew>

Acesso em: 23 nov 2014.

Adágio

Victor Jara é um referencial importantíssimo de arte engajada, do sonho cantado, da imagem da felicidade, do vislumbre de liberdade para todas as pessoas.

 

Segundo suas palavras: “Mi canto es un cadena sin comienzo ni final, y en cada eslabón se encuentra el canto de los demás”.

 

Esta é uma das canções que mais ouvi na minha vida:

 

Victor Jara – ‘Te Recuerdo Amanda’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=GRmre8ggkcY>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘Victor Jara entrevistado por Nicomedes Santa Cruz. 30/6/1973’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wl-T7q2h_8c>

Acesso em: 20 nov 2015.

 

Espaço

O sentimento de nostalgia, misturado com a felicidade de ter sido capaz de viver e participar dessa luta, creio ser parte vital de minha vida.

Alegro

Estar aqui na ‘USACH’ me relaciona diretamente com as democracias propostas antes dos golpes civis-militares e com as lutas estudantis do Chile e do Brasil, nos processos de redemocratização.

4º Movimento

Andante

 

 

126- USACH- MAO DE V JARA  cópia

 

 

Fotografar o estandarte no monumento a Victor Jara.

O que era para ser dito, ele disse em suas canções.

 

 

127- USACH- A VICTOR JARA  cópia

 

 

‘Último concerto de Victor Jara: Victor Jara en Peru – 17 de julio de 1973’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=xjqa-3oL9Bc>

Acesso em: 23 ago 2015.

”Concierto de Victor Jara en la Panamericana Televisión, de Lima, Peru, en 17 de julio de 1973. Este fué lo último concierto grabado del artista chileno, que fue asesinado por la Junta Militar Chilena dos meses después“.

 

Camarada Victor, presente!
Hoy y siempre!

 

‘Somos cinco mil’ –  último poema de Victor Jara.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7Zx-szHHIwQ>

Acesso em 14 out 2015.

 

‘Inti Illimani –  Canción a Victor Jara’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=PojKgo9PUQY>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘Mil guitarras para Victor Jara 2015 – El derecho de vivir en paz‘.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=MfScBKDQX9s>

Acesso em: 09 out 2015.

 

5º Movimento

Andante

Fotografar o estandarte no monumento aos detidos, desaparecidos e executados políticos da ‘USACH’.

Alegro

Este monumento está na entrada principal da universidade. É um marco emblemático das lutas democráticas que esta universidade representa.

 

 

128- Mon d dUniv Sant de Chpsd cópia

 

 

Santiago, 17.10.2015 (Sábado)

1º Movimento

Andante

‘Morandé 80’

Adágio

A ‘Morandé 80’ é a porta por onde o corpo do Presidente Salvador Allende saiu, morto, do Palácio ‘La Moneda’, em 11 de setembro de 1973.

 

A Junta Militar retirou a porta, que foi reconstruída e inaugurada somente 30 anos depois, em 2003.

 

Cerimônia de ‘Apertura de Morandé 80’.

Disponível em: <https://vimeo.com/49252936>

Acesso em: 27 nov 2015.

 

Esta porta ficou marcada na história do Chile.

Espaço

… quando um presidente, eleito democraticamente, não sai pela mesma porta por onde entrou, levado pelas mãos do povo!

 

 

129- PORTAS DO LA MONEDA cópia

 

 

Alegro

Agora, um guarda toma conta da porta ‘Morandé 80”.

Este guarda, aqui parado, não nos deixa esquecer que por essa porta foi retirado o corpo do mais importante presidente que o Chile já teve.

2º Movimento

Andante

Compra de livros.

Alegro

Necessito ter comigo alguns livros de fotografia que refletem a história recente do Chile.

3º Movimento

Andante

Documentário: ‘Golpe de estado en Santiago de Chile – Los últimos días de Salvador Allende’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=yKJfNtoa5C4>

Acesso em: 04 ago 2015.

 

Santiago, 18.10.2015 (domingo)

1º Movimento

Andante

Lonquén

 

 

 Pauta: Fornos de Lonquén.

“’Trozos de cráneos amarillentos, con huellas de cuero cabelludo; pelos sueltos, negros; ropas desgarradas en las que se reconoce un blue jeans, un chaleco de hombre.’ (Palabras del subdirector de la revista Hoy, Abraham Santibáñez, al describir los restos humanos encontrados en los hornos de Lonquén, 30 de noviembre, 1978, Memoria Prohíbida)”.

 

Foi o que restou de quinze homens incinerados nos fornos de Lonquén.

 

Eles haviam desaparecido no dia 7 de outubro de 1973, da comunidade agrícola ‘Isla de Maipo’.

 

Essa descoberta escandalizou o mundo e finalizou a busca dos familiares desses 15 desaparecidos, vários de uma mesma família.

 

Membros da Junta Militar disseram que “muchos de los presuntos desaparecidos no tienen existência legal”.

 

Espaço

Este foi um dos casos mais marcantes da ditadura chilena do qual me ‘aproximei’.

Ele me transporta às minhas origens camponesas.

 

Incinerados em Lonquén:

Sergio Maureira Lillo e seus quatro filhos, Rodolfo Antonio, Sergio Miguel Segundo, Armando e José Manuel; Oscar Hernández Flores e seus irmãos Carlos e Nelson; Enrique Astudillo Alvarez e seus dois filhos Omar e Ramón; e os quatro jovens Miguel Brant, Iván Ordóñez, José Herrera e Manuel Navarro.

 

Maiores informações disponíveis em: <http://www.memoriaviva.com/Desaparecidos/lonquen.htm>

Acesso em: 10 out 2015.

 

2º Movimento

Andante

Viagem de Santiago a Lonquén.

 

 

130- -mapa de santiago a lonquen  cópia

 

 

Alegro

Depois de algumas buscas no mapa e pedidos de informações chegamos ao local onde ficam os fornos de Lonquén.

 

 

Lonquén, 18.10.2015 (domingo)

1º Movimento

Andante

‘Hornos de Lonquén’

Adágio

‘Hay perimetro’.

 

 

131- onde nao somos bem vindos  cópia

 

 

Alegro

Insistimos tocando a campainha da casa ao lado, até conseguirmos ser atendidos e obter algumas informações.

Adágio

A propriedade é particular. Somente abre no dia 11 de setembro, por força de ordem judicial.

Mediante essa informação, ficamos do lado de fora.

Espaço

Eu havia feito flores brancas, em papel crepom, que são do ‘Projeto Manifesto das Flores’, do artista plástico brasileiro, Severino Iabá – projeto este do qual participo há mais de dez anos –, flores que trouxe comigo hoje, para colocar 15 delas nos fornos.

Alegro

Com os portões fechados, decidi fincar as 15 flores na frente do portão. O fato de não poder entrar adiciona novos significados a esta visita. Significados estes relacionados ao poder do capital perante a memória das pessoas… quando o ter a propriedade suplanta o cultivo à memória, à história e à justiça.

2º Movimento

Andante

Fotos do estandarte.

Alegro

Faço fotos do estandarte com as flores, em frente ao portão fechado.

 

 

132- ERIMETRO DOS HORNOS DE LONQUEN cópia

 

 

Adágio

É inconcebível que um sítio de memória, com essa importância, permaneça ‘propriedade privada’ e que se mantenha fechado para visitas.

3º Movimento

Andante

Cemitério de Lonquén.

Alegro

Fotografo o estandarte junto ao memorial aos executados políticos, incinerados e desaparecidos de Lonquén.

Espaço

Esse lugar mantém viva a vida, e também viva a morte desses trabalhadores.

Espaço

 

Aqui, a cova comum dos 15 incinerados reúne a luta, mantendo-os vivos no pós-morte.

Quinze vozes

quinze famílias

quinze pensamentos incinerados.

Como palavras

escritas em folhas de papel

e

transformadas em cinzas.

Adágio

 

Ecoa o som de suas vozes,

vozes roucas,

instrumentos da luta,

alegria do compartir

dignidades

encerradas no calor

de morte traiçoeira.

 

Alegro

Deixaram de constar na lista dos ‘desaparecidos’, por ter sido encontrado o que restou de seus ossos.

 

133- manifesto f e estandaqrte em lonquen  cópia

 

Alegro

Deixo 15 flores brancas de papel crepom e fotografo o estandarte neste memorial do cemitério que, além da cova comum dos ’15 dos fornos’, está destinado também a outras pessoas executadas pela ditadura chilena.

 

No caso do Chile, o governo da Unidade Popular abraçava causas das mais diversas associações populares e, consequentemente, de inúmeras cores de toda uma geração.

 

‘Venceremos’ – Victor Jara’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=uGazscDbUkI>

Acesso em: 23 ago 2015.


‘Himno de la Unidad Popular’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=jkYoHxzaKs4>

Acesso em: 04 ago 2015.

 

Santiago, 18.10.2015 (domingo)

3º Movimento

Andante

Almoço de despedidas.

Alegro

Almoçamos juntos ‘Ami’, ‘Crêy’, Francisco e outras pessoas dessa maravilhosa família que me recebeu no Chile. Ganhei delas vários presentes. Sou feliz por tê-los encontrado. Agora são parte de minha família.

4º Movimento

Andante

Filme: ‘Documental Hornos de Lonquén’.

Dirigido por Luis Díaz Bahamondes.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=WB1WxS0sEDY>

Acesso em: 18 out 2015.

 

Resumo no link do filme:

“A través de las familias de 4 jóvenes menores de edad, desaparecidos desde la Plaza de Isla de Maipo, conocemos el emblemático caso Hornos de Lonquén. Son quienes vivieron los hechos y quienes relatan frente a la cámara el dolor de un luto llevado por 38 años. Recorreremos junto a ellos, los años de búsqueda, de espera y de angustia. Entramos a sus casas y su mundo, con una visión humana, cercana, dejando colores, ideales y política de lado”.

 

Santiago, 19.10.2015 (2ª feira)

1º Movimento

Andante

 

Filme: ‘Chile, Las Imagenes Proibidas’.

Produzida e exibida por Chilevisión.

O filme contém depoimentos atuais de pessoas identificadas através das filmagens da época.

Parte I

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=PIsmf8FeaZU>

Trechos de depoimentos:

“Várias partes de cadáveres apareceram no rio Mapocho.”; “Há uma recompensa de 500.000 escudos para quem entregar dados dos ‘cabeças’ da Unidade Popular.”;

 

“Eles – os militares – entravam de apartamento em apartamento, pegando os livros e os atirando ao fogo.”;

 

“Centenas de mães que perguntavam por seus filhos.”; “Quando saímos do estádio, entramos em um ônibus e dissemos ‘não temos dinheiro’, e todos queriam pagar.”;

 

“Em toda a cidade, todos eram suspeitos de alguma coisa.”; “O enterro de Pablo Neruda se tornou a primeira manifestação contra a ditadura. […] Todos cantavam ‘a Internacional’.”;

 

“Cada vez ficou mais difícil fotografar e filmar o que acontecia no Chile.”;

 

“A igreja católica não ficou indiferente. O monsenhor Raul Silva Henriquez, apoiava os familiares dos detidos desaparecidos e criou o ‘Comitê pró paz’, e depois a ‘Vicaria de la Solidariedad’.”;

 

“Em maio de 1983, os trabalhadores do cobre convocaram o primeiro protesto nacional.”;

 

“Em setembro de 1984, mais protestos, contra a ditadura, nas ruas, com repressão, inclusive com cachorros que mordiam as pessoas.”;

“O governo cria a censura prévia e se tenta impedir as publicações”.

Parte II

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=syn43XlUZbU>

Trechos de depoimentos:

“Pinochet aplica o ‘estado de exceção’ e restringe, ainda mais a quase inexistente liberdade.”;

 

“Parte da população foi favorável à ditadura.”;

 

“A oposição faz uma manifestação com mais de 25.000 pessoas em Santiago.”; O funeral dos 3 degolados se tornou um protesto contra a ditadura.”;

 

”A partir de 84, os estudantes representaram uma importante fatia da luta contra a ditadura. […] Com posição frontal perante a repressão”; “Perdemos 42 estudantes, que os mataram.”;

 

“No final de 1986, parlamentares de todo o mundo vieram a Santiago, apoiar os que lutavam por democracia no Chile”.

Parte III

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Ps9L6kODDyo>

Trechos de depoimentos:

“Em 1986, as imagens de um estudante baleado e morto corre o mundo.”;

 

“As mulheres foram para as ruas contra a ditadura. […] Mostrando que as mulheres eram a favor da vida e contra a violação dos Direitos Humanos.”;

 

“Caminhávamos em silencio, sem fazer nada.”;

 

“A polícia reprimia com água e gás lacrimogênio.”; “Alguns setores da luta não acreditam que Pinochet sairia voluntariamente, e não acreditavam na luta pacífica.”;

 

“É criada a ‘Frente Patriótica Manoel Rodriguez.”;

 

“Acreditamos que as pessoas são pacíficas até quando não lhes resta outro recurso senão usar a força para acabar com a barbárie, e recuperar a democracia. – referindo-se ao atentado contra Pinochet”;

 

“Com o atentado a Pinochet é decretado o ‘Estado de Sítio’.”; “O Papa João Paulo II aparece junto ao presidente – Pinochet.”;

 

“O Papa não se posicionou pelo fim da ditadura”.

Parte IV

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QhvfjqcuSVE>

Trechos de depoimentos:

“Mediante a pressão popular e internacional, a ditadura convoca um plebiscito, na tentativa de se manter no poder, por mais oito anos”.

 

No Chile, além da sistemática queima de livros, também se proibiu a entrada de vários autores, segundo escreve Charles Vanhecke no jornal ‘Le Monde’, do dia 10 de junho de 1977:

 

“No começo de abril se chegou a proibir a entrada no Chile de livros de Gabriel Garcia Marquez, Julio Cortázar e Mario Vargas Llosa […]. Motivo: difamar Chile no exterior”.

 

 

Pauta: ‘Vicaría de la Solidariedad’.

Parte da igreja católica chilena enfrenta a ditadura militar, pondo-se ao lado das vítimas, através do apoio aos familiares, com a criação da ‘Vicaría de la Solidariedad’, com assistentes sociais, advogados etc, tornando possível, também, a busca por desaparecidos e por corpos de executados políticos.

 

Progressivamente se criou um arquivo com fotos, depoimentos e outros documentos, que foram usados tanto no Chile como internacionalmente, para fins de divulgação e denúncias, e posteriormente para julgamento dos culpados.

 

‘Vicaría de la Solidariedad’.

Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=N5jjxo41rJs>

“El abogado Álvaro Varela Walker nos explica en qué consistia su trabajo en la ‘Vicaría de la Solidariedad’.”

Acesso em: 06 fev 2016.

 

Filme: En nombre de Dios (la Vicaría de la Solidariedad)’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6OTSHJ9SeoA>

Acesso em: 08 fev 2016.

 

“Estou convencido de que nossos governantes não são cristãos”. (Teólogo Ronaldo Muñoz).

 

 

Pauta: Padre André Jarlan.

Um exemplo do envolvimento de parte da igreja católica nas lutas pela redemocratização do Chile pode ser observado na história do padre francês André Jarlan, que chegou ao país em fevereiro de 1983. Trabalhava na paróquia de ‘La Victoria’, reconhecida como uma comunidade emblemática de resistência ao regime militar.

 

O padre Jarlan, durante os protestos, defendendo a comunidade, se colocava em frente às viaturas policiais.

 

O pároco foi assassinado, em sua casa, por carabineiros, no dia 04 de setembro de 1984.

 

‘Réquiem de Chile. André Jarlan Pourcel – Canal 13, 2010’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=pMEM7MlUOmE>

Acesso em: 23 jul 2015.

 

‘Qué dirá el Santo Padre’ – Quilapayun.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=TFiDKfE_nfU>

Acesso em: 23 jul 2015.

 

 

Pauta: Relatórios oficiais.

Segundo dados dos ‘Archivos Chile’, são números oficiais do período 1973-1990:

 

1.193 detidos desaparecidos.

 

Listagem disponível em: <http://www.archivochile.com/Derechos_humanos/doc_gen_ddhh/hhdddocgen0001.pdf>

 

2.117 executados políticos.

 

Lista completa dos centros de detenção, tortura e morte disponível em: <http://www.memoriaviva.com/Centros/centros%20detencion%20lista.htm>

 

28.456 detidos, interrogados, torturados.

 

Santiago, 20.10.2015 (3ª feira)

1º Movimento

Andante

Aeroporto de Santiago.

 

134- DESENHOS  cópia

 

 

2º Movimento

Andante

Viagem de volta ao Brasil.

Alegro

Viajo de volta no voo LAN 0760.

Saída de Santiago às 08h20m.

 

 

135- POR SOBRE A CORDILHEIRA DOS ANDES

 

 

 

 

136- MAPA - CHEGANDO A SAO PAULO  cópia

 

 

Chegada a São Paulo às 13h20m.

 

 

137- Mapa- chegando a sao paulo  cópia

 

 

São Paulo, 20.10.2015 (3ª feira)

1º Movimento

Andante

Viagem de São Paulo a Belo Horizonte.

Voo TAM JJ 3326.

Saída de São Paulo às 17h30m.

Chegada a Belo Horizonte às 18h59m.

Adágio

Em um relatório do ‘Monitor Global’, durante os primeiros 30 dias em que estive em Santiago – de 15.09 a 15.10.2015 –, o Chile teve: 04 terremotos hoje, dia 15.10; 28 terremotos nos últimos 7 dias; 351 terremotos neste mês; 627 terremotos neste ano. O maior do ano, este mês, 8.3 em Illapel, Coquimbo, em 16.09.2015.

Disponível em: <http://earthquaketrack.com/p/chile/recent>

Acesso em: 15 out 2015.

 

Alegro

Para os chilenos, o chão balança, desde quando estão no útero, até a tumba.

Para mim, foi tarefa árdua, muito árdua, trabalhar com o chão balançando todo o tempo.

Por ter baixa habilidade visual, venho, ao longo dos anos, aprimorando minhas habilidades sinestésicas, o que me fez sentir, se não todos, quase todos os abalos sísmicos desses meus 35 dias no Chile.

Até me chamaram de ‘sismógrafo’.

Axé!

Estou de volta!

 

2º Movimento

Andante

O Projeto ‘Senha Aberta’.

‘Caminhando, Caminhando’ – Victor Jara.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=VkAy7VgF2f0>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

 

Sátira sobre o capital:

‘El Dinero’ – Ángel Parra.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=I9jErAJJNFg>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

 

Pauta: Sobre política.

‘O Esquecimento da Política’, por Adauto Novaes.

Apresentação: Adauto Novaes – Texto extraído do Portal MinC – Programa Cultura e Pensamento.

 

“Vivemos um momento de incerteza e desordem. Em qualquer domínio da atividade humana – esferas do saber e do poder, costumes, mentalidades, sensibilidade ética, valores – notamos transformações sem precedentes. A política é parte dessas mutações e desse caos. Já se disse que a imagem de um caos é um caos, e que, ao voltarmos o olhar para essa imagem, muitas vezes nossa reflexão tende a tornar-se mais perturbadora ainda. O olhar corre o risco de perder-se, ao concentrar o trabalho do pensamento nessa coisa, ao mesmo tempo brilhante e obscura, que é a imagem do esquecimento. Se a política é hoje um dos objetos privilegiados do esquecimento, é preciso ir às origens desse esquecimento para depois chegar à coisa esquecida.

 

Uma das formas do esquecimento da política está na ausência de conceitos que, até pouco tempo, serviam de pontos de referência para a prática. Esse saber teórico, que procurava dar conta da ideia de totalidade que a política pede, decompõe-se hoje em ‘teorias’ parciais, voláteis e puramente instrumentais.

 

Para falar de esquecimento da política em um mundo dominado pela tecnociência, temos duas possibilidades: as consequências negativas que podem ser traduzidas pela perda dos fundamentos políticos, isto é, daquilo que a filosofia recriou ao longo da história como resposta às interrogações levantadas pelo advento do social e que permitiram desvelar, em suas várias dimensões, mesmo as mais ocultas, as formas de dominação; a outra possibilidade pode ser o elogio do esquecimento, isto é, a abertura para esquecer aquilo que, sendo apenas parte da vida social, procura pôr-se no lugar da política de maneira totalizante, escandalosa e inconsequente busca da hegemonia de uma das variantes da vida social sobre a política: a economia, a privatização da vida pública, a religião, o moralismo e a eficiência técnica – que levam ao desinteresse por qualquer forma da teoria crítica.

 

Os utopistas de ontem foram substituídos pelos especialistas de hoje: não disputamos mais os fins políticos, discutimos, sim, os meios e esses são técnicos, diz Francis Wolff.

 

Uma das variantes mais fortes do esquecimento da política consiste na prática dos meios de comunicação que detêm hoje um poder até então desconhecido, não apenas na interpretação dos fenômenos e na espetacularização da política, mas principalmente na criação daquilo que se pode designar como a era dos fatos. À força da ideologia os fatos correm à deriva e na contramão das utopias e, na maioria das vezes, contra os ideais políticos.

 

Longe de caracterizar nossa época como a do ocaso das ideologias, ela pode ser definida como a troca dos conceitos políticos pelos fatos que dificilmente são contestados porque os argumentos racionais são abolidos. Eles fogem assim a toda determinação”.

 

Disponível em: <http://filosofiaemdebate.blogspot.com.br/2008/09/o-esquecimento-da-politica-por-adauto.html>

Acesso em: 22 ago 2015.

 

 

Outros links:

Filmes:

‘Machuca‘ – 2004 (Legendas em Português).

Dirigido por Andrés Wood.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=YCRQSgW8Kp4>

Acesso em: 12 fev 2016.

 

Mediado por um colégio católico, frequentado por crianças da classe dominante, que não aceitam os estudantes da ‘periferia’, o filme mostra relações transversais das experiências entre três crianças, sendo uma da classe dominante, sobre suas vidas, seus conflitos internos e os confrontos políticos entre a direita e a esquerda chilena.

 

E como a ditadura ‘limpou’ o colégio dos estudantes pobres.

 

‘Cantata de Chile’.

Dirigido por Humberto Salas.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4Vkg4vmNWTg>

Acesso em: 12 fev 2016.

 

Sobre os trabalhadores do salitre, e as relações das oligarquias inglesa e chilena em relação à mineração. A matemática da exploração e a repressão sobre os trabalhadores.

 

‘Ya no Basta con Rezar’.

Dirigido por: Aldo Francia.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=zWdH9w0v9PI>

Acesso em: 11 fev 2016.

 

“Filmada en Valparaíso, la cual nos presenta a un Religioso que al ver la desigualdad social, injusticias y pobreza comienza a cuestionar a la Jerarquía eclesiástica y todo su entorno Burgués; y decide llevar por las suyas la verdadera solidaridad y apoyo mutuo”.

 

‘Chile: ¿hasta cuándo?’ (Documental – 1985).

Dirigido por David Bradbury.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=v6ogsw3pGlU>

Acesso em: 13 fev 2016.

 

“El documentalista David Bradbury inventó una razón de tipo ‘espiritual’ para entrar al país con su equipo de filmación”.

 

Sobre a Operação Condor:

‘(A.H.F) Condor’.

Dirigido por Roberto Mader.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=HhTjM1dj4e8>

Acesso em: 27 jan 2016.

 

Este documentário mostra vários lados das histórias das ditaduras latino-americanas, tendo como fio da meada a Operação ‘Condor’.

 

‘Calle Santa Fe’ – Documentário.

Dirigido por Carmen Castillo.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BVgBseOVvz8>

Acesso em: 10 fev 2016.

 

Recorre às memórias da esposa de um dos dirigentes do MIR, assassinado pela ditadura.

 

‘La Dictadura de Pinochet al desnudo’ (Pinochet y sus tres generales).

Dirigido por José María Berzosa.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=VqR0OUDqB50>

Acesso em: 13 fev 2016.

 

Entrevista os generais da Junta Militar, em família, ao mesmo tempo que nos mostra as pessoas procurando por seus desaparecidos através da ‘Vicaria da Solidariedade’.

 

As declarações dos militares de que não há desaparecidos.

 

‘A Batalha do Chile’ (A luta de um povo sem armas).

Dirigido por Patricio Guzmán.

Parte I

‘A Insurreição da Burguesia’.

Disponível em <lhttps://www.youtube.com/watch?v=L_JHLTeRHr8>

Parte II

‘O Golpe de Estado’.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ThjqyI01zaY>

Parte III

‘O poder popular’.

Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=xfpb-PBfZj8>

Acesso em: 21 mai 2015.

 

Alguns sites:

‘Comisión Nacional de Verdad y Reconciliación’: <http://www.ddhh.gov.cl/ddhh_rettig.html>

 

Museo de la Memoria y los Derechos Humanos’:

<http://www.museodelamemoria.cl/>

 

‘Matucana 100 – Centro Cultural’:<www.m100.cl>

 

‘Londres 38 – Espacio de Memorias’:

<www.londres38.cl>

 

‘Parque por La Paz Villa Grimaldi’:

<www.villagrimaldi.cl>

 

‘Estádio Nacional do Chile’: <http://www.estadionacionalmemorianacional.cl/>

‘Casa de Memória José Domingos Cañas’: <www.josedomingocanas.org>

 

‘Biblioteca Nacional do Chile’:

<www.bibliotecanacional.cl>

 

Site de Isabel Parra: <http://www.isabelparra.cl/mi_trabajo.htm>

 

‘Memória Viva – Centros de detenção da ditadura chilena’:

<http://www.memoriaviva.com/Centros/centros%20detencion%20lista.htm>

 

‘Arquivo Chile’ (Listas oficiais):

<http://www.archivo-chile.com>

 

 

Livros disponíveis na rede mundial de computadores:

‘QuechuaSerie Introdución Histórica Y Relatos de los Pueblos Originarios de Chile’.

Disponível em: <http://www.fucoa.cl/publicaciones/pueblos_originarios/quechua.pdf>

Acesso em: 02 mar 2015.

 

Sobre arte chilena e política:

‘Catálogo exposición CHILE VIVE. Muestra de arte y cultura, Madrid 1987’.

(Flip book)

Disponível em: <http://issuu.com/cce_santiago/docs/chilevive_1987_muestra_de_arte_y_cu_406370c51ef3f2>

Acesso em: 25 nov 2015.

 

 ‘Cuadernos MAC, Chile años 70 y 80, Memoria y experimentalidad, MAC Bicentenario, Museo de Arte Contemporáneo, Chile,  Julio 2011-Enero 2012’. (Site).

Disponíveis em: <http://www.mac.uchile.cl/publicaciones/material/chile-70s-y-80s>

Acesso em: 25 nov 2015.

 

‘El Cartro y Pablo Neruda’, de Antonio Skármeta, na voz de Joan Mora.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ynZc1ZH0F2c>

Acesso em: 30 jul 2015.

 

 

Livros em áudio:

‘La aventura de Miguel Littin clandestino en Chile’, de Gabriel García Márquez.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=B8ZLVATvQms>

Acesso em: 24 nov 2015.

 

‘Paula’ – de Isabel Allende

Parte I

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=WMp5D6CPsN4>

Parte II

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4HOQv0SqDPc>

Acesso em: 24 nov 2015.

 

 

Textos disponíveis na rede mundial de computadores:

‘Michel Foucault – ficção, real e representação. A produção de sentidos sociais: desdobramentos teóricos contemporâneos’, de Juan Pablo Chiappara.

Disponível em: <http://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/aulas/article/view/1929/1390>

Acesso em: 25 ago 2013.

 

Este trabalho traz parte de alguns textos de Michel Foucault que tratam da questão das fronteiras entre o real e o ficcional.

 

Sobre o processo de redemocratização do Chile:

‘A redemocratização no Chile: transição, inauguração e evolução’, de Manuel Antonio Garretón M.

Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010264451992000300004&script=sci_arttext>

Acesso em: 05 dez 2015.

 

Análises sobre o processo de redemocratização do Chile podem ser vistas no trabalho.

 

‘Archivos de la Universidad Jaime I’.

 

Sobre Gabriela Mistral:

Disponível em: <http://www.los-poetas.com/e/biomist.htm>

Acesso em: 29 jul 2015.

 

Sobre cinema chileno durante a ditadura:

‘Cine chileno: los años de la dictadura’, de

Jacqueline Mouesca .

Disponível em: <http://www.blest.eu/cultura/mouesca88.html>

Acesso em: 12 out 2015.

 

Sobre repressão e música no Chile:

Oficina do Historiador, Porto Alegre, EDIPUCRS, v. 3, n. 2, agosto-2011.

Disponível em:

<http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/oficinadohistoriador/article/view/8861>

Acesso em: 10 ago 2015.

 

 

Livros que adquiri ou ganhei:

QUIJADA, Gonzalo Leiva. AFI – Associación de Fotógrafos Independientes. Santiago, Ocho Libros, 2008.

Rodrigo Rojas De Negri – Un exilio sin retorno.

Coleção Mal de Ojo – Série Gozador de Sombras. Santiago, Lom, 2013.

PARRA, Anagel. Violeta foi para o céu. Lisboa, Chiado, 2011.

FUNDACIÓN VIOLETA PARRA. Violeta Parra – Obra Visual. Santiago, Ocho Libros, 2012.

SÉCLIER, Philippe. El Camino de Tulahuén – Em busca de Sergio Larrain. Santiago, Lom, 2014.

LOPES, Hoppe; PÉREZ, Montecino.  Chile – 1973-1990 – La Dictadura de Pinochet. Santiago, Lom, 2013.

PÉREZ, Claudio. Ritos y Memoria. Santiago, Lom, 2014.

Armindo Cardoso – Um Otro Sentimiento Del Tiempo – Chile, 1970-1973. Santiago, Ed. Biblioteca Nacional de Chile, Santiago, 2015.

ALVORADO, Margarita; MÖLLER, Carla. Memoria Visual e imaginarios – Fotografias de pueblos originarios. Siglos XIX-XXI. Santiago, PUC-Chile, 2011.

DEPARDON, Raymond. Chile 1971. Santiago, Lom, 2013.

PANTOJA, A. S.; UMBACH, Rosane; PANTOJA, T. S. Estudos de literatura e resistência. Campinas, SP, Pontes, 2014.

PINA, João. Condor. Rio de Janeiro, Tinta da China, 2014.

Cartel Chileno 1963-1973. Ed. B. Chile, Santiago, 2011.

MEISELAS, Susan; GRONEMEYER, Jorge. Chile desde Adentro – 15 fotógrafos chilenos. Santiago, 1963.

MOYA, Laura Díaz. Lumi Videla Moya – Su Vida, su Lucha, su Heroica Muerte. Santigo, Fundación 1367 – José Domingos Cañas,  2013.

Tortura en poblaciones del Gran Santiago – 1973-1990. Santiago, José Domingos Cañas, 2005.

ERRÁZURIZ, Paz. Kawésqar, hijos de la mujer sol. Santiago, Lom, 2006.

 

 

Discos que adquiri ou ganhei, referentes à Terceira Afinação deste projeto:

Elis Regina – ‘Coleção Obras Primas’.

Grupo Taracóm  – ‘Gracias a la Vida’.

Illapu – ‘Sus más grandes exitos’.

Inthllimani –  ‘Antologia en Vivo’.

Isabel Parra e Violeta Parra – ‘Isabel canta a Violeta’.

Joan Baez – ‘The Best of’; ‘Here’s to life’.

Mercedes Sosa – ’30 años’; ‘Mercedes Sosa en Argentina’; ‘Edición definitiva, 1976-1982’ (Censurada); ‘Deja la vida volar’.

Pablo Neruda (Audiolivros) – ‘Los Versos del Capitán (1951-1952)’; ‘Veinte Poemas de Amor y una Canción Desesperada’.

Quilapayun – ‘Santa Maria do Iquique’  – Cantata Popular.

Victor Jara – ‘1959-1969’.

Violeta Parra – ‘Hace falta un guerillero’; ‘Antologia’.

 

 

Outras canções chilenas ou relacionadas ao Chile:

‘Cantata Santa Maria de Iquique’ (completa: 40 minutos).

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wd62_8xAHf4>

Acesso em: 25 ago 2015.

 

Sobre a luta dos trabalhadores e da história do Chile, sobre os sonhos, a justiça, a democracia. “Tema que rememora la matanza de 3600 obreros pampinos, en diciembre de 1907“.

 

‘Las Ultimas composiciones’ – Violeta Parra. Disco completo.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mMG3yT6ucf0>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘El Lazo’ – Victor Jara.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=5Vixw-_Mlt8>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘Levántese compañero’ – Angel Parra.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BOUxUyo6nGI>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

‘Doña Lucha por la Vida’ – Payo Grondona.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=rYWHLDvSAzI>

Acesso em: 23 ago 2015.

 

 

Links para ‘Gracias a la Vida’:

Elis Regina

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QhZYeWATfhg>

 

Plácido Domingo

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Bkmw1Gq80BE>

 

Omara Portuondo

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wsz3edFtK-k>

 

Chavela Vargas

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=HTaOHbgtxVE>

 

Nostalgico Inti-Illimani – em sueco.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=sofMrIXjNkg>

Interpretada por Cecilia

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QtBjXktp64M>

 

‘Isabel Parra en Francia’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=amBsMF9GjjQ>

Silvio Rodrigues, Isabel & Angel Parra.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=vL0zaGWFb4s>

 

Los Calchakis

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mw8xoUD8Ssw>

 

Alberto Cortez

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mJbLERIydX8>

 

Raphael

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=T564QGAgZ_4>

 

Maria Jimenez (1976)

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=A7ojZlpgQac>

 

Sonia La Unica

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Z3lbUZZWtSU>

 

Vicente Fernandez

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=z1J7DB7Og3Q>

 

Andrés Jimenez e Facundo Cabral

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=M7whDdDeGjM>

 

Nana Mouskouri

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=vGJetmbAMx4>

 

Soledad Bravo

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=hw8F5qMLBAw>

 

Luis Jara e Eva Ayllón

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=sCqY0asOBOY>

 

Claudia Meyer

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=k6PE1Zr1TPM>

 

Los Bunkers – (Cover Violeta Parra)

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=s9JhnsOmwlQ>La

Oreja de Van Gogh

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=AAU2xvh6Pcw>

 

Savia Andina

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Ozaw8ngm14U>

 

Gloria Simonetti (Festival de Viña 1982)

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=I57gQo5z6QQ>

 

Los Tres

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=HNlkMsGZmrE>

 

Jorge González

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=0faG6EVMzcU>

 

Pasión Vega

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=dkL_PmI4Suk>

 

Rosario Flores

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=RwqPmlv002M>

 

Luz Casal

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=NhLUV4zybYg>

 

Ana Gabriel

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=SlAOFFW8DgM>

 

Ana Belén e outras artistas

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=PTdiHrCX7WM>

 

Oscar Chavez

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=xLy0UvLtdY4>

 

 

Algumas considerações finais:

Ao concluir a pesquisa e produção dos conteúdos da terceira afinação deste projeto, acredito que encontrei uma série de depoimentos que desenham o quadro atual – apesar de ter sido gravado em 2013 – não somente do Chile, mas talvez também de vários outros países da América Latina.

 

É com imenso prazer que posto aqui os 40 depoimentos do projeto ‘Chile: 40 Voces, 40 Años’.

 

 

138- 40 VOCES 40 ANOS  cópia

 

 

Resumo do texto no link: “A 40 años del bombardeo a ‘La Moneda’, que dio inicio a los 17 años de la dictadura comandada por el militar Augusto Pinochet, presentamos el proyecto ‘Chile – 40 voces, 40 años’, una recopilación de testimonios de personalidades públicas que hablan sobre el 11 de septiembre de 1973 y reflexionan sobre cómo este hecho configura el Chile actual.
Los 40 personajes de la serie son reconocidos por su trayectoria pública”.

 

Realizadores: Felipe Araya e Patricio Escobar.
Produção: Joaquín Villegas, Fabián Valdés, Leonel Retamal.
Ideia original: ‘Réplica producciones’.
Música: Alpha-Stronggah.

 

‘Chile: 40 Voces, 40 Años’

 

1– Eduardo Fuentes – “Hay una ciudadanía que exige cambios más contundentes”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=uIc50Ku7DlI>

 

2– Karen Hermosiella – “Somos residuos de la dictadura”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=DDjy8ZNaagk>

 

3– Gonzalo Rojas Sánchez –  “El 11 de septiembre se concretó una rebelión”.

Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=bziCjrdqwNE&index=38&list=PLWsyiygo_vGWEFYc14ZR4VupuUX7sPw2>

 

4– Adriano Castillo – “Que se conozca el paradero del último de los DD.DD”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=fqj7inEwA54>

 

5– Freddy Stock – “En el fondo, la dictadura no ha terminado aún”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=9ZLdLGGie88>

 

6– Faride Zerán – “No entiendo la lógica de eliminar medios independientes”. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=9zlMzNpYcRg>

 

7–  Katty Kowaleczko – “La dictadura se tornó invisible”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=rNiWVqfKuzI>

 

8– Rodrigo Salinas – “Nos quedamos con un miedo terrible de la dictadura”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Twqe3B65w98>

 

9– Gabriel Salazar – “Allende no era Fidel”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mbK87QvDdqA>

 

10– Luis Cortés Villa – “No fue un Golpe, fue un pronunciamiento militar”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7-rfNPd5bhg>

 

11– Luis Rendón – “La dictadura instaló la cultura del individualismo”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=trN-Z0kDYxg>

 

12– Marcel Claude – “Hoy en día la oligarquía es dueña de todo”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Zbsu7z6xAP4>

 

13– Camilo Marks – “El Gobierno de Allende es el mejor de la historia de Chile”.

Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=U3XsTIlilCo&index=28&list=PLWsyiygo_vG-WEFYc14ZR4VupuUX7sPw2>

 

14– Ítalo Passalacqua – “La paciencia de los chilenos se está acabando”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=RYdG4tXrWdc>

 

15–  Daniel Alcaino – “La dictadura afectó el alma de Chile”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=TSOCARZohL4>

 

16– Manuel García – “La sociedad se reinventa desde lo popular”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=TSu4vGWTiSA>

 

17– Pedro Cayuqueo – “El modelo de la dictadura goza de muy buena salud”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Vz9wjZSW908>

 

18–  Raul Sohr – “El gasto militar de Chile es sobredimensionado”. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=AmGV73nvMQk>

 

19– Roberto Artiagoitia – “Nos convertimos en un país penca, del montón”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=IbnzO-ixA9o>

 

20– Claudio Narea – “La gente se da cuenta que esto no debe seguir así”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4HlDsF2BbME>

 

21– Álvaro España – “Pinochet transformó a Chile en un país falto de valores”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=iuMF7S4M4yE>

 

22– Alejandro Guillier – “Lo nuevo en Chile son los movimientos sociales”. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=8uZdphY33vg>

 

23– Eloísa González – “Son 40 años de resistencia”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=2Yq7i6yvMio>

 

24– Loreto Aravena –  “Vivimos en una seudo democracia”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=GgHehdNxZCk>

 

25– JC Guarello – “Este modelo inevitablemente tenía que hacer crisis”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=IYzhYZ3ZAYQ>

 

26– José Rodríguez Elizondo – “Prefiero hablar de sinceramiento”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=60M5TccHb3Q>

 

27–  Carlos Pérez – “La dictadura real es la del capital transnacional”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=535gwWC0eBg>

 

28– Alberto Mayol – “La obra de la dictadura está plenamente vigente”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mpfT21mXUjw>

 

29– Roxana Miranda ­­–  “El gran error fue habernos ido para la casa”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=gXu7Ru-lDuY>

 

30–  Felipe Avello –  “Recién ahora se debate cambiar la constitución”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=8OfBF-_nnkg>

 

31– Hermógenes Pérez de Arce –  “La izquierda predomina en los medios”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=q2i6VHVUupY>

 

32– Mariana Loyola – “Antes había un país menos arribista”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4Kgf5kMJ7wo>

 

33–  Pablo Mackenna – “Los pinochetistas no pueden tener pantalla”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=93GNlAW71D0>

 

34– Francisco Reyes – “Esta democracia protegida ya no tiene más vueltas”.

Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=UBPSRAF-B8o>

 

35– Daniel Muñoz – “Se nos educó para ser violentos”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=uYSSdw9gqCw>

 

36–  Patricio Torres – “Estuve y estoy en contra de Pinochet”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=adjnTNTMies&list=PLWsyiygo_vG-WEFYc14ZR4VupuUX7sPw2&index=5>

 

37–  Luisa Toledo – “El neoliberalismo se implantó a punta de metralleta”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=phLXJxYNf7M>

 

38–  Víctor Gómez – “Estamos en una democracia de cartón”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=kNfIOzaSMUg>

 

39–  Fernando Atria – “Es momento que Chile sea adulto”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ttuYQrMar5s>

 

40–  Cristián Cuevas – “Recuperar la fuerza transformadora de los de ayer”.

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=0P7nRPZDVuM>

Acesso em: 04 dez 2015.

 

Para pausar esta afinação:

“O que dá o verdadeiro sentido ao encontro é a busca,
e é preciso andar muito para se alcançar o que está perto”.

(José Saramago).

 

‘A gente se acostuma…’

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ruN_LR60ZfQ>

Acesso em: 03 nov 2015.

 

‘Si cada día cae’

 

Si cada día cae, dentro de cada noche,
hay un pozo
donde la claridad está encerrada.

 

Hay que sentarse a la orilla
del pozo de la sombra
y pescar luz caída
con paciencia.

 

(Pablo Neruda – ‘Últimos Sonetos’).

 

 

Apoiam este projeto:

Arquivo Nacional, Memórias Reveladas. Rio de Janeiro. Brasil.
Câmara Municipal de Grândola. Grândola. Portugal.
Casa da América Latina. Lisboa. Portugal.
Encontros da Imagem. Braga. Portugal.
Albertina Malta. Pesquisadora. Recife. Brasil.

Demolicion/Construcción. Córdoba. Argentina.
Arquivo Provincial da Memória. Córdoba. Argentina.

Matucana 100 – Centro Cultural. Santiago. Chile.

 

Eliane Velozo, 13 de março de 2016.

 

 

Eliane Velozo é fotógrafa, escritora, multiartista,  produtora cultural e jornalista*.

Formada em Comunicação Visual (UFPE. Recife. Brasil), e Mestra em Fotografia (UIC.Chicago. EUA).
*Membro do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Pernambuco.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *